CoronaVírus/Educação

Justiça proíbe Doria de obrigar professores a voltar às escolas sem controle da pandemia

Decisão vale para professores de escolas públicas e privadas, nas fases vermelha e laranja da quarentena contra a pandemia de covid-19

Por Rodrigo Gomes, da RBA

Juíza considerou que sem controle real da pandemia de covid-19, sem vacinação e com a falta de estrutura das escolas, professores não podem ser obrigados a ir

São Paulo – A juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti decidiu hoje (9) que o governo de João Doria (PSDB) não pode obrigar os professores e outros trabalhadores da educação a voltar às aulas presenciais nas escolas sem o controle da pandemia de covid-19. Segundo a decisão, enquanto vigorarem as fases vermelha ou laranja da quarentena, os profissionais da educação filiados ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo e outros cinco sindicatos, que são autores da ação judicial, não poderão ser convocados a atividades presenciais. Esse formato já é aplicado aos estudantes.

A decisão é uma “vitória da luta pela vida” em meio à pandemia, para os professores e outros trabalhadores da educação. “Suspender as aulas presenciais é salvar vidas. Estamos no pior momento da pandemia. Só vamos voltar quando houver segurança para os professores, alunos e comunidade escolar. Por isso, estamos exigindo que a nossa categoria seja vacinada na primeira fase de imunização junto com os profissionais de saúde, idosos e indígenas”, afirmou a presidenta da Apeoesp e deputada estadual, Professora Bebel (PT). Os professores estão em greve há um mês.

Levantamento feito pela Apeoesp mostra que já ocorreram 33 mortes e 2.190 casos conformados de covid-19, em 994 escolas estaduais, desde que as aulas voltaram no estado de São Paulo. O governo Doria admite 21 mortes, 4.084 casos confirmados e 24.345 casos suspeitos de covid-19, desde janeiro. No entanto, mesmo com o agravamento da situação, que levou ao maior número de internações e mortes pela covid-19 em São Paulo desde o início da pandemia, o tucano decidiu manter as escolas abertas e os professores obrigados a comparecer.

Decisão

A juíza ressaltou que o governo Doria ignorou diversos aspectos ao determinar a obrigações dos professores comparecerem às escolas em meio à pandemia de covid-19, mesmo nas fases vermelha e laranja da quarentena. Ela destacou a fala do secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, defendendo o fechamento das escolas na atual situação. E apontou que foi ignorada a chamada “regra de ouro” para a volta às aulas: retomar apenas a partir do momento em que a curva de contágio estiver controlada, conforme indicadores epidemiológicos utilizados no Plano São Paulo, conforme determinava o decreto 65.061, de 13 de julho de 2020.

“As disposições do Decreto no. 65.384, de 17 de dezembro de 2020, não observaram as bases centrais para o retorno às aulas e muito menos foi considerada a chamada “regra de ouro”, como mencionado no parecer da Secretaria da Educação, motivos pelos quais é possível concluir pela ausência de motivação válida e científica para a retomada das aulas presenciais nas fases vermelha e laranja do Plano São Paulo. Na fase mais aguda da pandemia, com número de mortes diárias ultrapassando o patamar de 1.000 e a incapacidade do sistema de saúde, o retorno presencial das aulas, ainda que com número reduzido e de forma opcional para os alunos, sem evidências científicas sobre o impacto na transmissão do covid, é medida contraditória e sem motivação válida”, argumentou a magistrada.

“A ré alega que o retorno às aulas presenciais é opcional, com respeito à autonomia dos Municípios, porém, em relação aos professores e demais funcionários das escolas estaduais não foi instituído nenhum sistema de rodízio e muito menos foi cogitada a possibilidade de inclusão em lista prioritária de vacinação contra a covid. Apenas em 5.3.2021, o Ministério da Saúde incluiu tais profissionais na lista prioritária, mas não há data para o início da vacinação”, prosseguiu a juíza.

Parâmetros

Simone também ressaltou que a decisão não discute o direto fundamental à educação, mas as condições em que a volta às aulas foi proposta pelo governo Doria, obrigando professores a comparecer às escolas em meio ao agravamento da pandemia. E destacou que o modelo de volta às aulas de países de primeiro mundo, que são constantemente evocados por Doria e o secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares, não podem ser considerados parâmetros para o estado de São Paulo “sem uma análise das reais condições sanitárias e da realidade de nossas escolas públicas”.

Ela também destacou que o argumento de que as escolas não são locais de maior transmissão é aceitável, mas que em São Paulo a maioria dos estudantes e dos professores se utilizam do transporte coletivo, que segue lotado e inseguro.

“O retorno às aulas presenciais, ainda que com um número reduzido de alunos, implica uma maior circulação de pessoas nas ruas e no transporte coletivo, local de alta propagação do vírus, em virtude do número de pessoas confinadas em espaço com ventilação insuficiente. E, em muitos casos, a situação dos professores piora, vez que grande parte ministra aulas em mais de uma escola por dia, cujo deslocamento facilita maior exposição ao vírus”, justificou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s