Imperialismo

Crise na Ucrânia é provocada pelos EUA e pela OTAN, não pela Rússia

É importante compreender que todos os países, incluindo os EUA, têm interesses estratégicos centrais que, se violados, podem forçá-los a tomar uma ação militar e ir à guerra.

por John Wojcik no Portal Vermelho

O mundo teme uma possível guerra mais uma vez. Desta vez, o foco é a Ucrânia, com a crise que a acompanha e o fato de que dois dos adversários, os Estados Unidos e a Rússia, são as duas maiores potências nucleares da Terra. Obviamente não é bom! Mas há uma saída para a crise e uma forma de preservar a paz. No entanto, só podemos chegar a uma solução se entendermos como a situação chegou a este ponto e quem é o responsável por nos trazer até aqui.

A imprensa corporativa norte-americana, seja conservadora ou liberal em perspectiva; na televisão, online ou impressa – está soando o alarme, dizendo que o presidente russo, Vladimir Putin, reuniu tropas e está planejando uma invasão de seu vizinho. Por quê?

Bem, de acordo com o New York Times, ninguém sabe. O jornal cita o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que, surpreso, diz: “Não está claro qual é a demanda central da Rússia”. A única razão pela qual os especialistas oferecem é que Putin é agressivo e irracional.

Essa insignificante falta de explicação é tudo menos crível. Um olhar mais profundo sobre a história e os acontecimentos recentes revela que é o Ocidente, seguindo uma política de agressão de longo prazo da OTAN, que tem a responsabilidade pela crise que agora afeta a Europa Oriental.

Quem está invadindo quem?

É importante compreender que todos os países, incluindo os EUA, têm interesses estratégicos centrais que, se violados, podem forçá-los a tomar uma ação militar e ir à guerra.

Para entender a visão russa da possível expansão e colocação de armas ou tropas da OTAN na Ucrânia, que várias administrações dos EUA, incluindo a atual, ameaçaram, uma simples reflexão é útil. Desde a declaração da Doutrina Monroe, os Estados Unidos declararam todo o Hemisfério Ocidental um interesse estratégico central. Jamais toleraria que armas russas ou chinesas fossem colocadas em países diretamente de sua fronteira, como Canadá ou México. Mas uma situação como essa é o que os líderes da Rússia temem.

A Rússia não pode tolerar que armamentos da OTAN (como as armas nucleares administradas pelos EUA que a OTAN tem na Alemanha) sejam estacionadas ao longo de suas fronteiras na Ucrânia. Mísseis que podem chegar a Moscou em cinco minutos ou menos são definitivamente inaceitáveis.

Também é útil levar em conta um pouco da história da Ucrânia e da Rússia. Historicamente, eles estão intimamente ligados. O Estado russo começou há séculos em Kiev, atual capital da Ucrânia, e nos tempos modernos ambos faziam parte da União Soviética. Durante esses anos, a Ucrânia tinha um padrão de vida mais alto do que qualquer outra república soviética, incluindo a Rússia.

Naquela época e agora, 40% ou mais da população da Ucrânia era e é russa. A parte industrial produtiva da Ucrânia no leste é quase inteiramente russa por idioma e etnia. Milhões de famílias no país são chefiadas por pais de diferentes etnias, sendo um ucraniano e outro russo. Até Volodymyr Zelensky, o atual presidente da Ucrânia, era um conhecido comediante de língua russa antes de concorrer ao cargo. Ele começou a falar ucraniano, no entanto, depois que ele foi eleito. A história curta é que não deve haver base étnica para a hostilidade entre a Ucrânia e a Rússia.

Desde o colapso da União Soviética, o objetivo dos EUA e da OTAN, juntamente com a ala militarista da União Europeia, tem sido separar a Ucrânia da Rússia, transformando-a em um bastião na fronteira russa. A Rússia, é claro, declarou que isso simplesmente não acontecerá.

O objetivo de assumir o controle da Ucrânia está relacionado à expansão geral da OTAN e da UE para o leste, que começou primeiro com a cooptação da República Tcheca e da Polônia. Ambos os países faziam parte anteriormente da aliança militar do Pacto de Varsóvia liderada pelos soviéticos, que foi formada para se defender contra a OTAN durante a Guerra Fria.

