Eleições 2016/Porto Alegre/Uncategorized

Quando o Voto nulo, branco ou abstenção são formas de expressão do eleitorado

marchezan-melo

A altura a que sinalizam o caminho com a mão direita faz a diferença?

Em 1974 a Ditadura completava 10 anos. Par Presidente e Governadores, “eleição indireta”, que eram na verdade uma nomeação disfarçada dos títeres da ditadura. Mas 1974 mostrou uma virada na posição do Eleitorado. Nas eleições parlamentares, liberadas para os eleitores em geral, mas só para votar nos dois partidos da ordem, criados pela Ditadura Militar, A ARENA e o MDB, o povo pela primeira vez fez protesto massivo, votando nulo, em branco o u se abstendo. E olha que na época a abstenção significava pagar uma multa de um salário mínimo. Uma parte da esquerda não consentida pela ditadura e parte da Igreja Católica fizeram campanha pelo Voto Nulo. A Campanha dizia basicamente que uma eleição onde a maioria dos votos não fosse a candidato nenhum, desmoralizava o candidato eleito e portanto a Ditadura, criadora dos dois partidos autorizados. Não deu outra. Somados os votos nulos, brancos e abstenções aos votos do antigo MDB, consentido pela ditadura, a soma era muito maior que a dos votos dos candidatos da ditadura, abrigados na ARENA. A época, mais de 40% dos votos foram invalidados, ou seja foram nulos ou brancos. O povo se utilizou de uma eleição para demonstrar que já não concordava com o Regime Ditatorial. No Brasil neste momento esta instalada uma ditadura. O Judiciário, pelo STF suspendeu a Constituição, regula processos eleitorais e intenta por no ostracismo os partidos e lideranças de esquerda. Propagadora e apoiadora desta ditadura, assim como já havia sido da ditadura militar, a grande mídia lança propagandeia e dá ampla cobertura a uma campanha moralista e evidentemente hipócrita contra o PT, taxando-o de corrupto, mesmo não amealhando as provas para tanto e por outro lado, descartando provas e delações que levem em conta a evidente corrupção dos demais, ou seja, de que a corrupção é do sistema. O povo ao se expressar pelo voto nulo, voto em branco ou abstenção, esta na verdade demonstrando seu desprezo pelo sistema. O Voto Nulo, Branco e a Abstenção, que foi o marco do início da derrocada da Ditadura Militar nas eleições de 1974, é sim um instrumento válido de expressão. Sinalizam que é necessário mudar o sistema, por que este está corrompido. Cabe aos agentes políticos buscar esta insatisfação demonstrada no período eleitoral. Em 1974 a esquerda verdadeira, ainda difusa em grupos e correntes clandestinas, captou o sentimento das massas. Em um período curto, Movimentos Sociais, de Moradores,  Partidos e organizações clandestinas construíram um mínimo de unidade que propiciou a surgimento do Partido dos Trabalhadores, formalizado em 1980, durante a abertura política conquistada pela derrocada gradual da ditadura a partir de 1974. Ó povo tá puto com o sistema. E ta puto com o PT que havia oferecido a utopia da mudança do sistema, mas deu só alguns avanços sociais, importantes mas não suficientes para politizar as amplas massas de trabalhadores. As massas, mesmo constantemente torpedeadas pela campanha fascista da grande mídia, não votam em maioria nos candidatos da grande mídia. Já no primeiro turno o vitorioso foi “ninguém”. Na maioria das cidades, inclusive em São Paulo e em Porto Alegre, a soma de votos nulos, brancos e abstenções passou o número de votos do 1º colocado. E isto acontece a primeira vez depois do retorno da democracia ao Brasil. Aliás, diga-se que o auge, quando tivemos o menor número de votos Nulos, Brancos e abstenções, foi em 2002, quando Lula se elegeu Presidente pela Primeira vez. Votos Nulos, Brancos e abstenções não são necessariamente sinal de alienação, mas de um inconsciente saber das massas. Em 1974 não votaram em nenhum dos candidatos, por que todos eram candidatos dos dois únicos partidos autorizados pela Ditadura Militar. Agora, em muitas cidades, como em Porto Alegre, é bem provável que o grande número de votos nulos, brancos e abstenções, que deverá ultrapassar os 50%, estará sinalizando algo parecido, afinal os dois candidatos são de partidos que representam o mesmo, já que juntos, em Brasília, impuseram um golpe anti democrático e que colocou os corruptos, sem mediadores, diretamente no poder  central. Ah, mas a massa não tem esta capacidade de elaboração, diriam alguns com ar de intelectual…Então tah. Vai vendo. Eu vi 1974,76,78 e vi o nascimento do PT, e tudo que aconteceu por que a esquerda em algum momento, naqueles tempos, se encontrou com o povo que votou nulo, em branco ou se absteve.

Se bem compreendido o recado das urnas, a esquerda se rejuvenescerá, até por que temos uma luta maior pela frente, que é a do fascismo que campeia solto nos campos da pátria e já faz presos políticos em alguns lugares, além de tentar destruir Lula, o PT e o legado de conquistas sociais que tivemos nos últimos anos.

2 pensamentos sobre “Quando o Voto nulo, branco ou abstenção são formas de expressão do eleitorado

  1. Pingback: Quando o Voto nulo, branco ou abstenção são formas de expressão do eleitorado | Luíz Müller Blog | BRASIL S.A

  2. Pingback: Votos Nulos, brancos e abstenções são ampla maioria em Porto Alegre e no Brasil, também no 2º turno | Luíz Müller Blog

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s