Uncategorized

A verdade:Brasil reduziu a pobreza em suas várias dimensões, revelou estudo do Banco Mundial

O Brasil hoje foi surpreendido por um Estudo “extra oficial” (Segundo Marcelo Nery)do IPEA afirmando que a pobreza aumentou. Por que? Por que a tal linha de pesquisa adota conceitos ultrapassados de pobreza. Ela se aferra a ideia de que a pobreza é financeira e unidimensional. Conceito ultrapassado que não leva em conta o acesso das pessoas a bens e serviços. É simples: Um beneficiário do Bolsa Família é agricultor no nordeste. Ele recebe o Bolsa Família e pode até estar na faixa econômica de extremamente pobres. No entanto ele também é beneficiário do Programa água para todos e tem uma cisterna em casa, que lhe possibilita ter uma horta onde cultiva parte dos alimentos que sua família consome. Nem uma cenourinha é contabilizada na tal “linha de pesquisa” extra oficial”  do IPEA. Não leva em conta a distribuição de alimentos através do PNAE, Programa Nacional de Merenda Escolar que chega em praticamente todas as crianças pobres e não contabiliza também o acesso a outros serviços e programas coordenados pelo Plano Brasil Sem Miséria. É por isto que diferentemente deste estudo com complexo de ” vira-latas” do IPEA, construído para alimentar o discurso mafio midiático e da oposição, ,  o Banco Mundial tem outra leitura, conforme mostra a matéria abaixo:

A queda na pobreza multidimensional foi de 76% entre 2004 e 2012

Brasília, 1º – A pobreza crônica no Brasil, que considera privações além da renda, caiu de 6,7% para 1,6% da população no período de oito anos – entre 2004 e 2012 –, segundo estudo do Banco Mundial. A queda é de 76%.

O trabalho foi apresentado por economistas do Banco Mundial em oficina técnica promovida pela Iniciativa Brasileira de Aprendizagem por um Mundo sem Pobreza (World without Poverty – WWP), projeto conjunto do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Banco Mundial e Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

O estudo considerou pobres de renda aqueles que ganham até R$ 140 mensais. O valor é maior do que a linha de extrema pobreza brasileira, de R$ 77 mensais (equivalente a US$1,25 diário). Se a pobreza crônica considerasse apenas a população em situação de miséria, o percentual da redução seria ainda menor do que o 1,6% da população identificado pelos autores do trabalho.

O trabalho, focado na pobreza multidimensional, considerou, além da renda, sete dimensões da pobreza: se as crianças e adolescentes até 17 anos estão na escola, os anos de escolaridade dos adultos, o acesso à água potável e saneamento, eletricidade, condições de moradia e, finalmente, a bens, como telefone, fogão e geladeira.

A pobreza é considerada crônica quando são registradas privações em pelo menos quatro das sete dimensões. O estudo utilizou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), produzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, destacou que o Plano Brasil Sem Miséria foi organizado de forma a enfrentar a pobreza em suas diferentes dimensões, garantindo renda, mas também cuidando de melhorar as oportunidades para inserção econômica dessas famílias, assim como o seu acesso a serviços.

“Construímos o Plano Brasil Sem Miséria olhando o conjunto da população pobre e extremamente pobre”, explicou ela. “Sempre agimos de maneira multidimensional e os dados do Banco Mundial comprovaram isso.”

Para a economista do grupo de Desenvolvimento Humano e Proteção Social do Banco Mundial, Anna Fruttero, coautora do estudo, o fato de um indivíduo ser pobre monetário e multidimensional aumenta a probabilidade de ele seguir na pobreza. Ela participou da oficina técnica “Dimensionamento e caracterização da pobreza no contexto de sua superação: os limites dos indicadores clássicos e as novas propostas metodológicas”. “O objetivo tem que ser a erradicação da pobreza crônica”, afirmou.

“O que nos estimula”, disse a ministra Tereza Campello, “é que os dados do Banco Mundial mostraram que nossa ação foi eficaz, pois conseguiu atingir a pobreza crônica”. Ela destacou ainda que o trabalho apresentado pelo Banco Mundial considerou dados até 2012 e que os resultados seriam ainda mais surpreendentes se tivessem sido computados dados de 2013, que incluem já os efeitos de programas como Água para Todos, Minha Casa, Minha Vida, e Mais Médicos.

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/saladeimprensa

3 pensamentos sobre “A verdade:Brasil reduziu a pobreza em suas várias dimensões, revelou estudo do Banco Mundial

  1. Pingback: Futura Nova Ordem Mundial? Não. Ela já está aqui:BRICS | EVS NOTÍCIAS.

  2. Esse estudo que nos foi apresentado pelo jornal da globo, deixou-nos surpreso e meio atônito, pois, a Senhora Presidenta Dilma passou, durante a campanha e mesmo antes que, a administração de Lula e agora da Dilma diminuíram ou seja, reduziram em mais de 30% miséria. E agora ela, a globo, vem com esse estudo que me deixou apreensivo, pois eu sempre desconfio de globosta.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s