Uncategorized

Aventuras de Zé Lotes, repórter da Rede Baita Sol (Por Juremir Machado)

Por Juremir Machado no Correio do Povo

Zero Hora

O mais novo repórter da Rede Baita Sol, de Palomas, é o Zé Lotes. Recém-contratado para atuar em todos os veículos da empresa, Rádio Gaudéria, Diário Gaudério, TV Gaudéria e jornal Meia-Noite, por falta de luz, Zé Lotes paga mico pelo seu idealismo e pela sua ingenuidade. Sonha com grandes manchetes, “furos” de repercussão internacional e reportagens capazes de derrubar um presidente. Leu tudo sobre os jornalistas do caso Watergate. Zé Lotes é puro entusiasmo. Sente-se um missionário da verdade e da informação. Outro dia, chegou esbaforido à redação e quase gritou “parem as máquinas”.

– Tenho uma bomba – disse.

– Quem bomba é essa? – inquietou-se o chefe.

– Uma mega-bomba.

– Já te disse para evitar superlativos. Objetividade, piá. Que bomba é essa?

– Uma operação…

– Ai, ai, ai. Que operação?

– Propina para pagar menos impostos de grandes empresas.

– Esquece, Zé Lotes. Sepulta.

– Como?

– Sonega.

– Sim, é disso que estou falando, sonegação.

– Esquece. Deleta.

– Mas é verdade!

– Só nega, guri.

Zé Lotes coçou a cabeça, ficou vermelho, gaguejou por segundos intermináveis. Parecia à beira de uma apoplexia. O chefe permaneceu impassível. Limpava uma unha minuciosamente.

– Como fica o nosso compromisso de dizer a verdade?

– Diz uma parte.

– Que parte?

– Dez por cento.

O guri engasgou. Ficou olhando para o chefe como se acabasse de ter perdido a virgindade. Depois de algum tempo, a cor voltou ao seu rosto. Aí ele falou bem baixinho.

– O senhor tem certeza?

– Não me chame de senhor. Sou o Chuck.

– Chuck?

– Não te mostraram na faculdade A montanha dos sete abutres?

– Sim, mostraram, com o Kirk Douglas. Mas o Chuck era um canalha.

– Depende do ponto de vista.

– Sério?

– Como a sonegação.

– Sério mesmo?

– Na Rede Baita Sol, achamos que sonegar é um ato de legítima defesa. Entregar dinheiro para o governo é burrice. O retorno é muito baixo. Precisamos nos defender desse roubo.

– Inclusive sonegar informação, Chuck? – atreveu-se Zé Lotes.

– Chamamos isso de seleção.

Zé Lotes voltou para casa totalmente desasado. Entrou no pequeno apartamento, dividido com o amigo Lava-Jato, frentista num posto de gasolina, arrastando dolorosamente os pés, meio descadeirado, como se estivesse com um pneu furado. Lavo-Jato tomou um susto.

– Até parece que te pegaram por trás, Zé Lotes.

– Foi. Sem lubrificante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s