Uncategorized

Não foi o Nordeste, foi o Brasil!, por Ana Fonseca

Por  no GGN

O noticiário dos principais veículos da grande imprensa brasileira sobre as eleições presidenciais tem uma narrativa clara: as eleições presidenciais de 2014 foram um mundo de baixarias e o Nordeste, tutelado pelo Bolsa Família, é o responsável pela reeleição de Dilma Rousseff. Conclusão, o Brasil está dividido como resultado de um processo eleitoral agressivo e nefasto, certo? Errado.

Não escrevo como nordestina e brasileira que sou e muitos sabem. Sou cearense, falo manso e minha peixeira é feita de argumentos. Escrevo por saber que toda narrativa é uma construção e um campo de disputa política. Não existe narrativa inocente. A narrativa vencedora se cristaliza e vira história.

Na noite do dia 26/10, em especial, os ânimos estavam exaltados.  Assisti brigas na rua e agressões verbais. Algumas vozes diziam: volta para o Nordeste e fica lá com o Bolsa-Família.  Outros retrucavam: eu vou é pra Minas, ganhamos na terra dele. O Nordeste é o atraso. Lá não falta água, imbecil. Vai chorar na Cantareira fio duma égua.  Vou ficar em São Paulo em missão civilizatória.

Foram muitos e variados os bate-bocas.

No entanto, reduzir estas eleições presidenciais à agressividade, desqualificar eleitores por sua localização geográfica, afirmar que é baixaria questionar o nepotismo, violência contra a mulher ou improbidades administrativas de candidatos é tentar fazer de conta que essas questões não são de interesse do eleitor. Carimbar esses “ataques” como algo de cunho pessoal em vez de político, sugere uma leitura inteiramente enviesada do processo real de disputa político eleitoral recém-concluído.

Nessa eleição foram discutidos temas incomuns como independência do Banco Central, reforma política associada à corrupção e financiamento público das campanhas. Houve debate sobre a criminalização da homofobia, modelos econômicos que incentivam o emprego e a renda, que combatem a inflação, retomam o crescimento econômico, política externa e seus diferentes alinhamentos, etc. As políticas sociais – Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida, Mais Médicos, Pronatec, Prouni, dentre outras – pautaram os debates com uma intensidade e frequência jamais vistas em outros pleitos.

Em suma, foi uma campanha com elevado nível de politização de temas de interesse nacional e da relação do Brasil com o mundo. Não pode ser reduzida à agressividade e ao suposto atraso do Nordeste.  Eram dois projetos em renhida disputa.

No 2º turno assistimos o engajamento de intelectuais e personalidades públicas para impedir que o projeto do adversário de Dilma Rousseff fosse vencedor. Os pronunciamentos, no TUCA, de Luiz Bresser Pereira, Roberto Amaral e do candidato ao governo de São Paulo pelo PSOL, a presença do Chico de Oliveira naquele teatro, as declarações do Chico Alencar, Jean Wyllys, a atuação discreta de Luiza Erundina e os depoimentos de tantos artistas revelam que a militância de esquerda, petista e outras, voltaram às ruas, promoveram debates e atuaram  intensamente nas redes sociais. A  alegria da juventude presente em inúmeros atividades desanca a ideia de que os jovens não se interessam por política e de quebra deram  um toque especial à disputa. Foi uma eleição mobilizadora.

Sobre os números dessa eleição, pedi o apoio de Roberto Xavier, sociólogo por formação e vocação, que é um ás em bases de dados e em bem inquirir os números com suas boas perguntas.  Queria saber da participação do Sudeste (SE) nessa eleição, pois em relação aos eleitores e eleitoras do Nordeste (NE) está em curso uma narrativa para desqualificar os 20,2 milhões de votos obtidos pela candidatura Dilma Rousseff no segundo turno.

Mas a comparação com a votação da candidata do PT na região Sudeste (19,9 milhões de votos no 2º turno) revela um “empate técnico, na margem de erro”, para saudarmos o bom humor: apenas 300 mil votos de diferença para os eleitores dilmistas do Nordeste. A região (SE) contribuiu com 36,4% dos 54,5 milhões de votos que deram a reeleição à presidenta Dilma. Com destaque para o Estado de São Paulo (15,6%), Minas Gerais (11%) e Rio de Janeiro (8,2%). Já a região Sul participou com 12,4% dos votos (6,8 milhões).  Assim, as duas regiões (SE e SUL) participaram com 48,8% dos votos obtidos pela candidata no segundo turno.

As regiões Centro-Oeste (3,3 milhões) e Norte (4,5 milhões) participaram com 6,0% e 8,2%, respectivamente. O percentual de participação das regiões Sudeste, Sul, Centro Oeste e Norte na composição final dos votos pela reeleição foi de 63,6%. Conclusão: a grande maioria dos votos totais recebidos pela candidata do PT vieram dessas regiões, não vieram do NE. O país não está dividido territorialmente, como faz crer o noticiário dos grandes veículos de imprensa.

Os votos dos brasileiros e brasileiras definiram um caminho para o Brasil para os próximos 4 anos. Foi uma disputa com um resultado apertado (inferior a 4%), mas não é razoável desmerece-la. Ao contrário, as lições das ruas e das urnas apontam para um amadurecimento da democracia brasileira, a consolidação de um patamar mais elevado da cidadania, eleitores mais críticos e ciosos de seus direitos, em ambos os lados.

À candidata reeleita fica posta a imperiosa necessidade de avançar e consolidar ainda melhores resultados.

ANA FONSECA, 63, é pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), membro da Plataforma Politica Social. Foi Secretária Executiva do Programa Bolsa-Família (2003), Secretária Executiva do MDS (2004)  e Secretaria Extraordinária para a Superação da Extrema Pobreza (2011)

Um pensamento sobre “Não foi o Nordeste, foi o Brasil!, por Ana Fonseca

  1. Pingback: Restaurantes fechados, uso de poços…: 10 cenários da iminente falta total de água em São Paulo | EVS NOTÍCIAS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s