política

ELEIÇÕES 2016: O CONTEXTO (Por Selvino Heck)

JumentoAs eleições municipais de 2 de outubro são, no momento em que escrevo, 29 de julho, imprevisíveis. Ninguém sabe o que vai acontecer. Escrevo como alguém que participa de eleições desde 1978, 38 anos atrás, foi candidato seis vezes, a primeira vez em 1982, coordenou inúmeras campanhas, como a de Lula no Rio Grande do Sul em 1989, ou a de Tarso Genro, prefeito eleito de Porto Alegre em 1992. Até chegar a esta de 2016, onde estarei na coordenação de campanha de Cesar Schumacher, candidato a prefeito do PT de Venâncio Aires, minha terra.

Pergunto às pessoas em quem vão votar e por que. Quase ninguém sabe. Quando sabe, vota numa pessoa da qual ouviu falar ou já conhecia, e nada mais. Quase ninguém está ligado às eleições, por enquanto. Pergunto aos candidatos como vão tratar os temas do impeachment, do golpe e da democracia e há muitas dúvidas. Pergunto sobre o quadro econômico e social previsível em 2 de outubro, e as respostas são múltiplas ou vagas.

Estas eleições, mesmo sendo municipais, são especialmente importantes, por acontecerem no momento em que estão acontecendo, por possibilitarem o levantamento de temas antes quase proibidos em eleições municipais, por exigirem dos candidatos majoritários e proporcionais posicionamentos e respostas sobre assuntos que vão além da questão local, obrigando a discutir o micro e o macro, políticas públicas, a democracia e assim por diante.

Agosto é um mês marcado na história no Brasil, a começar pelo suicídio de Getúlio em 24 de agosto de 1954. Em agosto de 2016, o Senado da República decidirá sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Agosto será o mês de inéditas Olimpíadas no Brasil e na América Latina, que deveriam/deverão envolver e empolgar toda sociedade brasileira e ter repercussão mundial. Agosto será um mês de grandes manifestações sociais e de rua, talvez com uma greve geral há muito tempo não vista.

Como o Brasil chegará no final de agosto? Como estará em setembro? Ninguém sabe, ninguém pode/consegue prever.

Recentes pesquisas, algumas inclusive fraudadas, como a do Datafolha, dão conta que está acontecendo uma mudança no humor popular de brasileiras e brasileiros. Cai a aprovação do governo interino golpista, sobe a aprovação da presidente legítima, Dilma, diminuem os favoráveis ao seu impeachment, cresce o número dos que querem eleições gerais.

No campo econômico e social, não se vê crescimento econômico no horizonte, aumenta a taxa de desemprego e as pessoas reclamam da inflação que corrói seus ganhos. Cresce, portanto, a insatisfação popular com a máxima do `Estado mínimo, mercado absoluto`. O desmonte das políticas públicas existentes, promovido pelo governo interino, começa a ser sentido na vida cotidiana do povo e dos trabalhadores.

Cresce o descrédito da política em geral, dos políticos e partidos em particular, ainda mais com as últimas medidas do governo interino chanceladas pelo Congresso Nacional, favorecendo minorias e não ao conjunto da população: reajuste dos servidores do Poder Judiciário e Legislativo, aceleração de privatizações, previsão de reformas na previdência e nas leis trabalhistas. E ainda há as denúncias de corrupção, a parcialidade de setores do Poder Judiciário e Ministério Público nas apurações, novidades que poderão surgir.

Há forte criminalização da política, especialmente do Partido dos Trabalhadores, e de alguns movimentos sociais, como o MST. Crescem o ódio a intolerância com quem é diferente ou pensa diferente da maioria, com quem professa determinadas crenças, com quem não professa a `lei e a ordem`. Os valores da solidariedade, da igualdade andam em baixa, a grande mídia colaborando expressivamente com seu esvaziamento e perda de sentido.

Como tudo isso se refletirá no voto daqui a dois meses? Ou os eleitores vão continuar com o olhar apenas no plano local, votando em nomes em vez de programas e partidos, sem atentar para as questões globais e nacionais? Quem o sabe?

Neste contexto, é de se imaginar que nesta eleição não haverá como escapar da disputa de projetos de sociedade e de desenvolvimento, haverá confronto de ideias, haverá embates programáticos, haverá debate sobre o futuro, não só do município, mas também do país. Ou todos fugirão de temas como a democracia, políticas públicas com participação social, papel do Estado e da sociedade civil em tempos de crise?

É de se lembrar ainda que, pela primeira vez, está proibido o financiamento empresarial de campanhas, levando a militância voluntária à rua, uma campanha pé no chão e no barro.

As eleições municipais de 2016, embora ainda imprevisíveis no resultado, são especialmente importantes no atual contexto brasileiro e no futuro do Brasil como Nação. Dois meses que entrarão para a história. Cabe a candidatas e candidatos, a militantes, à população em geral preocupada com o futuro de seus filhos e netos transformar estas eleições numa vitória da democracia e do resgate da política como serviço ao bem comum.

Selvino Heck

Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990)

Em vinte e nove de julho de dois mil e dezesseis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s