No caso da Ucrânia, como muitas vezes acontece com o militarismo da OTAN, a operação é disfarçada como uma que visa “espalhar a democracia”. Assim, no caso da Ucrânia, a ideia amplamente difundida na mídia corporativa ocidental e nos governos envolvidos nos últimos anos foi que a Ucrânia não estava sendo separada da Rússia por um golpe fascista apoiado pelo Ocidente, mas por uma ” revolução” em que a democracia era o objetivo.

Sabemos, é claro, que uma vez que a chamada “Revolução Laranja” aconteceu, os partidos políticos, incluindo partidos de esquerda e progressistas como o Partido Comunista, foram banidos, o uso da língua russa dentro da Ucrânia foi banido, centenas de sindicalistas foram mortos. , e alimentos envenenados cultivados na região de Chernobyl, contaminada por radiação, estavam mais uma vez à venda para consumo pelos ucranianos.

O governo “democrático” entregou o controle da polícia e do exército a organizações fascistas historicamente conhecidas. Eles permanecem hoje sob o controle dessas organizações. “Promover a democracia” é a desculpa que os Estados Unidos sempre usam quando querem derrubar um regime que não apoiam. Os exemplos são numerosos: Granada, Chile, Cuba, Iraque, Síria, e a lista poderia continuar.

A Marcha para o Leste da OTAN

Em 1999, a OTAN, violando as garantias dos EUA feitas anos antes no final da Guerra Fria, deu o primeiro passo em sua própria “invasão” expandindo-se para a Polônia e a República Tcheca. A Rússia, completamente devastada economicamente após a destruição da União Soviética, estava muito fraca na época para montar uma oposição séria.

Ainda há tempo para evitar a guerra se o Ocidente retroceder permanentemente em seus planos de expandir a OTAN. Aqui, crianças ucranianas brincam com um grande relógio na véspera de ano novo no centro de Kramatorsk, não muito longe das linhas de frente no leste da Ucrânia, em 31 de dezembro de 2021. | Andriy Andriyenko/AP

Quando o Ocidente viu que isso estava funcionando e que eles poderiam se safar, em 2004 eles se mudaram para os estados bálticos da Estônia, Lituânia e Letônia, ex-repúblicas soviéticas. Observe que as tropas e armas dos EUA estão agora em todos esses países, sob o disfarce desses desdobramentos da OTAN. As tropas alemãs também estão lá, entrando nesses países pela primeira vez desde que a URSS expulsou as forças nazistas de todos esses lugares, fechando as redes de campos de concentração que operavam.

A “democracia” que resultou nesses países é certamente duvidosa. A Polônia hoje é praticamente uma ditadura fascista. Na Letônia, é ilegal ensinar qualquer coisa sobre as fábricas da morte que as forças de Hitler comandaram quando ocuparam o país. Partidos políticos comunistas e de esquerda também são proibidos lá. Deve-se notar que todas essas medidas de direita são supostamente proibidas pela constituição da União Europeia, mas ignoradas pelos líderes dos países que a integram,

Observe que a guerra foi o resultado desse expansionismo agressivo da OTAN. Em 2008, o Ocidente entrou na Geórgia, outra ex-república soviética, garantindo ao governo autocrático de direita que poderia contar com o apoio do Ocidente. O senador norte-americano John McCain foi um dos que foram à Geórgia para encorajar tanto o governo que este começou a massacrar milhares de cidadãos de língua russa no norte do país, fazendo com que dezenas de milhares deles fugissem através da fronteira. com uma súbita crise de refugiados. Os direitistas georgianos não desistiram até que a Rússia enviou tropas para reprimir os ataques. A mídia ocidental, é claro, descreveu essa ação russa como uma “invasão”.

A descida da Ucrânia ao fascismo

Voltemos à Ucrânia e avancemos para novembro de 2013. O presidente eleito da Ucrânia na época, Victor Yanukovych, estava negociando com a UE para aproximar a Ucrânia da Europa, mas não por meio de adesão direta. Ele queria negociar um acordo econômico que beneficiaria a Ucrânia, a UE, a Rússia e até o FMI, se possível. Através da Ucrânia, a UE poderia ter acesso aos recursos energéticos russos e a Rússia ganharia novos parceiros. Como intermediário, a Ucrânia poderia ganhar financeiramente atuando como intermediário para o oleoduto e obtendo gás mais barato para si. O raciocínio de Yanukovych: Por que não ter um acordo de cooperação pacífica que beneficie todas as partes?

