Uncategorized

A hipocrisia aflora dos pântanos: Como os noviliberais se solidarizaram com Gleisi Hoffmann

A maioria escafedeu, porque faz parte da natureza humana o medo. Os melhores tentaram encontrar uma maneira de atender aos dois públicos: solidariedade contra o ato, mas sem mencionar o nome da vítima. A vítima foi a famosa quem.

Por Luis Nassif no GGN

É curiosíssimo o processo de interação dos veículos tradicionais de comunicação com as redes sociais.

A não ser em breves períodos, os veículos sempre prezaram manter o controle editorial sobre seus jornalistas e colaboradores, mesmo quando praticando a diversidade controlada. Por outro lado, era relevante o cardápio de personalidades individuais, os colunistas. Durante algum tempo, abriu-se inclusive um espaço democrático inédito para a diversidade.

A interação dos colunistas com os leitores se dava apenas através da seção de cartas ao leitor. Mais tarde, através de e-mails.

Com a Internet, primeiro, os grupos jornalísticos trataram de enquadrar seus jornalistas, impedindo ativismo político virtual.

Com a explosão das redes sociais e dos influenciadores digitais, especialmente do Twitter, houve uma mudança de estilo. Para enfrentar a legião estrangeira dos influenciadores digitais, os grupos precisavam de um exército próprio de personalidades individuais digitais.

De repente, com mais discrição, é verdade, jornalistas e colunistas passaram a se comportar como influenciadores digitais, lutando pela simpatia dos leitores, soltando chistes simpáticos na rede, gradativamente passando a defender teses politicamente corretas.

No artigo “A modernidade líquida e vazia da tribo dos novos liberais brasileiros” tentei descrever o comportamento desses personagens, mais como um documento sobre a nova transição da comunicação jornalística. Montei uma espécie de manual de boas maneiras, nos quais se destacavam dois itens

  • Seja solidário quando um dos seus for vítima dos esbirros autoritários do governo. Vale 5 pontos Mas feche os olhos quando os esbirros forem contra membros da outra tribo. Se descumprir, perde 10 pontos.
  • Respeite a lista dos malditos da mídia, e não ouse citar, nem retuitar nada deles. Incorrer no erro é pecado mortal. Perde 20 pontos.

No episódio Vera Magalhães, houve um transbordamento significativo da solidariedade com a mulher atacada – especialmente porque os marginais envolveram seus filhos.

Daí, acontece o episódio Gleisi Hoffmann, atacada por quadrilheiros estando com a filha de 14 anos. E aparece o efeito pressão direta do leitor. Passou-se a cobrar o mesmo tipo de solidariedade, por conta do mesmo tipo de crime cometido contra mulheres.

A maioria escafedeu, porque faz parte da natureza humana o medo. Os melhores tentaram encontrar uma maneira de atender aos dois públicos: solidariedade contra o ato, mas sem mencionar o nome da vítima. A vítima foi a famosa quem. De todo modo, foi um avanço.

Ao mesmo tempo, a outra tribo explorou despudoradamente um boato irresponsável envolvendo a primeira dama.

Machado de Assis iria se esbaldar com esses tempos de exposição ampla, não deixando muito espaço para o exercício da hipocrisia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s