Porto Alegre/Rio Grande do Sul/SAÚDE

Com aumento de Internações por COVID-19 e inverno forte, faltarão leitos de UTI nos Hospitais do RS, alertam especialistas

“Favas contadas” é um ditado popular que retrata o que vai acontecer de qualquer jeito. Com Eduardo Leite jogando a responsabilidade da gestão da crise da Pandemia para os Prefeitos, os gaúchos ficaram a “deus dará”. Na região metropolitana de Porto Alegre por exemplo, Sebastião Melo “liberou geral”. As aglomerações fotografadas na Orla do Guaíba e outros locais nos fins de semana não deixam dúvidas. Como as cidades por aqui são todas emendadas, acaba tendo pouco peso a decisão de Prefeitos mais sensatos, como Ary Vannazi em São Leopoldo. Por que o sujeito vem pra Porto Alegre, dá aquela passadinha na aglomeração da Orla e depois volta pra casa, inclusive nas outras cidades da região metropolitana, levando o COVID que adquiriu de graça na aglomeração.

O resultado eram então “Favas contadas”. Aumento de contaminados, internações e mortes, apesar de sermos o Estado com mais pessoas vacinadas. Imagina se não tivéssemos.

Segue matéria do Correio do Povo sobre o provável, segundo eles, aumento de internações. Infelizmente mais gente ainda morrerá pela criminosa omissão de Bolsonaro que não comprou as vacinas em tempo e pela cumplicidade do Governador e de muitos prefeitos, que submetem a saúde e as vidas dos cidadãos aos interesses econômicos dos ricos e poderosos que ganham mais dinheiro durante a pandemia, do que durante os tempos normais.

Inverno pode aumentar hospitalizações nas próximas semanas no RS, alerta especialista (Matéria do Correio do Povo na íntegra)

Comprometimento das UTIs era de 86,1% nesta quarta-feira

Comprometimento das UTIs era de 86,1% nesta quarta-feira | Foto: Ricardo Giusti

Com estabilidade em patamar alto, o sistema hospitalar do Rio Grande do Sul pode sofrer nas próximas semanas um aumento no número de hospitalizações em decorrência de doenças respiratórias provocadas pela chegada do inverno. Nesta quarta-feira, o comprometimento das UTIs era de 86,1%, com apenas 481 leitos livres. 

A infectologista e epidemiologista do Hospital Nossa Senhora do Conceição, Carina Guedes Ramos, alerta que, mesmo com a vacinação contra a Covid-19 em andamento, é preciso “cautela” na flexibilização dos protocolos. “As pessoas não devem se expor à toa. A nossa vida ainda não voltou ao normal”, alerta ao apontar uma elevação das internações em leitos clínicos e de UTIs na segunda quinzena de maio.

“O que a gente vê com a abertura do comércio é que talvez as pessoas não tenham recebido a orientação correta. Não é para circular normalmente no shopping, durante o fim de semana, com toda a família. É preciso usar os serviços com certa cautela, passar álcool em gel e usar máscara, além de evitar ficar muito tempo em locais fechados”, observa.

Mesmo com a vacinação em andamento, Carina avalia que o RS já está enfrentando uma nova onda da pandemia, o que pode agravar os problemas do sistema de saúde, que já opera com capacidade máxima no inverno. “Todo mundo está vendo os números subir, pressentindo o pior, mas espero que dessa vez a gente não precise chegar ao colapso”, destaca. “Todo mundo cansou da pandemia, mas a pandemia não cansou da gente”, completa.

Com base em dados analisados diariamente, a especialista avalia que o Estado está entrando “em uma quarta onda” da pandemia. Carina destaca o número elevado de casos confirmados, suspeitos e de óbitos nas últimas três semanas, o que reforça a preocupação com a possibilidade de aumento de internações.

“Apesar disso, não quer dizer que essa nova onda seja tão ruim quanto a última”, esclarece. “Estabilizamos em um patamar alto. A gente se acostumou com uma estabilização ruim, pois todo dia temos ao menos um óbito no hospital por Covid-19”, afirma.

RS chega a 30 mil vidas perdidas pela Covid-19

O Rio Grande do Sul registrou, nesta quarta-feira, mais 130 mortes por conta do coronavírus, elevando o total para 30.032 óbitos desde o início da pandemia. Somente na primeira quinzena de junho, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) contabiliza 1.315 vítimas fatais.

De acordo com informações do Comitê de Dados da SES, em uma semana, a média móvel diária de óbitos apresentou elevação de 12,8%, passando de 105, em 9 de junho, para 117,3 no dia 15 de junho, o que mantém pressionado o sistema de saúde do Estado.

As internações em leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) apresentavam estabilidade nesta quarta-feira em relação à véspera, com 86,4% ocupados e 2.981 pacientes em estado grave. Atualmente existem 3.451 leitos de UTI, 34 a mais em relação a 6 de junho, quando havia 3.417.

As hospitalizações em decorrência do coronavírus representavam 61,7% do total, com 1.839 casos confirmados para a doença. De acordo com informações do Comitê de Dados da SES, a média móvel de casos confirmados e de óbitos no Rio Grande do Sul se mantém com “expressiva elevação” nos últimos dias.

Conforme o comitê, o RS apresentava taxa de mortalidade acumulada de óbitos 264 por 100 mil habitantes. Os leitos privados operavam com 96,3% de ocupação, equivalente a 886 pacientes, enquanto os leitos SUS tinham 82,8% de lotação, ou seja, 2.095 hospitalizações.

Em Porto Alegre, com 801 pacientes em UTIs, a taxa de ocupação geral apresentava estabilidade com 87,25%. Do total, 381 tinham diagnóstico de Covid-19. Cinco hospitais operavam com capacidade máxima ou acima: São Lucas, Mãe de Deus, Cristo Redentor, Pronto Socorro e Restinga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s