Uncategorized

BRASIL MAIS LONGE DA EUROPA

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Por ANDREI NETTO na Revista PIAUI

ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO

Polina Avdonina, 27 anos, estava de malas prontas para o Brasil. Pesquisadora russa formada em filosofia das ciências na Universidade Estatal de Moscou, com mestrado na Pantheon-Sorbonne, em Paris, já tinha o aceite de um orientador para dar início, em março passado, ao doutorado em filosofia analítica na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O projeto de longo prazo, que contava com o apoio de um professor francês radicado no Rio, Jean-Yves Béziau, dependia de uma bolsa de estudos. A bolsa não saiu. A estudante, que agora vive em Israel, não abandonou por completo os planos de estudar no Brasil um dia, embora tenha resistências. “Me incomoda um pouco que um governo de extrema direita esteja no poder”, diz a jovem. 

As dúvidas sobre investir tempo ou dinheiro no país não se limitam a estudantes. Desde que o clima de turbulência política se instalou no país, e em especial desde que Bolsonaro chegou ao poder, a imagem do Brasil não para de se degradar no exterior. Antes visto como uma democracia pujante e emergente, tão ou mais reluzente que Índia e África do Sul, o Brasil hoje enfrenta questionamentos sobre a estabilidade de suas instituições e a pertinência de se investir em um país com baixa previsibilidade política e econômica, além de uma sociedade dividida e polarizada. Para a estudante Avdonina, só há o que lamentar. “Tinha apoio do orientador, meus documentos e meu projeto foram aceitos. Mas no último momento não pude receber a bolsa, porque foi a primeira vez na história em que não concederam bolsas de estudos para estrangeiros”, conta, decepcionada. “Queria muito estudar no Brasil, tudo estava mais ou menos acertado, mas quando recebi a resposta entendi que tinha relações com a política, e que talvez eu não fosse bem recebida no Brasil.” 

Um exemplo dos prejuízos causados pela nova imagem do país no exterior veio na terça-feira, 8, quando a ministra da Transição Ambiental da França, Elisabeth Borne, afirmou em entrevista à rede de televisão BFMTV que seu país não assinará o acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia sem garantias de que as cláusulas de preservação ambiental previstas no Acordo de Paris sejam cumpridas. “Não podemos assinar um tratado comercial com um país que não respeita a floresta Amazônica, que não respeita o Acordo de Paris”, disse Borne. “A França não assinará o acordo do Mercosul nessas condições.” Em setembro, a H & M, varejista do setor de moda, informou que, temporariamente, deixaria de comprar couro do Brasil diante das preocupações com os incêndios da Amazônia.

A indústria do turismo é outro setor que sofre as consequências dessa nova imagem brasileira. Houve um tempo recente em que os destinos turísticos que mais atraíam os clientes franceses e europeus ao Brasil eram os clássicos: Rio de Janeiro, Cataratas do Iguaçu, praias do Nordeste ou Chapada Diamantina. Em 2019, conta Maria Faria da Silva, chefe de produto e “travel designer” da agência parisiense Terre Brésil, a única viagem ao país de Jair Messias Bolsonaro que continua a atrair clientes é a Amazônia – antes que a destruição avance, bem no espírito “vá antes que acabe”. Essa constatação vem sendo feita dia após dia pelo grupo francês Terre Voyages, proprietário da marca Terre Brésil, que há 25 anos organiza pacotes de turismo em direção à América Latina. Fora as viagens a Santarém, que incluem a navegação pelo Rio Tapajós, nenhuma outra venda foi realizada para o ano 2020. Nenhuma.

As vendas, que em anos normais, como 2018 – quando foram comercializados pacotes para o ano de 2019 –, podem chegar a 500 mil euros ou 2,3 milhões de reais, estão próximas de zero. Se os pacotes da Amazônia forem excluídos da conta, o total é nulo. “Nesse ano estou muito preocupada. Fora Amazônia, temos zero nos circuitos nacionais. Estou convencida de que é em função da imagem do Brasil”, explica Silva, com seu português marcado pelo sotaque lusitano. “Muitos clientes me dizem que não querem viajar ao Brasil porque não querem ir a um país governado por alguém como o presidente Bolsonaro. Hoje eu diria que o Brasil precisa fazer campanha de publicidade forte, caso contrário o turismo vai cair muito.”

