democracia/Lula/Terrorismo

Por que Lula não aceitou a “GLO” que Múcio lhe propôs em nome dos militares

O título original deste artigo do Jeferson Miola que publico a seguir, é Exército tinha GLO preparada para atuar depois do caos terrorista que ajudou a criar .

Achei conveniente lhe dar um outro título, por que de novo dá pra ver que o Lula sabe com quem esta lidando e não faltará na Defesa da Nação e da Institucionalidade.

Por que na verdade para muitos de nós era óbvia a decisão: vamos usar a “GLO – Garantia da Lei e da Ordem” e por fim a esta balbúrdia. Mas Lula junto com Flavio Dino construiu outra solução, menos traumática e como se vê, muito acertiva.

Mas opa…Os militares sugeriram? E tinham já “2.500 militares aquartelados” em Brasília antes da Invasão terrorista…para cumprir o GLO? Leia o artigo do Jeferson Miola a seguir:

Reportagem da Folha [10/1] relata que o ministro da Defesa José Múcio Monteiro propôs “o Exército atuar na contenção dos golpistas por meio de uma GLO [Garantia da Lei e da Ordem]”. O presidente Lula teria respondido “rispidamente” à proposta, segundo a matéria.

É bastante provável que o ministro José Múcio apenas tenha repetido ao presidente da República a proposta [indecente] que o Alto Comando do Exército interessadamente teria sugerido a ele.

Não por coincidência, no final da tarde de 8/1, ainda antes do presidente da República decretar intervenção federal na segurança pública do DF, a imprensa noticiou que “o Exército colocou tropas em prontidão em Brasília para um possível decreto de GLO”.

O Exército informou que “2.500 militares estão aquartelados em Brasília” aguardando a “sinalização do governo federal para um possível acionamento dos militares”.

José Múcio atua como uma espécie de porta voz dos militares, como ficou claro na sua indicação para o cargo e no critério que ele adotou para a escolha dos comandantes das três Forças.

O historiador e professor Chico Teixeira/UFRRJ sustenta que “Múcio não é o ministro da Defesa do governo Lula, mas é um embaixador dos militares junto ao Governo”. A opinião do ministro Múcio sobre o acampamento terrorista no QG do Exército em Brasília, considerado por ele uma “manifestação da democracia”, corrobora a opinião do professor Chico Teixeira.

Múcio até tinha “parentes lá”, assim como generais e oficiais das Forças Armadas também tinham os seus familiares amotinados no QG do Exército preparando atentados à democracia.

Talvez por isso o ministro afiançou que nenhum terrorista seria “retirado na marra” – realidade que, segundo noticiado, obrigou que na madrugada de 9/1 o governo tivesse de negociar com os comandos militares as condições de execução da ordem judicial do STF. Teria sido para safar da prisão militares e integrantes da família militar ali amotinados?

A comoção das instituições e da sociedade civil com os acontecimentos de 8 de janeiro produziu um clima inédito de coesão e solidariedade em defesa da democracia no país. E produziu, também, um consenso democrático amplo a respeito da necessidade de se punir com rigor e exemplaridade os perpetradores da violência fascista e dos ataques terroristas à democracia.

Este esforço de investigação e responsabilização dos criminosos não pode, no entanto, se restringir ao universo de agentes civis – públicos ou privados –, como o governador, o ex-secretário de segurança e os comandantes das forças policiais do DF; o omisso PGR; os empresários financiadores, os estimuladores e apoiadores dos atentados e, também, os ativistas e políticos da extrema-direita fascista.

Na investigação da cadeia de responsabilidades pelos acontecimentos de 8 de janeiro é essencial, ainda, se investigar o papel central das cúpulas das Forças Armadas, sobretudo do Exército brasileiro, nos atos terroristas – no planejamento, na omissão [como do Comando Militar do Planalto], ou na ação direta em campo com militantes ou infiltrados.

É inegável o papel do Bolsonaro em todo o processo de caos e terror. Acontece, porém, que Bolsonaro não é o cérebro; ele não é a inteligência estratégica do processo de hibridização da realidade e de produção de caos na sociedade brasileira.

Bolsonaro é um instrumento; os militares é que estão no comando real. Bolsonaro é uma peça central na engrenagem e na estratégia de guerra fascista dos militares contra a democracia, mas é o partido dos generais que comanda.

Os militares geram caos, tumulto e desordem para se apresentarem como força da paz e da ordem. Eles promovem terrorismo e, ao mesmo tempo, se apresentam como solução via GLO. Dessa maneira, exercem sempre o poder e mantêm a tutela da democracia.

Um pensamento sobre “Por que Lula não aceitou a “GLO” que Múcio lhe propôs em nome dos militares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s