Membros do batalhão neonazista Azov marcham em Kiev, na Ucrânia. As forças fascistas não se infiltraram apenas nos serviços de segurança ucranianos; em muitos casos, eles têm controle direto sobre eles. | Sergei Chuzavkov / AP

No entanto, os segmentos do Ocidente interessados controlar a Ucrânia disseram não. A UE queria que a Ucrânia continuasse a pagar preços inflacionados e cumprisse um oneroso cronograma de pagamento da dívida. Putin então ofereceu à Ucrânia um acordo muito melhor do que a UE estava oferecendo: gás russo por até um terço a menos e ajuda a pagar dívidas. Yanukovych, que não queria impor ao seu povo a austeridade que a UE exigia, aceitou a oferta de Putin.

Em resposta, a direita nacionalista na Ucrânia, liderada por organizações abertamente fascistas, começou a provocar protestos. Yanukovych reagiu exageradamente com a violência policial contra os manifestantes e muitos foram mortos. As coisas saíram do controle e ele fugiu para a Rússia quando um golpe fascista abertamente apoiado pelos EUA tomou o controle de Kiev sob o pretexto de “restaurar a lei e a ordem”. Mais uma vez, os desejos expansionistas da UE e da OTAN estavam resultando em derramamento de sangue.

De fato, legisladores alemães e franceses foram à Ucrânia para tentar conversar com os fascistas e organizar eleições, mas estes se recusaram por algum tempo e, mantendo o controle, entregaram a polícia e o exército às suas próprias organizações de extrema-direita. Eles queriam ter certeza de que isso poderia ser feito antes mesmo da democracia aparecer na Ucrânia.

Os russos então fecharam postos de controle na Crimeia, uma península no Mar Negro que era administrada pela Ucrânia desde a década de 1950, apesar de 90% da população ser russa. Este arranjo foi acordado no período soviéticos devido à proximidade física da Crimeia com a Ucrânia. Grandes quantidades de território ucraniano separam a Crimeia do resto da Rússia. Sob a extensão desse tratado quando a URSS foi desmantelada, as tropas russas permaneceram na Crimeia para proteger a base nuclear ali.

A muito divulgada “invasão” russa da Crimeia em 2014 foi na verdade um esforço para isolar a área e protegê-la junto com a base nuclear dos fascistas que controlavam Kiev. As tropas russas já estavam lá em razão do acordo com a Ucrânia.

Pouco depois, foi realizada uma votação e o povo da Crimeia decidiu retornar à administração russa. Sendo a maioria esmagadora da população, como eles poderiam votar de outra forma enquanto observam as tropas fascistas ucranianas matarem russos no leste da Ucrânia e o governo ucraniano proibir o uso de sua própria língua?

Por mais volátil que fosse a situação na época, os russos não seguiram com uma invasão da Ucrânia. O que eles essencialmente fizeram foi dizer ao Ocidente para recuar. Putin não queria uma guerra mais ampla. O que os líderes da Rússia se recusaram a aceitar foi a OTAN sendo plantada em sua fronteira com armas perigosas apontadas para eles.

A Rússia não quer guerra

Após esses eventos, os esforços contínuos da OTAN e da UE para avançar para o leste e tomar a Ucrânia foram nada menos que perigosos e criminosos. Essas políticas colocaram em perigo o mundo inteiro.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, finge estar perplexo com o aumento das forças de defesa russas, mas anos de crescente expansionismo da OTAN em relação à Rússia e dentro das fronteiras da antiga União Soviética estão na raiz da crise na Ucrânia. | Roman Koksarov/AP

Ainda na sexta-feira (21), Blinken anunciou que, após uma reunião inicial com os russos, as negociações continuarão. É claro que os russos não querem invadir a Ucrânia. Eles têm tropas ao longo da fronteira com a Ucrânia, mas essas tropas estão em solo russo e estão posicionadas como alavanca para proteger suas fronteiras e impedir o expansionismo da OTAN.

Ao encontrar uma solução, não devemos nos distrair com perguntas sobre Putin como pessoa. Ele é um autocrata e tudo menos um fã da democracia. No entanto, nada disso muda o fato de que todas as tendências políticas na Rússia o apoiam na questão da Ucrânia. Isso inclui seus principais adversários políticos, incluindo Alexei Navalny, o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev e o Partido Comunista da Federação Russa, sem mencionar as pessoas nas ruas. Se o próprio São Nicolau estivesse comandando o governo da Rússia agora, ele provavelmente também se oporia fortemente a permitir que a OTAN entrasse na Ucrânia.

