PREVIDÊNCIA/Uncategorized

Reforma da Previdência não serve pro povo, só pra dar mais lucro aos bancos, confessa Folha de São Paulo

“Nem reforma da Previdência dá fôlego à retomada em 2019”

Mesmo que a reforma da Previdência seja aprovada neste ano, é pouco provável que a economia brasileira encontre fôlego para deslanchar em 2019.

Passada a euforia com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), já há no mercado quem espere crescimento abaixo de 2%, com a retomada mais forte, uma vez mais, sendo empurrada para o próximo ano.

Até meados de 2018, economistas previam alta perto de 3% para o PIB (Produto Interno Bruto) neste ano.

Aos poucos, no entanto, toma corpo a percepção de que os efeitos positivos da reforma da Previdência sobre a confiança dos agentes são incertos e não terão repercussão imediata sobre a capacidade de o governo voltar a investir.

O ministro da Economia, Paulo Guedes , durante a cerimônia de transmissão do cargo do novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes
O ministro da Economia, Paulo Guedes , durante a cerimônia de transmissão do cargo do novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Além disso, uma velha combinação de travas ao crescimento ainda não se desfez.

Analisando os componentes do PIB, especialistas ouvidos pela Folhaexplicam por que os canais de aceleração da retomada seguem obstruídos.

No front externo, uma expansão mais forte está descartada, dado que as exportações serão afetadas tanto pela desaceleração mundial quanto pela queda dos preços de commodities.

O impulso poderia vir dos investimentos, já que o setor teve um dos piores desempenhos durante a recessão, caindo cerca de 30% entre 2014 e 2016. Mas aqui o prognóstico também não é bom.

Ainda que saiam do papel, as concessões em infraestrutura prontas para serem oferecidas ao mercado só devem produzir algum efeito sobre a economia nos próximos anos.

O motor de investimento do governo, por sua vez, segue bloqueado pela crise fiscal e pela orientação da nova equipe econômica, que já deixou claro que a dianteira deve ser tomada pelo setor privado.

Da parte das indústrias, há a necessidade de lidar com pelo menos dois obstáculos importantes: o alto nível de máquinas ainda paradas e o consumo em ritmo lento por causa do desemprego: hoje, são mais de 12 milhões de desocupados.

Os setores que iam bem, como o automotivo, também dão sinais de acomodação.

Por fim, o desempenho frustrante da economia em 2018 deixa uma herança menos pujante para o ano seguinte.

Os dados fechados do PIB de 2018 serão divulgados no fim de fevereiro, mas analistas esperam que o ano deve repetir 2017, com alta de 1,1%.

Diante das evidências, o Itaú foi o primeiro a reconhecer que a economia segue em ritmo lento. O banco reajustou a alta esperada para o PIB de 2019 de 2,5% para 2%.

O movimento incorpora menor crescimento global, decepção com a safra estimada para a soja e uso maior das térmicas ao longo do ano diante das chuvas fracas de janeiro —o que encarece o preço da energia para a já enfraquecida indústria, diz Artur Passos, economista do Itaú.

O lance mais intenso, porém, foi dado pela consultoria 4E. Juan Jensen, sócio da empresa, diz que rebaixou a expectativa para o PIB deste ano de 2,3% para 1,9%, levando em consideração a herança a ser deixada por 2018.

“Parte do crescimento de um ano começa antes mesmo de ele começar, e isso não ocorreu”, diz Fernando Montero, economista-chefe da corretora Tullett Prebon.

Mesmo em relação aos efeitos da reforma da Previdência sobre a economia, especialistas se mostram cautelosos.

Eles reconhecem a necessidade de mudanças nas regras para reequilibrar as contas do governo, mas dizem que se aposentar mais tarde não tem necessariamente impacto imediato sobre o PIB.

Marcelo Gazzano, economista da consultoria AC Pastore, vai mais longe. Aprovada, diz ele, a elevação da contribuição previdenciária de servidores públicos e militares deve retirar renda da economia.

“São medidas necessárias, mas de efeito, a princípio, contracionistas. Além disso, quanto a confiança dos agentes vai subir só por aprovar a reforma? Não dá para saber.”

As revisões das expectativas para a atividade econômica em 2019 devem se intensificar, pois alguns analistas aguardam o número fechado de 2018 para refazer as contas.

José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do banco Fator, ainda tem em seu cenário alta de 2,4% para o PIB de 2019, mas isso deve cair para perto de 2%.

Um dos pontos de preocupação é o mercado de trabalho. O rendimento do trabalhador, diz Gonçalves, subiu nos últimos dois anos basicamente porque a inflação caiu.

Já a massa de renda cresceu muito influenciada pela alta da informalidade. “O que chamam de empreendedor é o cara que vende brigadeiro na esquina, e o efeito disso sobre o consumo é frágil”, diz Gonçalves. “Não tem por onde crescer mais forte.”

Gazzano, da AC Pastore, afirma que deve revisar as previsões para a economia neste ano após a divulgação do resultado referente ao quarto trimestre.

De uma alta de 2,4%, diz ele, também é quase certo que ficará mais próxima de 2%.

O economista lembra que a produção de bens de capital —aqueles que servem para produzir outros bens, especialmente os de consumo— caiu no fim do ano passado.

Para Gazzano, o movimento indica que o investimento não deve se acelerar em 2019.

“Também não teremos a ajuda da Argentina, o que coloca a indústria mais dependente do mercado doméstico, e o consumo local não vem em razão da informalidade. O ponto é: qual é a velocidade real da economia hoje?”, questiona.

Mais otimista, o banco UBS mantinha expectativa de expansão de 3% para a economia em 2019, mas também começa a se dobrar aos fatos.

Na sexta-feira (15), reviu os dados e agora fala em 2,8% em 2019. Segundo o UBS, o resultado decepcionante esperado para o quarto trimestre de 2018 pesou na revisão.

Diante de um conjunto de dados frustrantes na produção industrial, varejo e serviços, os primeiros três meses de 2019 ainda devem mostrar resultado fraco.

No entanto, diz a equipe do UBS, à medida que a reforma da Previdência avançar, os indicadores de confiança devem responder positivamente durante o segundo e o terceiro trimestres de 2019, em meio a um cenário de juros baixos e crédito em aquecimento.

O UBS reconhece, porém, que dúvidas sobre a probabilidade e o momento de aprovar a reforma poderiam amortecer a confiança e empurrar uma recuperação mais robusta mais para a frente.

Nesse cenário, as previsões de crescimento para 2019 seriam novamente revisadas para baixo, e as previsões para 2020, elevadas.

Consumo não reage
Juros baixos e alguma alta do crédito ajudam o consumo, mas o desemprego é alto e os salários sobem lentamente

11,6%
foi a taxa de desemprego no fim de 2018

Investimentos patinam
A ociosidade na indústria se mantém alta e a confiança empresarial não se traduz em novos projetos

74,5%
é o nível de uso da capacidade instalada

Governo não tem dinheiro 
Crise fiscal e novo governo limitam gastos, e arrecadação só crescerá com retomada econômica

R$ 139 bilhões
é o rombo estimado para as contas públicas neste ano

Setor externo não ajuda
Desaceleração do PIB mundial afeta exportações, e há a expectativa de queda de preços de commodities

3,5%
é a previsão de alta da economia mundial

Fonte: IBGE, FGV e FMI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s