Uncategorized

Governo esta dificultando e impedindo pessoas que tem direito, de receberem o Auxilio Emergencial, diz Tereza Campello

36,8 milhões receberam resposta negativa ao pedido do auxílio de R$ 600,00. Para a ex-ministra Tereza Campello e para secretária da CUT, Jandyra Uehara, decisão de Bolsonaro em negar pagamento é deliberada

notice

Enquanto 73.242 militares da ativa, da reserva, pensionistas e anistiados ligados ao ministério da Defesa, receberam ilegalmente R$ 43,9 milhões de auxílio emergencial, outros 36,8 milhões de brasileiros, trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais pobres, sem renda, tiveram seus pedidos negados pelo governo de Jair Bolsonaro e não receberam os R$ 600,00 previstos para serem pagos durante três meses. A ajuda financeira durante a pandemia do coronavírus (Covid 19) foi aprovada pelo Congresso Nacional em março, assim que começaram as medidas de isolamento social para conter a disseminação da doença.

O alto número de pedidos negados chamou a atenção de especialistas em políticas públicas e procuradores da República que, com base em informações fornecidas pelo governo à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) do Ministério Público, mapearam esses pedidos, segundo a agência de notícias BBC.

Até agora, o Ministério da Cidadania, comandado pelo ministro Onyx Lorenzoni, negou os pedidos de auxílio de quem perdeu o emprego depois de 16 de março deste ano, e para cerca de 40 mil pessoas que têm familiares presos, apesar delas terem esse direito.

O mesmo aconteceu com pessoas candidatas ou eleitas como suplentes de vereador nas últimas eleições municipais, em 2016. Ou seja, mesmo que estejam desempregadas e não tenham assumido nenhum cargo eletivo, o governo, ao cruzar os dados com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu negar o auxílio. Nenhuma das situações acima está prevista na lei que criou o auxílio emergencial e, por isso, o governo, ao negar os R$ 600,00 comete uma ilegalidade, acredita a ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.  

Outra ilegalidade, que não foi por acaso, de acordo com ela, é o fato de mais de 4% dos integrantes das Forças Armadas terem recebido o auxílio emergencial. O pagamento, inclusive para familiares de militares, foi orientado, porque “a coisa mais fácil do mundo é fazer um cruzamento com a própria folha de pagamentos do governo federal”, diz Tereza.

“O controle é automático. É muito mais fácil cruzar uma lista de servidores do próprio governo do que uma lista com o Tribunal Eleitoral. A suspeição é clara de que houve orientação neste sentido. São milhares de militares atendidos pelo auxílio. É muita gente para ter sido apenas um erro. E eles só vão devolver o dinheiro porque foram descobertos”, diz a ex-ministra, como conhecedora do funcionamento da máquina governamental.

Campello também critica o que chama de ato discricionário e preconceituoso, o fato do governo tomar uma decisão que não consta na lei, como negar o pedido de auxílio a milhares de familiares de pessoas presas. Segundo ela, é uma clara discriminação de direitos humanos, já que é justamente por ter uma pessoa presa que a família fica mais exposta e vulnerável.

“Ao mesmo tempo em que libera o auxílio para milhares de militares, o governo nega o auxílio a parentes de presos ao arrepio da lei, porque o único critério para receber é a renda. Ou a pessoa tem direito ou não. Este governo é simplesmente preconceituoso”, diz.

A lei que instituiu o auxílio emergencial prevê que a renda familiar deverá ser de meio salário mínimo (R$ 552,50) até três salários (R$ 3.135,00) ou rendimento bruto anual de até R$ 28.559,70.

De acordo com a ex-ministra do governo Dilma Rousseff, se quisesse, Bolsonaro poderia ter pago na primeira semana os beneficiários do Bolsa Família, que é um grupo já conhecido pelo governo, e não demorar quase um mês para efetuar o pagamento, como ocorreu.

“Uma coisa é tomar medidas para evitar fraudes, outra é demorar três semanas para reconhecer o direito, de quem o governo já conhece”, diz.

Política genocida de Bolsonaro

A ex-ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome classifica a atitude do governo, ao negar pedidos de auxílio emergencial, como preconceituoso e genocida. Para ela, Bolsonaro age de forma deliberada para provocar o caos social e levar as pessoas às ruas e assim pôr um fim ao isolamento.

Não é possível que só incompetência explique o que está acontecendo. As informações desencontradas, a falta de transparência, de coordenação, a não tomada de decisões simples e elementares, como organizar filas nas agências bancárias e promover mecanismos de proteção, são formas deste governo provocar o fim do isolamento social”, diz a ex-ministra.

Bolsonaro quer que as pessoas saiam de casa, se aglomerem, sem nenhum mecanismo de proteção. Ele é genocida- Tereza Campello

A classificação de Jair Bolsonaro como genocida é compartilhada pela  secretária de Direitos Humanos da CUT, Jandyra Uehara. Ela lembra que desde o início quando se falou em auxílio emergencial, o governo queria pagar apenas R$ 200,00 e graças à pressão da CUT e de partidos progressistas, o valor foi fixado em R$ 600,00. Essa grande diferença de valores demonstra o conjunto da postura deste governo, acredita a dirigente.

“Esse governo não tem compromisso com a garantia do mínimo necessário, para que as pessoas em situação de vulnerabilidade possam passar pelo período da pandemia. Dificultar o acesso de familiares de presos, de desempregados e candidatos a cargos eleitorais, é só mais uma parte da política genocida deste governo”, afirma Uehara.

Negar o auxílio a quem precisa, não dar garantias para que as pessoas fiquem em isolamento social são atos que compõem a política genocida e de exclusão social do governo Bolsonaro- Jandyra Uehara


A ex-ministra Tereza Campello também é uma forte crítica à política de fim do isolamento social.  Segundo ela, Bolsonaro quer que mais pessoas sejam infectadas, e na teoria dele, fiquem imunes ao coronavírus, independente do número de mortes que isso possa causar.

“Essa política de anticorpos, de “imunidade do rebanho”, só funciona em casos em que a população é vacinada. Se 70% forem vacinadas, forma uma cobertura que evita uma onda gigante de contaminação. Se não tem vacina, haverá essa onda de contaminação e mortes. É levar as pessoas ao matadouro”, alerta Campello.

A falta de coordenação do governo federal com estados, municípios, com os médicos e agentes de saúde, que fazem parte da rede que conhece a particularidade de cada cidade, de cada bairro, demonstra também que Bolsonaro quer que as pessoas saiam às ruas.

“É um governo que age contra a ciência, numa politica criminosa, deliberada para criar caos social. Quando Bolsonaro convoca as pessoas a saírem às ruas, ele aposta no desespero das famílias, na insegurança, no caos, no quanto pior, melhor”, avalia Tereza Campello.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s