Brasil/democracia/Fascismo

Mobilização Popular em Defesa da Democracia contra o Golpismo bolsonarista (Por Raul Carrion)

Faço breves reflexões sobre os atos golpistas de ontem em Brasília:

1) Esses atos foram gestados sob a inspiração de Bolsonaro e a omissão descarada de seus ministros militares e parte das forças armadas, que só não executaram um golpe de estado devido ao seu isolamento nacional e internacional.

2) Esses atos terroristas contaram com a evidente conivência do governo do Distrito Federal, em especial de suas forças de segurança, que escoltaram os golpista até a Esplanada dos Três Poderes. A barreira policial colocada diante dos prédios dos Três Poderes foi completamente insuficiente, com poucas dezenas de policiais, apenas com jatos manuais de gás pimenta, em um incentivo claro à invasão.

3) A invasão e depredação dos prédios dos Três Poderes não foi gratuita ou fruto de atos tresloucados de alguns bolsonaristas “radicais”.
O seu objetivo evidente foi criar um clima de caos e de incapacidade do poder civil de manter a ordem no país, para dar um pretexto aos militares para intervir.

4) O governo federal demonstrou-se pusilânime diante dos bolsonaristas, não desmontando os acampamentos dos golpistas (para não ferir sucetibilidades dos militares), não detendo as caravanas de terroristas, confiando ingenuamente nas autoridades de Brasilia e não mobilizando de maneira ampla a Força Nacional, a Polícia Federal e a Guarda Presidencial.

5) Após os atos golpistas, ainda que agindo de uma forma um tanto tardia, o governo federal tomou medidas mais duras e interveio na área de segurança do Distrito Federal. Coube a Alexandre de Moraes o afastamento do governador do DF.

6) Registre-se que só depois que Alexandre de Moraes determinou o desmonte de todos os acampamentos golpistas em frente ao quartéis militares de todo o Brasil é que o acampamento de Brasília começou a ser desmontado.

7) Outros atos planejados pelos bolsonaristas em diversas refinarias da Petrobras — dando prosseguimento ao intento golpista — acabaram sendo abortados.

8) Por tudo isso, o momento exige firmeza e habilidade. Firmeza para derrotar as iniciativas golpistas e habilidade para não criar o menor pretexto para qualquer intervenção militar.
As forças para reprimir as ações golpistas devem ser policiais e não militares — se necessário trazendo tropas policiais confiáveis de outros estados e concentrando os principais contingentes da Força Nacional em Brasília.
Não devemos incentivar confrontos dos movimentos sociais com os bolsonaristas, para não alimentar o discurso do “caos social”.

9) É essencial a mais ampla mobilização da população brasileira, em defesa da Democracia!
Não é preciso dizer da importância dos atos programados para o dia de hoje, em defesa do Estado Democrático de Direito, ameaçado pela ultra-direita neofascista!

OS FASCISTAS NÃO PASSARÃO!

Raul Carrion é um historiador, sindicalista, escritor e político brasileiro. Foi vereador de Porto Alegre e duas vezes Deputado estadual do Rio Grande do Sul, militante do Partido Comunista do Brasil. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s