economia/política

Por que a Fiesp apoiou o Golpe de 2015? (Por Marco Aurélio Cabral Pinto)

Artigo mostra que a FIESP não agiu em defesa da indústria nacional e sim em benefício do capital trans nacional, rentistas  e de pequena parcela da burguesia patrimonialista. Os empresários sérios e produtivos que se lixem, junto com os milhões de trabalhadores que já perderam e os milhões que ainda perderão seus empregos.

Vai o Artigo de Marco Aurélio Cabral Pinto, originalmente publicado no Brasil Debate

As indústrias com receitas em dólares, principalmente, se endividaram excessivamente durante o ciclo do PT para viabilizar operações de tesouraria bem mais rentáveis que as suas próprias atividades. Com o golpe e a retomada das políticas neoliberais e do câmbio valorizado, elas poderão se recuperar das perdas financeiras

Para muitos observadores, parece paradoxal a atitude da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo diante dos eventos políticos que sacudiram a democracia brasileira. Ao apoiar o golpe e demais medidas ortodoxas na economia, a Fiesp pareceu corroborar para o fracasso da própria indústria no país.

Ou seja, medidas que limitem gastos públicos destroem a demanda efetiva que pode ser capturada pelas firmas não financeiras na forma de receitas adicionais. Quanto maior o gasto, maior o emprego. Maior o emprego, maior o faturamento das empresas. Maiores faturamentos, lucros mais elevados e, portanto, mais acelerado o processo de acumulação.

O objetivo do presente artigo é mostrar por que a Fiesp trabalha para diminuir o ritmo de acumulação de seus associados industriais. De onde vem o interesse no Golpe que, em última instância, persegue como objetivo implementar agenda econômica neoliberal?

A resposta vem do modo de operação do capitalismo no Brasil desde o início dos anos 1990. Bancos e firmas industriais aproveitam-se dos diferenciais criados entre a taxa de juros brasileira e as taxas de captação em dólares para aqueles com atuação internacional.

No caso das firmas industriais com receitas em dólares, principalmente, desde há muito se tornou inevitável o “endividamento excessivo” para se viabilizar operações de tesouraria bem mais rentáveis que as precárias operações industriais que justificam a existência das firmas! Ou seja, as receitas financeiras obtidas em fundos de investimento, em Reais, mais que compensaram a queda nas receitas com mercadorias. Na prática, as firmas industriais com acesso a linhas em dólares foram se tornando progressivamente firmas híbridas, nas quais a função industrial se tornou menos importante que a gestão das finanças de curto prazo.

Na Figura 1 é possível se perceber o quanto cresceu o endividamento de bancos e firmas não industriais durante todo o ciclo político do PT (2003-2015). O montante de empréstimos intercompany mostra subsidiárias brasileiras de firmas industriais estrangeiras se alavancando com vistas ao aproveitamento de operações financeiras de curto prazo. Trata-se de firmas com ramificações e holdings internacionais, o que as permite acesso a linhas externas baratas de médio prazo.

grafico endividamento externo

Fonte: Banco Central, elaboração própria

Com a desvalorização do Real perante o dólar observada entre meados de 2014 e meados de 2015, o endividamento externo de bancos e firmas industriais elevou-se substancialmente. Não por efeito de aceleração na entrada de recursos, mas pela simples “marcação a mercado”.

As perdas incorridas com esta “pedalada fiscal” por parte das grandes firmas estrangeiras passaram a se avolumar, levando a protestos da Fiesp contra o governo Dilma. Cumpria-se levar o Real novamente à condição de sobrevalor, ainda que isso prejudicasse ainda mais a função industrial nas firmas no país.

Ocorre que a burguesia industrial brasileira, reduzidíssima nestes últimos cerca de 25 anos, fica em boa parte de fora desta festa financeira. O motivo é que não possui acesso direto a recursos baratos em dólares, dependendo dos bancos para repasses nem sempre tão “atraentes”.

 

Se tomado como referência o câmbio em dezembro de 2005, marcando-se o início do período Dilma, bem como os fluxos para liquidação de compromissos, podem-se estimar perdas (ou ganhos) decorrentes de flutuações cambiais para firmas endividadas em dólares.

Na Figura 2 pode-se perceber qual o tamanho das perdas incorridas por transnacionais como resultado do processo de alavancagem financeira em conjuntura de desvalorização cambial. Fica bastante claro que a Fiesp, e não apenas os bancos, possuíam razões de sobra para a implementação de política econômica que levasse o dólar novamente a valorizar-se. Como, aliás, tem acontecido desde o desfecho do golpe.

grafico perdas flutuações cambiais

Fonte: Banco Central, elaboração própria

Desde dezembro de 2013 até a consumação do Golpe, quando o dólar voltou a se revalorizar, as perdas incorridas por bancos e transnacionais atingem cerca de 180 bilhões de Reais. Quantia mais que suficiente para justificar o enorme preço pago pela sociedade brasileira com o Golpe de 2015.

A estratégia do Governo para a atração de capital estrangeiro para o país tem como sustentáculo as elevadas taxas de juros, mas também inclui a entrada de recursos de longo prazo alocáveis em concessões públicas. A vantagem de aceleração do programa de concessões, bem como o fim do monopólio da Petrobras, reside em ancorar a valorização cambial em bases mais firmes, de maneira a diminuir a importância dos juros como estabilizador do câmbio.

Neste contexto, a própria Petrobras se beneficiou enormemente da valorização cambial e do fim dos ataques na imprensa à empresa desde implementado o golpe. A enorme dívida externa da petroleira foi reduzida em Reais e a perspectiva de ganhos bursáteis voltou ao coração da gananciosa elite entreguista brasileira.

Agora, esta estratégia só terá efeito em médio prazo se e somente houver garantias políticas, para o investidor estrangeiro, de que o neoliberalismo continuará hegemônico no país. Estas garantias políticas dificilmente poderão ser dadas se prevalecer a plena democracia no Brasil.

Ou seja, não se pode esperar que as eleições de 2018 venham a ocorrer em regime considerado democrático, prevalecendo-se a prisão e a perseguição de líderes que se oponham às políticas neoliberais.

Em síntese, o golpe teve forte componente de participação da Fiesp, que atuou em nome das firmas transnacionais no país para que o Governo implementasse políticas neoliberais que conduziram novamente à valorização do câmbio. A interrupção de perdas financeiras em firmas industriais e bancos mais do que compensou o custo incorrido com a disruptura política. Naturalmente, a soma só é positiva para um conjunto reduzido de interesses estrangeiros e patrimonialistas no país.

Marco Aurélio Cabral Pinto É professor da Escola de Engenharia da Universidade Federal Fluminense, mestre em administração de empresas pelo COPPEAD/UFRJ, doutor em economia pelo IE/UFRJ. Engenheiro no BNDES

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s