Fascismo/Uncategorized

BM: “Tu não tá entendendo. A gente apoia o MBL e eu ainda apoio o Bolsonaro pra acabar com pessoas como vocês”.

O titulo é um trecho da entrevista do Jornalista preso pela Brigada militar, quando cobria incidente no fim da manifestação no Santander Cultural. Segue a entrevista do Jornalista Douglas Freitas ao SUL 21

‘O mais grave foi ter sido preso por estar realizando o meu trabalho’, diz jornalista detido pela BM

 

Douglas Freitas: “Um policial do choque jogou spray direto na minha cara, quando eu estava no chão. Depois esfregou o spray nos meus olhos com as mãos”. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Marco Weissheimer

Jornalista da organização Amigos da Terra Brasil e fotógrafo freelancer, Douglas Freitas viveu, no final da tarde de terça-feira (12), em Porto Alegre, uma situação que vem se repetindo com frequência nos últimos anos no Brasil. Ele foi detido na Praça da Alfândega, quando estava cobrindo a ação de um pelotão de choque da Brigada Militar no final do ato em defesa da Cultura e contra a censura à exposição Queermuseu, no Santander Cultural. Douglas Freitas foi detido pela Brigada quando registrava em vídeo a detenção de um homem em situação de rua que estava na praça. Depois de ser jogado ao chão, algemado e levar um jato de spray de pimenta no rosto, ele foi levado a um camburão e conduzido a uma companhia da Brigada, onde foi autuado por desobediência e resistência à prisão, esta última provocada pelo esforço que fez para proteger sua câmera. “É de onde tiro o meu sustento”, diz o jornalista que registrou em vídeo a própria prisão.

Em entrevista ao Sul21, Douglas Freitas fala sobre o episódio e relata os momentos mais difíceis pelos quais passou. “Quando eu consegui guardar a câmera, me agarrei à mochila. Aí veio um policial do choque e jogou spray direto na minha cara, quando eu estava no chão. Depois disso me algemaram, esse mesmo policial se agachou, colocou as duas mãos no meu rosto e esfregou o gás nos meus olhos. Isso foi bem difícil. Já tinha passado por gás lacrimogêneo e coisas do gênero, mas nada como isso”. Ele alerta que esse tipo de situação vem se repetindo no país, configurando a violação dos direitos de liberdade de expressão e de informação:

“É bom lembrar que todo cidadão tem o direito de portar uma câmera, se manifestar e gravar em um espaço público, principalmente quando se trata de fiscalizar um serviço público, que é o trabalho da Brigada Militar e das polícias em geral”.

Sul21: Você poderia relatar o que aconteceu no início da noite de terça-feira, na Praça da Alfândega, no episódio que resultou na tua detenção pela Brigada Militar?
Um pouco depois, os militantes do MBL foram removidos dali, acompanhados por uma viatura que estava entre o Memorial e o Santander. Eles entraram na viatura tranquilamente e foram levados dali. Eu questionei alguns policiais sobre o que eles achavam de sua tropa, um serviço público do Estado, estar servindo a militantes do MBL, escoltando esses militantes e agredindo outros. Neste momento, recebi um spray de pimenta na cara, mas consegui desviar. Eu insisti na pergunta e um policial veio caminhando do meu lado e disse: “Tu não tá entendendo. A gente apoia eles, a gente apoia o MBL e eu ainda apoio o Bolsonaro pra acabar com pessoas como vocês”.Douglas Freitas: Eu estava trabalhando em outra cobertura fotográfica na zona norte e cheguei na Praça da Alfândega já no final do ato, por volta das 6 da tarde. Desci pela Ladeira (rua General Câmara) e a primeira cena que vi foi o pessoal correndo no gás na rua Sete de Setembro, esquina com a Ladeira. Procurei me informar sobre o que estava acontecendo e me falaram que militantes do MBL estavam ali provocando e que a Brigada Militar interviu para dispersar todo mundo. Segui para dentro da praça, em direção ao Memorial do Rio Grande do Sul. A cena foi registrada por várias fotografias, mostrando a linha de frente do batalhão de choque postada, com uns cinco ou seis militantes do MBL atrás dela, ainda filmando e provocando.