Os números reais da indústria do turismo no Brasil só serão conhecidos ao final do ano, e talvez se possa então aferir o impacto da nova imagem do país no exterior, e em particular entre europeus. Mas duas coisas já podem ser ditas. A primeira é que ter uma imagem ruim na Europa é mau negócio no que diz respeito ao turismo, já que 48% dos viajantes do mundo são europeus, segundo o último relatório da Organização Mundial de Turismo (UNWTO, na sigla em inglês). A segunda é que há em diferentes setores da economia da Europa, que vão além do turismo e chegam até o mundo dos fundos de investimentos de Londres, uma enorme desconfiança e uma crescente recusa de clientes comuns, empresários e investidores em estabelecer pontes com o Brasil e seus produtos. 

Desde que o escândalo internacional causado pelos incêndios na Amazônia veio à tona, o número de empresas e fundos que decidiram limitar suas atividades de comércio ou investimentos no Brasil vem crescendo. Um dos maiores sinais de alerta foi emitido por um grupo de 230 fundos de investimentos que, reunidos, comandam carteiras da ordem de US$ 16 trilhões. Em uma nota a respeito do tema distribuída pela organização não-governamental americana Ceres e por signatários da iniciativa “Princípios para Investimento Responsável (PRI)”, que tem o apoio da ONU, a advertência foi clara. “Nós estamos preocupados com o impacto financeiro que o desflorestamento pode ter em investidores, potencialmente aumentando riscos reputacionais, operacionais e regulatórios”, diz o texto, que fala em “dificuldades crescentes para acesso a mercados internacionais” por partes de empresas que utilizam cadeias de suprimentos oriundos do Brasil e expostos à devastação da Amazônia.

Um dos fundos líderes do grupo é o francês Amundi, nono maior do mundo, com 1,4 trilhão de euros em investimentos sob sua responsabilidade – montante similar ao PIB do Brasil. Desde o bate-boca público entre Jair Bolsonaro e o presidente da França, Emmanuel Macron, às margens do G7 de Biarritz, no final de agosto, e de declarações agressivas e sexistas como a do ministro da Economia, Paulo Guedes, em relação à primeira-dama francesa, vem se afirmando em Paris e na Europa a percepção de um país governado por radicais de extrema direita, pouco corteses, com baixo senso de diplomacia e com pouco compromisso com direitos humanos e preservação ambiental.

Charles-Henry Chenut, fundador e sócio-gerente do escritório franco-brasileiro de advocacia Chenut, Oliveira, Santiago e conselheiro de Comércio Exterior da França nomeado pelo primeiro-ministro, entende que a imprensa europeia foi dura demais durante a campanha e após a eleição de Bolsonaro, vendendo uma imagem que considera “exagerada”. Mas a realidade dos fatos após a posse não desmentiu o que já não era bom, diz ele. “A crise da Amazônia fez com que ambos os lados se entrincheirassem nas suas posições: a França e a Europa em relação ao Brasil, e o Brasil em relação à França e à Europa”, diz Chenut. “Politicamente, a crise é a pior do pós-guerra.” 

Segundo o conselheiro de comércio, o atrito entre Macron e Bolsonaro gerou impactos econômicos. “No mesmo dia em que o Tratado de Livre-Comércio Mercosul-UE foi aprovado, Macron disse que a França não o aceitaria. O lobby agrícola pressionou tanto que fez com que o governo francês ficasse encurralado. Bolsonaro, ao autorizar pesticidas no Brasil e ao gerenciar a crise na Amazônia, reforçou o discurso de quem diz que o Brasil não pode ser tratado como igual”, entende. “A catástrofe na Amazônia serviu como demonstração de que o Brasil não respeita seus compromissos ambientais.”

