Cultura/Porto Alegre

Fundada em 1872, Sociedade Floresta Aurora inicia atividades de celebração de seus 150 anos

Print de Anúncio no Jornal O EXEMPLO, de 1904 – WikiComons

Somos a Sociedade Beneficente Floresta Aurora. Uma instituição centenária, sem fins lucrativos, fundada em Porto Alegre, no ano de 1872, por um grupo de negros alforriados com a intenção de prestarem auxilio a outros negros e suas famílias.

A história vem sendo transmitida de forma oral e o principal argumento de que se tem notícia, é o de que a união desses negros era para, além de se fortalecerem enquanto grupo, repudiando o regime escravocrata, mostrar a indignidade quanto às cerimônias de despedidas de seus mortos. Os mesmos não tinham direito a um funeral digno, pois eram enterrados diretamente nas covas e sem direito a cerimônia ritualística que a ocasião requer e a um caixão.

Ao iniciar suas atividades, a SFA assumiu o papel de colaborar na transformação social para que novos rumos fossem traçados na vida da comunidade negra de Porto Alegre. Este vem sendo seu compromisso por 149 anos de forma ininterrupta. Com o tempo, imprimiu seus propósitos na sociedade como um todo e hoje é referência nacional da Cultura Negra, sendo uma das principais do Estado do Rio Grande dos Sul.

Os esforços até aqui mostram que o passado não pode ser esquecido para que o futuro possa ser um lugar justo, com oportunidade para todos.

Em 2022, a Floresta Aurora completa 150 anos. Como forma de comemoração e fortalecimento, projetos e ações estão sendo desenvolvidos e serão realizados ao longo deste ano.

No dia 05 de dezembro, acontece na sede da entidade, o evento Celebração pela Paz, em homenagem a 1 ano do falecimento Beto Freitas, uma celebração religiosa envolvendo representantes das diversas religiões, além da participação de representantes e agentes do movimento negro e da luta de combate ao racismo, e atrações culturais.

A ocasião marca o momento em que a Sociedade está comprometida com o projeto de revitalização da sua sede, localizada na cidade de Porto Alegre onde Beto foi assassinado, e que foi possível através da conquista do edital de apoio para fortalecimento institucional de organizações e/ou coletivos afro-brasileiros da sociedade civil, proposto pelo Grupo Carrefour em exigência as penalidades sofridas pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas, o Beto Freitas.

No país em que, um jovem negro é morto a cada 23 minutos, ações de reparação, além de reforçar o conceito de justiça, devem ser aproveitadas como agentes de transformação no combate ao racismo estrutural, preservando o protagonismo negro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s