América Latina

“Não vamos ter um papel hegemônico no Governo de Boric”, diz Presidente do PC do Chile

Entrevista dada a EL SIGLO – SEMANÁRIO DIGITAL

“Somos o maior partido do conglomerado Eu Aprovo a Dignidade, muito bem, mas a única coisa que nos faz ver é que temos uma grande responsabilidade”, enfatizou o presidente do Partido Comunista, Guillermo Teillier. A respeito do papel dos comunistas no futuro gabinete de Gabriel Boric, ele disse que cabe ao presidente eleito “se estamos no comitê político ou não”. Ele argumentou que “concordamos com o que Boric disse que seu governo estará com os dois pés na rua, intimamente relacionado ao movimento social”.

Hugo Guzman. Jornalista. “O século”. Santiago. 20/12/2021. A que você atribui o triunfo de Gabriel Boric, principalmente com uma distância de 10 pontos sobre José Antonio Kast?

Existem vários elementos. Em primeiro lugar, que foi possível convocar setores que pertenciam a outras forças políticas para votar em Boric, as bases de muitos partidos que não são de Aprovar Dignidade votaram em Boric. Algo muito importante é que apelaram aos jovens que votaram a favor da aprovação (nova Constituição), mas que não votaram no primeiro turno e desistiram no segundo turno afirmando que era preciso defender a democracia, uma nova Constituição e que ela Era preciso avançar nas respostas às demandas sociais feitas desde outubro de 2019, na revolta popular. A recuperação do terreno perdido em lugares como Antofagasta, o que deixa claro que o voto em (Franco) Parisi se voltou para Boric, não para Kast, e o voto na Região Metropolitana foi bastante grande e espetacular. Houve votos muito bons em comunas populares, por exemplo Lo Espejo, onde Boric teve 72%, outros como Pedro Aguirre Cerda com uma votação elevada, El Bosque, Puente Alto e a Região de Valparaíso colocaram seus próprios com uma votação elevada para Boric . O terreno foi recuperado em várias comunas onde Kast havia vencido no primeiro turno. Também foi influenciado pelo fato de Gabriel Boric ter especificado muito bem os pontos-chave do programa que vai realizar. Outro fator é que houve muito deslocamento nos territórios, nas redes sociais, e o projeto se apresentou muito bem na faixa eleitoral. É preciso destacar que o comando foi reformulado no segundo turno, que foi ampliado, houve figuras que desempenharam um papel muito importante, de todos os partidos, independentes,

Também tem a ver com o fato de que Kast estava completamente errado com seu anticomunismo abusivo e repetitivo, e estava errado acima de tudo porque sua missão era vencer o comunismo, independentemente do fato de que este não é um programa comunista. é de um grupo, de várias festas, de muitos profissionais, que foi feito com o povo. Esse foi um fator na derrota de Kast. As pessoas perceberam que esta campanha faz parte de uma fórmula que esses setores têm para justificar suas políticas e ultrajes.

Mas eles não querem deixar isso de lado. Porque agora falam que o Partido Comunista vai ser um fardo para o governo bórico, que vai ser rígido, que é extremo. Eles repetem sobre a campanha.

O anticomunismo foi derrotado pelo povo chileno. Quem ganhou foi o povo chileno. Somos participantes dessa vitória, mas é o povo que defendeu a democracia e o processo constituinte.

Pois bem, nós comunistas, já o dissemos e deve ficar claro, não vamos desempenhar um papel hegemónico no governo bórico. Somos o maior partido do conglomerado Eu Aprovo a Dignidade, muito bem, mas a única coisa que nos faz ver é que temos uma grande responsabilidade. O povo nos deu uma responsabilidade, nos deu mais votos, mais parlamentares, nos permitiu quebrar a exclusão no Senado, ter mais vereadores regionais, mas isso não quer dizer que vamos ser a força hegemônica. Queremos agir em pé de igualdade com as outras forças. Se participamos do gabinete (ministerial), queremos fazer o mesmo que todos, não queremos ter privilégios, mas não queremos ser desproporcionais. Em outras palavras, temos os mesmos direitos e queremos ter as mesmas oportunidades.

Nesse sentido, o que o senhor diria sobre o que o PC deveria fazer no comitê político do La Moneda?

Essa é uma decisão do presidente eleito. Ele disse que antes de 25 de janeiro terá o gabinete formado. Terá que ser visto, terá que decidir. Boric disse que será numa conversa com os partidos -sem que os partidos imponham a sua vontade ao presidente eleito-, se ele fizer um gesto de falar, será a altura de apresentarmos as nossas propostas. Não discutimos o que queremos no gabinete. O que nos interessa é poder cumprir nos locais onde melhor podemos contribuir para o cumprimento do programa e das exigências dos cidadãos. Então, essa pergunta só pode ser respondida pelo presidente eleito, se estamos ou não no comitê político, ou em quais cargos de governo.

Bem, vamos ver se temos a chance de perguntar a ele. Na era pós-ditatorial, esta é a segunda vez que o Partido Comunista faz parte de um conglomerado que venceu as eleições presidenciais. Que significado e projeção isso tem para o PC?