Na economia real, afirma, as controvérsias políticas nem sempre são levadas em conta nos processos de decisão. Empresas francesas e europeias instaladas no Brasil continuam a trabalhar porque, no campo dos negócios, o pragmatismo vale mais. Por outro lado, empresas multinacionais que ainda não estão no Brasil, e têm grandes programas de responsabilidade social, agora não querem se instalar no país porque a imagem é muito negativa. “O Brasil é hoje o país que queima a Amazônia”, resume Chenut. “Para essas empresas o Brasil é um mercado complicado, com uma imagem ruim, e Bolsonaro seguramente não facilita as coisas.”

Em Londres, essa imagem também vem se fazendo sentir no mercado de fundos de investimento. “Converso muito com investidores do mundo inteiro e vejo que houve muita retirada de investimentos do Brasil. Há pessoas que investiram por doze, catorze anos, e agora decidiram sair completamente”, explica Wilber Colmerauër, fundador e diretor-executivo do EM Funding (Emerging Markets Funding), com base na capital britânica. “Nessa área de investimento via fundos, temos visto saída de dinheiro em relação ao Brasil. Isso aconteceu após as eleições, quando esse movimento se intensificou.” 

Para Colmerauër, a retórica de confronto de Bolsonaro, incluindo entre seus alvos a imprensa internacional – mais uma vez atacada durante o discurso do presidente na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York –, é o epicentro do problema, porque vem servindo para desconstruir a imagem do Brasil no exterior. Para ele, investidores especializados em áreas como concessões públicas, de aeroportos a poços de petróleo, vão continuar a se interessar em participar das licitações e programas de privatizações do governo. Mas novos investidores, ainda não presentes no país, e marcas que tenham em sua estratégia de desenvolvimento o cuidado com questões de imagem, vão evitar no país. “A verdade é que os investidores europeus não compraram o projeto Bolsonaro. Eles leem Financial TimesThe Economist etc. Chamar esses veículos de comunistas? Não tem nenhum sentido”, diz o investidor. “Esse governo, eu diria, é um desastre do ponto de vista de relações públicas.”

Um dos problemas identificados com quem na Europa trabalha com o Brasil ou com a língua portuguesa é que os efeitos da antipatia gerada pela nova imagem do país no exterior terão efeitos mais duradouros do que se imagina. Assim como a estudante Avdonina foi desestimulada a se mudar para o Brasil, em escolas de negócios de Paris as salas de aulas de cursos sobre o país se esvaziaram, em comparação com anos anteriores, prenunciando menos futuros profissionais interessados por investir e viver em solo brasileiro.

Felipe Koch, professor brasileiro da Universidade de Paris 12, é responsável pela área de relações internacionais para Portugal e o Brasil, e encarregado de acordos de mobilidade acadêmica de alunos e docentes e de dupla diplomação. Dá aulas de português e de Problemas Sociais e Econômicos no Brasil, além de coordenar a opção Brasil no curso de administração e comércio internacional na América Latina. No auge do interesse pelo Brasil, por volta de 2010 e 2011, a demanda por cursos de português era muito alta, explica, assim como a de formação de profissionais de pequenas, médias e grandes empresas que seriam expatriados ao país. “Havia muita demanda de pessoas interessadas em viver e empreender no Brasil. Nas grandes escolas de administração, comércio e engenharia, percebia-se o interesse em aprender português para fazer intercâmbios e empreender e viver no Brasil”, relembra o professor. Nessa época, Koch ministrava cursos de língua portuguesa em instituições superiores prestigiosas como a École des hautes études commerciales (HEC) e a École de Ponts ParisTech, de engenharia, e em cada uma tinha duas turmas de vinte alunos, além de outra turma de vinte a 25 alunos na Arts & Métiers –École Nationale Supérieure d’Arts et Métiers (ENSAM). 

