Uncategorized

Rio de Janeiro “terá saudade” do tráfico, com ascensão da milícia

“O pior cenário se desenha para a cidade do Rio de Janeiro, uma polícia “milicializada” e uma milícia tomando o mercado do tráfico. Porém, com ramos diversificados da economia, em atividades em que o monopólio foi imposto pela força, sua atividade de assemelha, em muito, à máfia no sul da Itália.”

DO artigo DA POSTAGEM que publico na íntegra a seguir
Rio de Janeiro terá saudade do tráfico, com ascensão da milícia.

O maior engano que os moradores da região oeste da cidade do Rio de Janeiro, foi quando presumiram que um grupo de PMs e ex-PMs formando uma milícia civil, mesmo cobrando uma espécie de serviço pela segurança, seria menos pior que o tráfico de drogas. Hoje, quando a milícia carioca ocupa 60% do território do Rio, o que se vê é algo surreal, um grupo de pessoal altamente violentas, cruéis, com treinamento do próprio estado, não só cobrando o tal serviço de segurança, enraizado no governo, com financiamento baseado na coerção monopolista do mercado de gás, água e até supermercados e que começam a explorar o tráfico de drogas.

Se o tráfico tinha fácil solução, bastando apenas regulamentar o consumo e o comércio de drogas recreativas, a milícia se financia do processo capitalista, portanto, muitíssimo mais difícil de resolver.

Com enraizamento profundo no estado, a milícia é capaz de emplacar secretários de segurança, governadores e até mesmo, um presidente capitão.

Enquanto o tráfico é formado nos morros, em geral por jovens sem qualquer formação militar, a milícia tem curso de tiro da escola da próprio PM e, em alguns casos, do próprio exército. A milícia não se vale apenas de morros ou favelas, ocupa bairros de classe média baixa, onde entraram, inicialmente, com apoio local de comerciantes, em geral profundamente ignorantes e veladamente violentos.

O pior cenário se desenha para a cidade do Rio de Janeiro, uma polícia “milicializada” e uma milícia tomando o mercado do tráfico. Porém, com ramos diversificados da economia, em atividades em que o monopólio foi imposto pela força, sua atividade de assemelha, em muito, à máfia no sul da Itália.

O tráfico já foi chamado de estado paralelo, mas, paralelo mesmo, a milícia, pode, até mesmo, se expandir e subjugar o estado, em um espaço de alguns anos. Aí, não só o carioca, mas, o Brasil terá saudade dos tempos do traficante convencional.

2 pensamentos sobre “Rio de Janeiro “terá saudade” do tráfico, com ascensão da milícia

  1. Recomendo estudar melhor a história do Rio de Janeiro. Para não voltar muito no tempo inicie com o anistiado Brisola como governador do Rio. A contravenção foi incentivada e a marginalidade acelerada. A chamada atualmente de milícia descende a antiga polícia mineira que se intitulava segurança da Baixada Fluminense. E o tráfico de droga e de armamento descende do famigerado jogo do bicho. Tudo isso se desenvolveu com o apoio dos sucessivos governos discipulados na filosofia brizolista e darcizista. Moreira Franco, Cesar Maia, Garotinhos e adjacências. As raizes são profundas. Bom seria que fossem tão superficiais como apresentadas no artigo.

    Curtir

    • E aí veio a Milícia, sustentáculo de Bolsonaro. Faltou esta parte. E faltou também dizer que foi no Governo da Benedita que o Crime no RJ reduziu substancialmente.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s