Rio Grande do Sul

Depois de denuncia, Justiça dá prazo de 48h para governo explicar “pensão especial” a Eduardo Leite

Este humilde blogueiro aqui denunciou a barbaridade no artigo Ao enganar novamente os gaúchos, Eduardo Leite esta sendo Imoral ou Amoral ? e também no Twitter.

Leite passou a receber R$ 19,6 mil de pensão após deixar o governo, o equivalente a 65% da aposentadoria recebida por ex-governadores

A 4ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre concedeu um prazo de 48 horas para que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) explique o pagamento de uma pensão mensal ao ex-governador Eduardo Leite (PSDB) no valor de R$ 19,6 mil. A resposta foi dada no âmbito de uma ação ajuizada pelo Partido Novo, na quarta-feira (15), questionando o fato de o ex-governador ter recebido, conforme dados do Portal da Transparência, R$ 39,9 mil em maio, referente a duas parcelas da pensão. (Com informações do Sul 21)

Em sua decisão, o juiz Fernando Carlos Tomasi Diniz afirmou que os argumentos do Partido Novo são “ponderáveis” e que a interpretação da PGE que garantiu o pagamento da pensão a Leite é “um tanto forçada”. Contudo, ponderou que estava concedendo o prazo de 48 horas para as explicações dos réus porque não vislumbrou “urgência capaz de sacrificar o contraditório e a ampla defesa”. Por outro lado, disse que, caso seja reconhecida a ilegalidade do pagamento, os valores já recebidos poderão ser devolvidos.

Em resposta à GaúchaZH, o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, criticou a decisão do juiz Tomasi por considerar que ele antecipou o julgamento do mérito da ação de forma inadequada e adiantou que a PGE irá pedir que o processo seja enviado para a 5ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, que atualmente é responsável por julgar outra ação ajuizada sobre o tema em 2021.

Em nota, a assessoria do ex-governador Eduardo Leite afirmou que, ao sancionar a revogação, ele abriu mão de receber o valor que estava previsto na legislação. Contudo, diz que ele permaneceu com o direito de receber o 65% do valor da pensão por um período de 4 anos, enquanto ex-governadores permanecem recebendo o valor completo da pensão vitalícia.

Leite deixou o cargo ao final de março deste ano para ter a possibilidade de disputar a presidência da República. Contudo, na última segunda-feira (13), ele anunciou sua pré-candidatura para disputar a reeleição fora do cargo.

Também por meio de nota, a seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS) se posicionou contrariamente ao pagamento da pensão ao ex-governador. “A OAB/RS, manifesta sua contrariedade ao pagamento de pensão/aposentadoria a ex-governadores, por tratar-se de injustificável privilégio e transformar o mandato eletivo, atividade temporária e de doação, em carreira profissional, além de ser prática não republicana que fere o princípio da moralidade administrativa”, diz a nota.

Um pensamento sobre “Depois de denuncia, Justiça dá prazo de 48h para governo explicar “pensão especial” a Eduardo Leite

  1. Pingback: Depois de denuncia, Justiça dá prazo de 48h para governo explicar “pensão especial” a Eduardo Leite — Luíz Müller Blog – Alô Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s