“A tendência de interesse e de desinteresse pela língua portuguesa pelo Brasil aparece primeiro nessas grandes escolas superiores”, explica Koch. A redução do interesse pelo Brasil, conta, não começou com o governo Bolsonaro, mas com o início do segundo mandato de Dilma Rousseff, em 2015 e 2016, com a recessão econômica. Nas grandes escolas, a demanda de alunos por temas brasileiros começou a cair, com classes que não chegavam a existir porque tinham menos de cinco interessados. “Nesse ano em Arts & Métiers talvez tenhamos um exemplo ligado à eleição de Bolsonaro. Pela primeira vez em dez anos não vai haver oferta de aulas de português brasileiro no campus de Paris porque não houve demanda de alunos.”

“Em 2016, 2017, chegávamos a ter dez, doze alunos da Paris 12 em intercâmbios de longa duração no Brasil. Neste ano, temos cinco”, diz Koch. Entre os alunos que ingressam na universidade e que escolhem o português como terceira língua estrangeira, desde 2014 o professor chegou a ter setenta alunos matriculados, mais os de cursos avançados, o que totalizava até noventa alunos especializados em português. No ano passado, pré-Bolsonaro, foram 45. Já as impressões relativas a 2019 são piores. “Eu ainda não tenho os dados do novo ano letivo, mas já percebo pela troca de e-mails de alunos que o interesse é ainda menor. Nesse ano recebi apenas um e-mail de aluna querendo informações sobre o intercâmbio.” 

A boa notícia é que, ao menos por ora, a universidade garante que manterá sua atual organização, pois entende que o interesse pelo Brasil é estrutural e integra uma política de parcerias com o mundo todo. Outra boa notícia, apesar do desgaste da imagem e do influxo do interesse pelo país, vem da área cultural. Erika Campelo, organizadora do festival de documentários Brasil em Movimentos (Brésil en Mouvements), realizado em Paris entre 25 e 29 de setembro, perdeu o apoio financeiro que recebia da embaixada do Brasil no valor de US$ 8 mil – ou R$ 33 mil – nos melhores anos. Por outro lado, vê um contraditório efeito “positivo” da nova imagem brasileira projetada por Bolsonaro. “Da parte dos patrocinadores franceses, sinto que há mais vontade de contribuir, já que o festival é um espaço de debate dos efeitos do governo no Brasil”, entende. “Há uma percepção de que a democracia está em perigo no país, e Bolsonaro representa o ápice desse movimento, que começou no impeachment.” 

Para Gaspard Estrada, cientista político do Instituto de Estudos Políticos (Sciences Po), de Paris, o discurso do presidente brasileiro na ONU só reforçou seu estereótipo, que já vinha se consolidando com o discurso de posse, o de Davos e as reações destemperadas após o G7 de Biarritz. “Muitas pessoas, em especial nos mercados financeiros, acreditavam que Bolsonaro era controlável, e que assumir o comando do país resultaria em uma nova estratégia. Mas ele não mudou. De certa forma seu discurso foi muito previsível”, avalia Estrada.  

Na semana que antecedeu o discurso de Bolsonaro na ONU, uma conferência internacional reuniu em Paris mais de quatrocentos brasilianistas de todo o mundo. O tom geral, relata o cientista político, foi de frustração e impotência, mas não de surpresa. Para o especialista, o discurso de Bolsonaro na ONU é um marco. “O país está saindo do sistema multilateral e nem mesmo pagou suas contribuições obrigatórias às agências do sistema ONU desde 1º de janeiro de 2019”, ressalta Estrada. “Bolsonaro deixou passar uma última oportunidade de não perder totalmente sua credibilidade.”

ANDREI NETTO

Foi repórter dos jornais Gazeta Mercantil e Zero Hora e correspondente internacional do jornal O Estado de S. Paulo

Leia também aqui no Blog:

Aeroportos já não são mais como”rodoviária”, mas Classe Média também já não viaja mais de Avião

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s