Uncategorized

Condenado o assassino de Víctor Jara, 43 anos depois da morte do cantor chileno

Condenado o assassino de Víctor Jara, 43 anos depois da morte do cantor chileno

Por Cristian Borquez

Do Observador, reblogado do GGN

Pedro Barrientos foi acusado de ter assassinado o cantor chileno em 1973. Esta decisão por parte do tribunal norte-americano pode resultar na extradição do agora cidadão americano para o Chile.

Víctor Jara foi um cantor, compositor e ativista político chileno torturado e assassinado em 1973. Passados 43 anos, Pedro Pablo Barrientos Nuñez foi condenado esta segunda-feira por ter assassinado Jara.

O veredicto foi dado por um júri da Florida, naquela que está a ser considerada como “uma das maiores vitórias dos direitos humanos contra criminosos estrangeiros num tribunal americano”, segundo o jornal inglês The Guardian.

Barrientos, que era militar e continua em liberdade, poderá até ser extraditado para o Chile, onde enfrenta acusações que o ligam ao golpe apoiado pela CIA que afastou Salvador Allende e colocou Augusto Pinochet no governo do país durante 17 anos, regime que é responsabilizado pela morte de mais de 3.000 pessoas.

Segundo a acusação de Barrientos, este terá assassinado Jara em setembro de 1973, quando o cantor tinha 40 anos, depois de o artista socialista ter estado três dias detido e ter sido mutilado e espancado.

Jara estava preso, juntamente com milhares suspeitos de serem comunistas, no Estádio Nacional Julio Martínez Prádanos, em Santiago do Chile, quando foi assassinado. Depois de morto, o corpo do músico foi deixado na rua, perto do recinto. O Estádio Nacional do Chile foi usado como centro de detenção de milhares de pessoas durante o processo revolucionário que levou Pinochet ao poder.

O homem condenado por ter assassinado Jara, atualmente com 67 anos, fugiu do Chile em 1989 e estabeleceu-se na Florida, tendo-se tornado um cidadão americano depois de ter casado com uma americana. Em 2012, Barrientos foi acusado de homicídio no Chile, juntamente com outros oito oficiais reformados. No entanto, o Departamento de Justiça dos EUA não respondeu ao pedido do governo chileno para proceder à sua extradição.

O Centro para a Justiça e Responsabilização é o grupo de direitos humanos que lançou uma ação civil em nome da família de Jara. Segundo Kathy Roberts, a diretora da organização, este processo foi intentado para conseguir justiça para a família Jara e também para as famílias de todos os que perderam a vida durante os massacres no Estádio Nacional do Chile.

O júri americano, composto por cinco mulheres e um homem, deliberou ainda que Barrientos devia pagar seis milhões de dólares à família de Jara como indenização e ainda outros 22 milhões de dólares como castigo, depois de ter sido condenado de tortura e homicídio.

No entanto, a família de Jara é capaz de não receber nada, depois do advogado de defesa ter dito que Barrientos não tinha meios de pagar o valor estabelecido.

 

A morte de Victor Jara

No dia 12 de setembro, Victor Jara foi preso no Estádio Nacional Julio Martínez Prádanos, ou Estádio Nacional do Chile, e ficou detido juntamente com outros 6.000 presos. O cantor foi torturado e morto à frente de milhares de testemunhas, no estádio. Embora a maior parte dessas testemunhas tenham morrido, o jornalista chileno Miguel Cabenzas descreveu os acontecimentos da morte de Jara à America’s University Review.

Segundo o jornalista, cujo artigo é citado pelo The Guardian, os presos eram colocados nas bancadas do Estádio Nacional, com os militares a apontarem armas às pessoas a partir do campo. Periodicamente eram disparadas salvas contra a multidão e “os corpos rolavam pela bancada”. O jornalista referiu que os corpos eram deixados nas bancadas e que aqueles que não comiam há dias vomitavam sobre os cadáveres. Jara andava pelo estádio a tentar consolar os presos e a animar a moral.

Depois de uma tentativa para animar os presos, Jara foi trazido para o meio do campo onde foi colocada uma mesa. O cantor foi obrigado a pôr as mãos sobre a mesa e cortaram-lhe as pontas dos dedos com um machado. Víctor Jara ainda se dirigiu às bancadas onde se sentou em silêncio até que alegadamente, terá dito: “Bem, camaradas, vamos fazer o favor ao oficial” e começou a entoar o hino da Unidade Popular, o partido do presidente chileno deposto, Salvador Allende.

Vários presos juntaram-se a cantar, até serem interrompidos por uma rajada disparada por um militar que terá acertado com uma bala na cabeça de Jara levando à sua morte, no dia 15 de setembro, dois dias depois de ter sido detido. O autor dessa rajada foi Pedro Pablo Barrientos Nuñez.

O corpo de Jara apresentava 44 ferimentos causados por balas, as pontas dos dedos cortadas e várias escoriações, quando foi largado perto do Estádio Nacional do Chile. O cantor chileno tornou-se um símbolo internacional e em Portugal até existe uma banda de música chamada Brigada Víctor Jara que foi criada em 1975.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s