Sul21: Foi um policial do choque que disse isso?

Douglas Freitas: Não. Era um policial que estava de cinza, atrás da linha do choque, que foi quem escoltou os militantes do MBL até a viatura. Voltei para a Praça da Alfândega e o choque seguia se movimentando mais para a direção do Margs e acabou se postando em frente ao museu. Eu estava atrás da linha do choque e eles queriam que eu saísse dali. Insisti que estava fazendo o meu trabalho até que escutei uma ordem de alguém do batalhão de choque para alguns soldados, que acredito trabalharem ali pelo Centro, para que prendessem um morador de rua de camisa azul xadrez no meio da praça. Eles saíram correndo e eu fui atrás. Agarraram ele e colocaram no chão. Eu estava filmando e eles tentaram me agarrar. Consegui me desvencilhar e repeti que estava trabalhando. Eles arrastaram o morador de rua até a parte de trás da linha de choque.

Sul21: Eles chegaram a dizer qual a razão dessa detenção?

Douglas Freitas: Não. Eu segui junto e fui até a parte de trás da linha do choque. Eles voltaram e pedir que eu saísse dali e eu disse mais uma vez que estava fazendo o meu trabalho, registrando o que estava acontecendo. Segui com a câmera na mão filmando até que eles vieram para cima de mim dizendo que eu estava preso por desobediência. Quando me agarraram, tentei me desvencilhar e, principalmente, proteger o meu equipamento. Além do meu trabalho como jornalista para a Amigos da Terra Brasil, sou fotógrafo freelancer. Logo, tiro o meu sustento da câmera. Por acompanhar manifestações desde 2013, não só aqui em Porto Alegre, mas em outros estados também, sei que eles não costumam respeitar os equipamentos. Tentei proteger a câmera o que acabou gerando outra acusação contra mim, além da desobediência, que foi a de resistência à prisão.

Quando eu consegui guardar a câmera, me agarrei à mochila. Aí veio um policial do choque e tocou spray direto na minha cara, quando eu estava no chão. Depois disso me algemaram, esse mesmo policial se agachou, colocou as duas mãos no meu rosto e esfregou o gás nos meus olhos. Isso foi bem difícil. Já tinha passado por gás lacrimogêneo e coisas do gênero, mas nada como isso. Ficou muito difícil respirar. Eles me levaram para o camburão onde já estava o morador de rua que tentou me acalmar, dizendo que já tinha passado por isso e que eu precisava me acalmar e respirar. Quando fecharam o camburão eu quase me desesperei, pois sou um pouco claustrofóbico. Fiquei com medo de não conseguir mais respirar. Mas consegui me acalmar um pouco e comecei a me concentrar na respiração. Até esse momento, não sabia para onde estavam me levando.

Sul21: Você ficou com medo do que poderia acontecer?

Douglas Freitas: Eu acompanho protestos há muito tempo e realmente tenho receio da ação policial. Ao invés de garantir o direito à liberdade de expressão e de informação, eles não permitem que a gente registre as suas atuações e tentam manter os jornalistas longe, além de outras práticas como a ausência de identificação dos nomes dos policiais e o uso de máscaras. Eles estão sempre cerceando o nosso direito de registrar a ação deles. Neste trajeto dentro do camburão eu fiquei bastante nervoso. Não sabia para onde eles estavam me levando e estava com receio do que iriam fazer com a minha câmera. Em um Estado onde até a arte está sendo contestada, o papel dos jornalistas e dos comunicadores também pode ser facilmente contestado.

É bom lembrar que todo cidadão tem o direito de portar uma câmera, se manifestar e gravar em um espaço público, principalmente quando se trata de fiscalizar um serviço público, que é o trabalho da Brigada Militar e das polícias em geral.

Sul21Quanto tempo vocês ficaram no camburão?

