Uncategorized

MASSACRE DA LAPA: 40 ANOS

Por Breno Altman no seu Facebook

No dia 16 de dezembro de 1976, o aparato repressivo da ditadura militar desfechava seu derradeiro ataque aberto às organizações de esquerda, dessa vez contra a direção do Partido Comunista do Brasil.

Tombaram assassinados, na rua Pio XI, em um bairro da zona oeste paulistana, Pedro Pomar e Angelo Arroyo, históricos combatentes do povo. Nas dependências do DOI-CODI foi morto João Batista Drummond. Outros dirigentes foram presos e barbaramente torturados.

A ditadura traçara um objetivo claro desde 1974: para preparar sua transição a um regime institucional, deveria liquidar os partidos de esquerda que poderiam se beneficiar da chamada “abertura”, especialmente o PCB e o PCdoB.

Apesar de já estar em curso certa reanimação do movimento operário e popular, aquele talvez tenha sido o momento de maior debilidade das forças revolucionárias e progressistas.

Apenas um par de anos depois, no entanto, o campo popular já se reerguia e paulatinamente se transformava em protagonista da resistência final ao regime militar.

O heroísmo dos que caíram na Lapa nos ensina duas lições: jamais ter ilusões sobre até onde estão dispostas a ir as classes dominantes e nunca duvidar da capacidade de luta dos trabalhadores e dos revolucionários dessa pátria tão ferida.

Pomar, Arroyo e Drummond, presentes. Hoje e sempre.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas sentadas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s