Voltemos ao assunto dos interesses estratégicos vitais. Manter armas agressivas a serviço do Ocidente longe de suas fronteiras é do interesse estratégico vital da Rússia. O que acontece na Ucrânia é de importância fundamental para a sobrevivência da Rússia. De Napoleão ao Kaiser e Hitler, a Rússia foi invadida muitas vezes pela Europa e está compreensivelmente determinada a manter uma zona militarmente livre em sua fronteira.

Pelo contrário, a Ucrânia está enfaticamente fora dos interesses estratégicos dos Estados Unidos. Os Estados Unidos, de fato, se beneficiariam da paz naquela região e certamente não se beneficiariam de forma alguma de uma guerra envolvendo as duas grandes potências nucleares. A Ucrânia também não se beneficiaria de tal guerra. Nem a Rússia ou o resto do mundo.

Esta situação, que levou tantos anos para se desenvolver, só pode ser resolvida de uma maneira. É uma solução simples: a OTAN e os EUA devem se comprometer que a Ucrânia nunca fará parte da aliança militar ocidental. Esse é o primeiro passo essencial. É o que foi acordado como parte dos esforços para acabar com a Guerra Fria.

É o que Putin e Yanukovych queriam quando tentaram intermediar um acordo entre a UE, a Ucrânia, a Rússia e o FMI todos aqueles anos atrás. Quão estúpido e perigoso foi para os Estados Unidos dizer não.

Que tenha fim qualquer expansão da OTAN para o leste!

Fonte: People’s World (Tradução Guillermo Haritza)

2 pensamentos sobre “Crise na Ucrânia é provocada pelos EUA e pela OTAN, não pela Rússia

  1. Bem, politicamente, sou socialista libertário ou anarquista, mas, também, pacifista e não sou a favor nem do imperialismo do capitalismo privado dos industriais e nem do imperialismo do capitalismo de estado da Rússia e da China comunista. Daí não sou a favor nem dos Estados Unidos e nem da Rússia e nem da China. Será que o mundo está se encaminhando para a terceira Guerra Mundial. Seria bom que o G7 fizesse restrições econômicas à Rússia, para que não houvesse a terceira Guerra Mundial, pois com os armamentos existentes na Rússia, na China e nos outros países ligados à OTAN, será muito ruim a tragédia causada por uma nova Guerra Mundial, pois nem o capitalismo e nem o comunismo serão beneficiados por mais uma guerra mundial. Bem, como eu sou pacifista, acho muito difícil o ditador Vladimir Putin voltar atrás deste conflito bélico contra a Ucrânia. Sou evolucionista e fico pensando… Será que uma nova guerra mundial não irá destruir, tudo que já foi feito pelo bem da humanidade, ao longo dos séculos! Aos 79 anos de idade, estou aguardando a extinção da espécie humana que está sendo procurada por ela mesma, com a destruição do ecossistema e dos habitats. Outros cientistas do mundo também já fizeram esta previsão e como uma nova guerra mundial, haverá a possibilidade da extinção antes da minha previsão. Parece-me que a espécie humana não deu certo no planeta Terra e, por isso, a extinção dela será uma realidade mundial.

    Curtir

    • A Rússia não esta começando uma nova Guerra Mundial. Ela esta apenas garantindo sua sobrevivência como Nação. A autodeterminação da Ucrânia, esta foi derrubada no Golpe de 2014 onde Grupos Nazistas, o EUROMAIDAN, tomaram de assalto o poder e só não avançaram mais sobre a Rússia com o apoio dos EUA, por que a Rússia parou eles na Criméia. Agora, no final de 2021 houve nova tentativa de Guerra Hibrida no Cazaquistão, mas prontamente parado pelo Governo de lá. Aí foi que começaram novamente as pressões americanas via Ucrãnia. A Rússia tá fazendo movimentos de auto defesa. É preciso reconhecer. Depois, sim, é preciso ser sempre contra a Guerra e pela Paz e a política. É o que Lula disse hoje no México. Lula precisa voltar a Presidência aqui, por que ele e o Brasil são peças chaves na recomposição da ordem mundial sob novos paradigmas da multipolaridade com o BRICS reforçado.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s