Eleições/Fascismo/mídia

“O derrotado da entrevista de Bolsonaro ao JN foi Geraldo Alckmin”, diz Fernando Brito

Ele esta de Volta

Cena do Filme “Ele Esta de Volta”

No artigo Bolsonaro sapateou sobre Bonner no “JN” , Fernando Brito descreve bem a entrevista de Bolsonaro. Diferente de Brito no entanto, eu acho que o sinal da Globo foi dado: Vão apelar para o fascismo via eleições mesmo. Bonner só “deixou a bola picando para o sujeito chutar”. Deram um golpe, derrubaram o governo democraticamente elito, geraram a pior crise política e econômica da história recente por que não aceitaram nem mesmo o governo de conciliação de classes que lhes foi oferecido e no entanto não conseguiram apontar soluções para nenhum dos problemas que geraram para o golpe. Agora começam a preparar o caminho para a ascensão donazi fascismo explicito via eleitoral. Imitam  burguesia alemã na década de 30 do século passado. Se vingar, teremos uma tragédia latino americana com o fim do que ainda resta das instituições carcomidas pela corrupção, pelo ego e pelos vendilhões como Moro. Só a Classe Trabalhadora e o povo podem impedir a tragédia. E por enquanto a via elitoral ainda parece ser o caminho escolhido. Mas é preciso preparar as forças dos Movimentos Sociais e consolidar uma Frente Ampla em Defesa da Nação e contra o fascismo para os embates que virão logo depois das eleições, mesmo que a vitória seja do PT.

Segue o artigo do Fernando Brito

Errei, e errei feio, quando imaginei que Jair Bolsonaro ‘afinaria’ na entrevista de hoje no Jornal Nacional.

Foi o inverso: mesmo usando, de novo, uma grotesca “cola” escrita a caneta na mão, o candidato da extrema-direita colocou Willian Bonner no chão e sapateou impiedosamente sobre ele.

Não é o que desejo que importa, é o impacto que teve sobre o grande público, não sobre nossos círculos bem-informados e “politicamente corretos”.

Indagado por Willian Bonner sobre “não entender” de economia e entregar a área a Paulo Guedes, com a pergunta primária sobre o que faria em caso de divergência com ele, foi na canela do apresentador, dizendo que ambos se casaram “jurando amor eterno” mas tiveram de se separar e a vida seguiu em frente.

Questionado sobre direitos trabalhistas, trouxe logo à tona o fato de que Bonner e Renata Vasconcellos serem pessoas jurídicas – “pejotas” – e abrirem mão de direitos trabalhistas. E sobre a diferença de remuneração entre homens e mulheres – embora com a reação indignada de Renata – invocou o fato de ambos não ganharem o mesmo. Mistificação, claro, mas verdade no caso, apesar dos protestos da apresentadora.

Avançou sobre os milhões recebidos pela emissora do Governo.

No caso da homofobia, foi direto ao caso das crianças, no que consegue, claro, mais apoio no senso comum.

Na invocação hipócrita do seu apoio à ditadura, voltou a citar o editorial de Roberto Marinho, apoiando-a.

Teve, claro, seus “vacilos”, ao chamar de “cubículo” seu apartamento em Brasília e dizer que pagava condomínio e IPTU com o auxílio-moradia, o que o “casal 45” não soube aproveitar.

Mas, no restante, seguiu a cartilha do marketing que o levou aonde está: foi o “macho”,  o “valente verbal”, o reprodutor do senso-comum.

Bolsonaro pode não ter ganho votos, mas não os perdeu, o que é sua estratégia.

O derrotado na entrevista de hoje foi Geraldo Alckmin.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s