América Latina/Mercosul

Com inflação em 46% e reajustes de tarifas de até 2.000%, Argentina mergulha no caos social (O que nos espera no Brasil,se não resistirmos)

Na matéria do R 7 que publico a seguir, os efeitos do Governo Neo Liberal de Macri na Argentina. Macri cumpre as orientações do Sistema Financeiro internacional. Temer já começa a implementar as mesmas ordens aqui. O resultado será o mesmo, ou pior que na Argentina, a não ser que a Classe Trabalhadora e o povo reajam e evitem o desastre. Vai a matéria do R 7:

Tensão chegou ao ponto de o presidente argentino receber pedradas de manifestantes

Buenos Aires passou a conviver com protestos quase diários por conta das medidas econômicas do governo Macri

Em menos de nove meses do governo de Mauricio Macri, a Argentina foi jogada no caos social. O novo presidente dificultou o acesso aos programas sociais e retirou grande parte dos subsídios para os setores públicos instituídos pelos governos anteriores. Tal decisão fez com que as tarifas de gás, luz e água fossem reajustadas de 300% a 2.000%. O “tarifaço”, como ficaram conhecidos os cortes, fizeram disparar a inflação do país, que atingiu a impressionante marca de 46% ao ano, de acordo com agências de análise independentes, a mais alta dos últimos 14 anos.

O aperto na economia provocou pelo menos 200 mil demissões de trabalhadores no primeiro semestre de 2016, conforme denunciado pelos sindicatos do país. As medidas impopulares de Macri fizeram ainda com que 1,4 milhão de argentinos entrassem na pobreza no primeiro trimestre deste ano, segundo um estudo da Universidade Católica Argentina.

Com as tensões sociais aumentando, a capital do país, Buenos Aires, passou a conviver com protestos quase diários que contribuem para congestionar o já caótico trânsito da metrópole.

Morador da cidade, Julio Benitez conta foi afetado diretamente pela troca de poder, “assim como todos os argentinos”. O técnico de telecomunicações relata ter perdido seu trabalho assim que Macri assumiu o governo, e está desempregado desde então.

— Esse governo somente tem beneficiado as grandes corporações. Inclusive, as pequenas e médias empresas tem fechado na Argentina. Todas as medidas que o Macri tomou foram favoráveis apenas aos grupos empresariais internacionais.

Moradores de rua dormem em uma calçada de Buenos AiresReprodução/ Taringa

A revolta popular atingiu níveis perigosos no dia 12 agosto. Durante um evento com a governadora da província de Mar del Plata, María Eugenia Vidal,  o presidente argentino foi xingado e recebeu pedradas de manifestantes que  gritavam o refrão “Macri, lixo, você é a ditadura”. Depois do incidente, o chefe de estado passou a se deslocar em uma van blindada.

Enquanto isso, os poderosos sindicatos argentinos — famosos por serem uma pedra no sapato de governos não-peronistas — prometem intensificar a resistência nas ruas. Na segunda-feira (22), as três principais correntes da CGT (Confederación General del Trabajo) se uniram para divulgar um documento intitulado “De Mal a Pior”, que deu o tom da oposição do grupo ao governo Macri. Apesar de uma greve geral ainda não estar nos planos dos sindicalistas, esse cenário pode mudar rapidamente.

Repercussão

Moradora da cidade argentina de Porto Iguaçu a designer de moda Sofia Arecco, de 22 anos, relata que o comércio local sofre as consequências da crise econômica. Localizada próxima da fronteira com Foz do Iguaçu, o município costumava receber centenas de brasileiros, que “eram os principais consumidores” dos restaurantes e mercados da região. No entanto, com a desvalorização da moeda, Sofia diz que o fluxo se inverteu.

Mauricio Macri assumiu o poder em dezembro de 2015Reuters

— Agora é a gente que vai comprar no Brasil, porque é mais em conta para a gente. Em Foz do Iguaçu, o quilo do tomate custa R$ 4, enquanto aqui é quase R$ 10. Isso gera também uma crise local, porquê os mercados não estão mais vendendo nem para nós.

De acordo com a consultora Scentia, o consumo na Argentina caiu 6,4% em junho, em comparação com o mês anterior, enquanto o gasto médio por compra caiu 26,3%.

Já os aumentos repentinos da eletricidade e do gás foram suspensos pela justiça argentina, o que deverá aliviar a população do país no curto prazo. No entanto, nos meses anteriores, o estrago já foi feito.

— Tenho uma amiga que mora no estado de Entre Ríos e pagava 100 pesos de luz. No mês passado, a conta dela veio de 1000 pesos.

* Por Luis Felipe Segura

3 pensamentos sobre “Com inflação em 46% e reajustes de tarifas de até 2.000%, Argentina mergulha no caos social (O que nos espera no Brasil,se não resistirmos)

  1. Pingback: Com inflação em 46% e reajustes de tarifas de até 2.000%, Argentina mergulha no caos social (O que nos espera no Brasil,se não resistirmos) — Luíz Müller Blog | O LADO ESCURO DA LUA

  2. Pingback: Temer vai por Brasil a venda no mercado em 2017 por meio de leilões | Luíz Müller Blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s