Uncategorized

A BANALIDADE DA FARSA: um Debate Sobre o Totalitarismo Midiático

Sustentabilidade e Democracia

1689212-william-bonner-apresentou-o-jornal-naci-950x0-2Foto:Jornal Nacional das Organizações Globo (reprodução da TV Globo).

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, mestre em ciências sociais.

Em 1997 o norte-americano Barry Levinson, o mesmo do maravilhoso “Rain Man”, dirigiu o polêmico filme “Wag The Dog”, literalmente “Balançar o Cachorro”, o qual foi traduzido para o Brasil como “Mera Coincidência. Estrelado pela dupla Dustin Hoffman e Robert De Niro, o eixo central do roteiro é a construção de um artifício para libertar o Presidente dos Estados Unidos de um escândalo sexual que assolava a companha às vésperas do pleito eleitoral.

Para enfrentar o problema Conrad “Connie” Bean (De Niro) entra em contato com o produtor de cinema Stanley Motss (Hoffman), para criar uma solução para a crise. Como estratégia, ambos produzem uma farsesca guerra contra a Albânia, país mediterrâneo que, na época, estava…

Ver o post original 1.253 mais palavras

Um pensamento sobre “A BANALIDADE DA FARSA: um Debate Sobre o Totalitarismo Midiático

  1. Pingback: A BANALIDADE DA FARSA: um Debate Sobre o Totalitarismo Midiático — Luíz Müller Blog | O LADO ESCURO DA LUA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s