Uncategorized

O mundo de Rodrigo Lopes em Honduras

Postei aqui varias vezes sobre o tema Honduras. Falei sobre a parcialidade descarada da RBS no caso. Não esperava que a RBS mudasse. E não mudou o foc. Mudou foi a forma, pra melhor enrolar. Felismente os olhos do povo estão cada vez mais abertos. Leia este post do Blog Jornalismo B publicado na segunda-feira.

http://jornalismob.wordpress.com/

Depois de um início de cobertura que beirava o ridículo e o surreal, o repórter Rodrigo Lopes, da RBS, diminuiu o tom de defesa do golpista Roberto Micheletti. Ainda assim, o material que tem sido publica em Zero Hora continua com um viés ideológico fortíssimo, desonesto e birrento. A reportagem publicada no jornal do último domingo, dia 4, é um exemplo da nova tendência da cobertura do jornal: posicionamento menos raivoso, mais escondido e, assim, mais convincente. Mas é só abrir os olhos, ler e perceber que o que está ali continua sendo uma defesa do golpe sofrido pelo presidente Manuel Zelaya.

A matéria “As duas faces de Honduras” (AQUI, AQUI e AQUI) conta a história da crise pretensamente pelos dois lados: “O mundo de Micheletti” e “O mundo de Zelaya”. Uma página para cada. Porém, o equilíbrio é apenas aparente. Para começar, o espaço não é o mesmo. A página com o mundo de Zelaya está dividida pela metade. A parte inferior traz um anúncio. A diferença entre as fotografias utilizadas é flagrante. Do lado do golpista, uma manifestante e uma faixa, que diz o seguinte: “De Honduras al Mundo: No queremos a Mel Zelaya”. Ou seja, é Honduras contra Zelaya, é o apoio da população a Micheletti. A foto é enorme. Na página ao lado, a foto mostra um Zelaya de costas e isolado, sozinho.

zelayaOs textos tampouco estão equilibrados. Em alguns trechos, Rodrigo Lopes reforça e assina embaixo dos argumentos / pretextos dos golpistas. Um exemplo: “(…) começava a se delinear o plano para tirar Manuel Zelaya da presidência. Na verdade, retirar não. Conforme seus adversários, o próprio Zelaya já havia se retirado do cargo, ao tentar reformar a Carta Magna”.

A oportunidade para atacar o presidente venezuelano Hugo Chávez, quando não existe, é criada sem que o repórter sequer fique corado. Acontece mais uma vez nesse texto, quando Chávez é chamado de “fantasma” e é dito que ele “estica seus tentáculos até a pequena e pobre Honduras”. Rodrigo Lopes, no mesmo parágrafo, ainda consegue colocar como problemas algumas importantes realizações e aspirações do presidente deposto: “Zelaya, um político populista no velho estilo latino-americano, não apenas aumentou o salário mínimo, mas mexeu nos interesses de cinco famílias que controlam a política hondurenha há décadas (…)”.

No final deste primeiro texto, ainda coloca-se os defensores de Zelaya como vândalos que destruíram as pobres plantinhas da casa de uma jornalista para entrarem na embaixada brasileira.

O texto sobre o “mundo de Zelaya” é mais insosso, mas não foge à prática de tentar mostrar o presidente deposto como um “populista no velho estilo latino-americano”, e ridicularizá-lo como um desses líderes folclóricos de uma república de bananas. O texto de Rodrigo Lopes é impregnado de preconceitos, e termina falando em “marchas com chapéus de caubói e linguiça frita em chapa quente”.

Tenho dito no nosso Twitter e repito aqui: acho muito difícil que em algum lugar do planeta se esteja fazendo uma cobertura tão ruim da crise em Honduras como a feita por boa parte da grande imprensa brasileira, incluindo aí Rodrigo Lopes. A questão eleitoral brasileira está influenciando nisso, e o preconceito e temor quanto à clara tendência de avanço de governos de esquerda na América Latina, também.

Postado por Alexandre Haubrich

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s