jUDICIÁRIO/política

Juiz que impediu Dilma de recorrer contra impeachment, se auto declara “suspeito” e anula sentença, 2 anos depois

Outro criminoso Lesa Patria. A época não aceitou recurso de Dilma contra a decisão do Congresso, que sabe-se, foi ILEGAL e baseada em “pedaladas” que nunca foram crime.

A democracia e a economia do Brasil agonizam. E vários togados e outros que tais que cometeram crimes a época, agora começam a pular fora. Mas não se pode deixar o Brasil esquecer eles. Eles também são responsáveis pela desgraça que estamos vivendo e pela fome e miséria que ainda esta por vir. Não tivessem dado aquele Golpe, e o Brasil estaria andando nos eixos como os demais países do mundo.

Segue na íntegra o artigo Juiz que extinguiu ação contra impeachment de Dilma espera dois anos para se declarar suspeito e anula sentença , publicado no — Brasdangola Blogue

Juiz que extinguiu ação contra impeachment de Dilma espera dois anos para se declarar suspeito e anula sentença
Reprodução

Juiz pró-impeachment de Dilma anula a própria sentença e se declara impedido de julgar ação

Ativistas denunciaram suspeição de Itagiba Catta Preta, relator da ação popular que pedia anulação da decisão do Congresso de afastar a presidenta. A denúncia foi negada pelo juiz, cuja parcialidade era flagrante. Ele participou em protestos contra a mandatária e impediu Lula de tomar posse na Casa Civil. “A fim de evitar o uso político do Poder Judiciário em lawfare, dou-me por suspeito para o processo e julgamento desta ação”, sentenciou

O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, relator da ação popular pela anulação do impeachment da presidenta Dilma Rousseff em 2016, declarou-se suspeito para julgar o recurso movido por mais de 100 mil pessoas, entre ativistas pró- democracia e militantes do PT e outras legendas de esquerda, e se declarou impedido de atuar no caso.

“A fim de evitar o uso político do Poder Judiciário em lawfare, dou-me por suspeito para o processo e julgamento desta ação”, disse. Ele tomou a decisão na semana passada ao analisar recurso apresentado pelo advogado Alexandre Flach, que assina a ação popular.

Em julho, Catta Preta havia, de maneira absolutamente incomum, extinto o processo, sob a alegação de que o mandato da Dilma terminou e Jair Bolsonaro foi eleito em 2018.

Flach recorreu da decisão, pedindo a suspeição de Catta Preta, um notório militante de direita que foi às ruas em 2016 para protestar contra o governo Dilma e suspendeu, em abril daquele mesmo ano, a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil.

“A decisão de agora sobre os embargos de declaração em que o juiz anulou a própria sentença, considerando-se suspeito e remetendo os autos para outro juiz federal, inclusive para evitar o uso político do Poder Judiciário em lawfare, é uma vitória da luta pela democracia”, comemorou Flach.

Entre os militantes pró-democracia que subscrevem a ação popular, apresentada há dois anos à Justiça Federal, estão o jurista Fábio Konder Comparato, o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, e o cantor e compositor Chico Buarque, além da presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), e do próprio Lula.

Na ação popular, os 100 mil brasileiros buscam a declaração de nulidade do processo de impedimento e consequente deposição de Dilma.

E requerem que sejam invalidados todos os atos praticados pelo presidente Michel Temer, incluindo a Lei do Teto dos Gastos Públicos, pela sua falta de legitimidade e o flagrante Golpe de Estado que jogou o país numa grave crise política.

“A gente não pode normalizar o golpe porque isso é abrir caminho para irmos direto para novos anos de chumbo”, aponta Flach.

Na decisão em que decretava extinta a ação popular, Catta Preta apontava que o processo de impedimento transitou em julgado e foi impugnado perante o próprio Supremo Tribunal Federal, que reconheceu a validade da deposição.

Ao se declarar suspeito, Catta Preta reconhece sua atuação parcial no caso e que atuou como militante do movimento ‘Fora Dilma’.

O problema é a demora em tomar a decisão. Catta Preta esperou mais de dois anos para se declarar suspeito.

2 pensamentos sobre “Juiz que impediu Dilma de recorrer contra impeachment, se auto declara “suspeito” e anula sentença, 2 anos depois

  1. O que acontecerá com ele, será preso, perderá o cargo? Ou apenas será promovido, para um cargo maior, como sempre acontece com os bandidos tocados, que cometem crimes?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s