Uncategorized

Capital e Ideologia – visão geral, parte 1

Esqueça (quase) tudo o que você leu antes do Thomas Piketty. O seu novo livro “Capital e Ideologia” é muito diferente, em método e conteúdo, do “Capital no Século XXI” ou do “Crônicas”. Embora ele persiga o mesmo tema da desigualdade, o foco agora é na história econômica e nos “regimes de desigualdade” usado pelos […]

Capital e Ideologia – visão geral, parte 1 Por Flávio Comim

Esqueça (quase) tudo o que você leu antes do Thomas Piketty. O seu novo livro “Capital e Ideologia” é muito diferente, em método e conteúdo, do “Capital no Século XXI” ou do “Crônicas”. Embora ele persiga o mesmo tema da desigualdade, o foco agora é na história econômica e nos “regimes de desigualdade” usado pelos países. Como tal é antes de tudo um livro de história econômica, muito mais abrangente do que visto anteriormente. E muito mais ambicioso (se isso é possível). O seu objetivo é associar evidências históricas à narrativas ideológicas construídas para justificar diferentes regimes de desigualdade na história. Como ele argumenta na primeira linha do seu livro, “cada sociedade humana deve justificar suas desigualdades”. Essa justificativa é fundamental como um modo de legitimar essas desigualdades. O seu ponto principal é obviamente como justificamos as desigualdades do nosso tempo.

Piketty vê uma ideologia como “um conjunto de ideias plausíveis a priori” que propõem como uma sociedade deve, do ponto de vista normativo, estar organizada em termos sociais, econômicos e políticos. Para ele regimes políticos e de propriedade estão intimamente associados. Eles impactam na escolha e funcionamento das instituições sociais bem como em seus mecanismos de decisão coletiva.

O seu argumento principal, que deve chocar principalmente alguns economistas, (p. 7) é que “A desigualdade não é nem econômica nem tecnológica; ela é ideológica e política”. Para ele, conceitos como ‘o mercado’, ‘lucros’, ‘salários’, ‘competitividade’, ‘paraísos fiscais’, etc são todos construções sociais e históricas, que dependem do sistema político escolhido pelas pessoas. Por sua vez os sistemas políticos dependem das concepções de justiça social e justiça econômica presentes nas sociedades. O poder entre as pessoas não é para ele exclusivamente material; é também intelectual e ideológico. Não é que salários, lucros, etc não  tenha uma base material, mas o entendimento dessas categorias na ordem política é de natureza ideológica para ele. 

Uma outra ideia muito importante é que os regimes de desigualdade tentam ‘naturalizar’ a desigualdade. As elites beneficiarias desses sistemas argumentam que as disparidades sociais beneficiam não somente aos pobres mas à sociedade como um todo e que qualquer mudança somente pode ser obtida a um custo social muito grande. O seu argumento se fundamenta no postulado de que o campo das ideias –que ele chama da esfera político-ideológica- é verdadeiramente autônomo.

Piketty tem um alvo claro no discurso contemporâneo da meritocracia e da competição que procuram não só justificar e legitimar os vencedores da economia moderna, mas culpar os perdedores pela sua falta de capital humano, talento ou virtude. Nesse sentido, o regime atual de desigualdade aparenta ser mais perverso que os demais, em termos ideológicos, uma vez que procura culpar suas vítimas por suas próprias desgraças. Segundo ele, isso é uma característica não vista em regimes anteriores.

Ele não nega os progressos obtidos nos últimos séculos mas argumenta que eles escondem desigualdades que são gritantes e injustas (lembre que nem todas as desigualdades são injustas). Sem entrar muito na parte empírica da desigualdade recente (pois esse será objeto do próximo post) cabe salientar que desde 1980 a desigualdade tem aumentado de maneira considerável no mundo. Para Piketty, existe uma grande apropriação de conhecimento público (bilhões investidos em pesquisa básica por governos) por parte dos ‘bilionários globais’ sem uma contrapartida as suas respectivas sociedades em forma de impostos (que vem sendo diminuídos para eles desde a era Thatcher/Reagan).

Vivemos assim em uma época que segundo ele há uma defesa ‘quase-religiosa’ dos direitos de propriedade como uma condição sine qua non de estabilidade social e política. Ele fala que vivemos uma era de ‘neo-proprietarianismo’. O impacto dessa ideologia nas políticas dos países gera um movimento contraditório dentro dos partidos de esquerda. Para entender isso precisamos ir por partes. Amanhã, no próximo post, mostraremos os números da desigualdade de Piketty, e as consequências sobre políticas sociais importantes que foram deixadas de lado por governos de esquerda dessas últimas décadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s