Uncategorized

Por não ter parado quando e como devia, Itália perderá mais vidas e mais PIB (Por Marcelo Zero)

Marcelo Zero: Por não ter parado quando e como devia, Itália perderá mais vidas e mais PIB

No VIOMUNDO

Não Parar Implicará Genocídio e Ruína Econômica

por Marcelo Zero*

O helminto que nos desgoverna propõe à Nação um falso dilema: temos de aceitar a morte de muitos brasileiros para que a economia não pare e nos prejudique ainda mais.

A sua criminosa e irresponsável campanha “O Brasil não Pode Parar”, que contraria as recomendações da OMS, da ciência e a prática de todos os governos sérios e responsáveis, baseia-se nessa falsa disjuntiva.

E a pseudo dicotomia, por sua vez, baseia-se em duas falácias:

1) É impossível proteger vidas e empregos ao mesmo tempo.

2) Os países podem se dar ao luxo de não parar ou, ao menos, reduzir bastante suas atividades.

A primeira falácia é desmentida pelas amplas medidas anticíclicas que todos os países estão tomando.

Tais medidas visam manter a empregos, rendas e a economia viva, pelo tempo em que for necessário para o combate à epidemia.

Até os EUA, terra do liberalismo econômico, acabou de aprovar um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões (10 trilhões de reais) com essa finalidade.

A Alemanha vai comprometer cerca de 40% de seu PIB com medidas semelhantes. E por aí vai.

Na reunião do G20, acordou-se que os países devem comprometer recursos ilimitados para tal objetivo.

Assim, o planeta todo está, agora, empenhado em salvar vidas e, ao mesmo tempo, salvar as economias.

A segunda falácia é desmentida pelas experiências desastrosas dos que, como Bolsonaro, teimaram em não parar e não promover, a tempo, o recomendado isolamento horizontal.

O prefeito de Milão, “Bepe” Sala, que mandou a cidade não parar, hoje lamenta mais de 5 mil mortes, devido à sua incúria.

Boris Johnson e Trump, que também hesitaram em promover as medidas necessárias, tiveram de voltar atrás, ante o crescente descontrole das epidemias em seus países.

A verdade é uma só: quem não parou antes teve de parar depois ou está tendo de parar agora.

Portanto, o dilema real não é parar ou não parar. O dilema real é: parar agora, enquanto a situação ainda não saiu do controle, ou parar necessariamente depois, com a situação em total descontrole?

Nã primeira hipótese, salvam-se muitas vidas e, além disso, preserva-se a economia de danos maiores, pois a paralisação das atividades poderá se dar por um período de tempo consideravelmente menor. Foi o que a China fez.

Tomou medidas muitos duras, que fizeram a sua produção industrial encolher, no primeiro bimestre, 13,5%.

Em compensação, salvou milhares ou milhões de vidas e, agora, prepara-se para retomar vigorosamente as suas atividades.

Em contraste, a Itália, além de ter perdido um número proporcionalmente (e até em termos absolutos) muito maior de vidas, terá de manter a paralisação das atividades por um período de tempo consideravelmente mais extenso.

Por não ter parado no início, a Itália perderá mais vidas e mais PIB. Isso deverá ocorrer também na Espanha, no Reino Unido e nos EUA.

Essa é a lição amarga que o mundo aprendeu.

Nem todo o mundo. Aqui, o helminto, uma clara dissidência do Homo Sapiens, insiste na tese fracassada, irresponsável e genocida do “não parar”.

Não fossem os governadores, a oposição e o Congresso, o Brasil já estaria imerso no caos.

O helminto e seu governo revelam-se incapazes de conduzir o Brasil por essa tormenta.

Não têm propostas corajosas e distribuem mensagens confusas e contraditórias para a população.

São terraplanistas sanitários e australoptecos econômicos.

Mas o que se pode esperar de uma dissidência do Homo Sapiens?

Quem tem de ser parado, agora, além do coronavírus, é Bolsonaro.

*Marcelo Zero é sociólogo e especialista em Relações Internacionais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s