Temos sido constantes na promoção de reformas profundas, na luta pela democracia, no abandono da Constituição da ditadura, na promoção dos direitos dos trabalhadores e do povo. É por isso que entramos no governo de Michelle Bachelet, creio que somos reconhecidos por que, para esses objetivos, algumas reformas foram concluídas, outras não. Antes do governo Bachelet não tínhamos mais experiência, porque quem estava no governo de (Salvador) Allende já não tinha ou não tinha condições de se integrar, estávamos numa situação de menos capacidade do que agora em termos de quadros, experiência, tínhamos menos força, menos parlamentares, menos votos. Agora a imagem mudou. A experiência do Governo de Michelle Bachelet nos serviu muito com todos os seus acertos e erros,

Agora, sempre consideramos isso como parte de um processo onde muitos fatores se combinam, muitos fenômenos que são concatenados ao longo do tempo, houve lutas estudantis, longas lutas trabalhistas, processos eleitorais, eclosão social, e o progresso está progredindo cada vez mais no aperfeiçoamento da democracia , participação. Esperemos que este Governo signifique um grande avanço, em várias direções, esperamos sinceramente. As medidas que se propõem como principais, esperamos que sejam cumpridas neste curto espaço de tempo, que é de quatro anos.

Precisamente em termos de participação, como vê o PC a forma como o movimento social terá de se expressar nesses quatro anos?

Concordamos bastante com o que Gabriel Boric disse em seu discurso na noite do triunfo, que seu governo estará com os dois pés na rua, ou seja, intimamente relacionado ao movimento social, conversando com o movimento social. Estamos absolutamente de acordo com isso e em ter a contribuição e o apoio do mundo social. Isso é vital.

Hoje é impossível falar da antiga Concertación. Os democratas-cristãos parecem opor-se a Boric, o Partido Socialista quer colaborar, como vê a possibilidade de integração destes partidos no futuro Governo?

Olha, o presidente eleito nos convocou aos presidentes dos partidos políticos do Approve Dignity e dos outros partidos que contribuíram para o triunfo de Boric e a derrota de Kast.

Você falou no domingo à noite?

Sim, domingo à tarde. Gabriel Boric agradeceu às partes do Approve Dignity, a todas as outras partes, pela contribuição para o seu triunfo, e foi muito claro ao afirmar que iria pedir a contribuição, opinião e colaboração de todos aqueles que desejassem trabalhar para cumprir o programa e com as médias propostas. Ficando claro, disse, que o endereço deste Governo é Eu aprovo a dignidade. Porém, a partir daí, você pode buscar expandir essa base de sustentação ou acúmulo de força para realizar as mudanças.

Ele não falou em integrar outros partidos ao conglomerado, disse que estava disposto a trabalhar institucionalmente com os partidos. Disse que “sou um militante partidário, respeito os partidos, quero que se desenvolvam” e, dentro disso, propôs trabalhar com pessoas independentes. Portanto, acho que ainda não está claro para o presidente eleito como ele nomeia o gabinete.

Em Eu aprovo a dignidade, antes da campanha, durante a campanha e talvez durante o governo, houve e haverá divergências entre os partidos. Como gerenciá-los?

Bem, administrando-os …

Porque eles vão surgir.

É que não temos outra possibilidade.

Olha, num sistema como esse o Presidente da República sempre terá preponderância. Sem dúvida haverá opiniões divergentes, sem que implique um atentado ao Governo. Todas as partes devem ser cuidadosas e um diálogo permanente será necessário. Penso que vamos estar tão ocupados cumprindo o programa e o trabalho do Governo e do Parlamento que não haverá tantas divergências, que também são normais.

Vai ser preciso muita habilidade e conversação no nível parlamentar.

Sem dúvida. Porque há empate no Senado, embora tenhamos maioria com uma certa folga na Câmara dos Deputados e dos Deputados, podemos até chegar a três quintos, mas há reformas constitucionais que podem não ser possíveis se não tivermos dois terços . Existem leis simples, como a reforma tributária, que é muito importante, e há possibilidades de se passar se você falar bem. Lá, seria necessário o apoio de organizações sociais, sindicais, de todos aqueles que querem fazer as mudanças.

Fala-se em chegar a acordos, construir pontes. Mas salta o espectro da “política de consenso” implementada durante a transição e que incluía a direita.

Depende de para que serve o consenso. Porque se é para fazer as coisas “na medida do possível”, acho que não. Mas se houver consenso para fazer uma reforma, sem que isso signifique fazer “na cozinha”, tudo bem. A palavra consenso não é ruim em si mesma. É em relação ao que ocorre o consenso, eu posso ter um consenso no Partido Comunista e não é ruim, o consenso é seguir em frente. Mas se for para impedir as mudanças, isso não é positivo. Não são aqueles consensos com o certo, onde as coisas eram mais ou menos iguais.

Você vai ficar atento, alerta para o que as forças de direita e segmentos de extrema direita poderão fazer durante o governo Boric?

Você pode ver que já existem rachaduras à direita. Por exemplo, vejo que há vários que não querem que Kast faça parte do Chile Vamos, que ele também não terá a liderança da direita, há pessoas como o senador (Manuel José) Ossandón que disse que está disposto a participar de processos pré-legislativos para dar a possibilidade de aprovar alguns projetos de lei do futuro Governo. Existe a possibilidade de que antes de algumas leis se possa contar com o voto de uma direita menos extremada. Eu acredito que este setor da extrema direita, devido às declarações iniciais de pessoas como Rojo Edwards, vai continuar com seu anticomunismo, eles vão tentar continuar usando o anticomunismo da pior maneira. No entanto, esse sinistro anticomunismo será derrotado e as esperanças e expectativas do povo prevalecerão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s