Douglas Freitas: Foi o tempo de sair da Alfândega e chegar na primeira companhia da Brigada Militar. Uns 10 minutos, aproximadamente. Fomos levados para um cubículo. Para mim, foi muito difícil abrir os olhos. Eu não sabia o que eles iriam fazer conosco. No fim, foi mais tranquilo do que eu cheguei a pensar, pois quem lidou com a gente foram esses soldados que atuam no centro. Tenho certeza que, se fosse o choque, seria diferente. Ouvimos alguns comentários sobre o que aconteceu. Um soldado me olhou e me pediu que eu enviasse para eles depois os vídeos que eu tinha feito para que eles pudessem compartilhar no WhatsApp. Acho importante destacar isso. O que a gente vê como um material jornalístico de denúncia do cerceamento do direito à manifestação e do direito à liberdade de expressão e informação, eles veem como algo que é motivo de orgulho.

Sul21: Sofreu algum ferimento resultante dessa ação da polícia?
Outra coisa que eu queria destacar é uma entrevista que ouvi ontem à tarde com um militante do MBL que criticou o uso de dinheiro público via Lei Rouanet para bancar a exposição no Santander. Mas quanto dinheiro público foi gasto nesta operação da Brigada ontem, que deslocou um pelotão do batalhão de choque para fazer a defesa do MBL?Quanto dinheiro público foi gasto com cada bomba de gás lançada na praça da Alfândega?Douglas Freitas: Fiquei com os joelhos esfolados e teve o spray de pimenta nos meus olhos. Mas acho que o mais grave foi ter sido preso por estar realizando o meu trabalho. Não fui o primeiro jornalista a ser preso aqui em Porto Alegre.  Tem o caso do Matheus Chaparini, do Jornal Já, que foi detido na ocupação da Secretaria da Fazenda e passou uma noite no Presídio Central. É bom lembrar que essa lógica militar acontece todos os dias nas periferias e é responsável pelo genocídio da população negra, pela matança e perseguição dos pobres, pelo cerceamento das cidades para os pobres. As polícias militares estão diretamente envolvidas neste processo.

É bom destacar quem é o MBL neste processo, um grupo financiado, entre outras fontes, pela Rede Atlas, mantido por bilionários para bancar esses grupos de direita na América Latina. Eles vêm questionar o uso de dinheiro público, da Lei Rouanet, etc., mas não falam sobre a origem do dinheiro enviado por esses bilionários para bancar o MBL com o propósito de desestabilizar governos. De onde está saindo esse dinheiro?

Sul21Quanto tempo vocês ficaram na companhia da BM até serem soltos?

Douglas Freitas: Cerca de uma hora e meia. Fizeram algumas perguntas básicas sobre meu nome, meu trabalho, o nome de meu pai e da minha mãe. Eu estava bem nervoso no início, ainda em função do gás, mas me acalmei quando vi uma manifestante que já tinha visto em alguns protestos, que estava ali no balcão em solidariedade. Ela ficou o tempo todo ali e não arredou pé. Isso me emocionou e me acalmou. Depois chegaram alguns amigos e, quando eu estava para assinar o termo circunstanciado, eles me alertaram a esperar a chegada de um advogado. A advogada chegou, leu o termo e disse que eu podia assinar e que resolveríamos em juízo o resto.

Lá dentro da companhia foi mais tranquilo do que eu pensava. Eles não me coagiram e não fizeram nada do gênero. Já na praça foi bem complicado. Esqueci de contar uma coisa que aconteceu lá. Quando o policial do choque me jogou o primeiro jato de spray de pimenta, ele olhou para o cara que estava segurando o meu pescoço e disse: desmaia ele, desmaia ele. Depois disso, esfregou com as mãos o spray na minha cara e nos meus olhos. Foi apavorante, não só pelo que estava acontecendo na hora, mas pelo que sei, pelo meu trabalho, do que acontece nestas situações.

Um pensamento sobre “BM: “Tu não tá entendendo. A gente apoia o MBL e eu ainda apoio o Bolsonaro pra acabar com pessoas como vocês”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s