Lula/Rio Grande do Sul

Lula canta ‘Gaúcho de Passo Fundo’ e diz que termina caravana em Curitiba: ‘quem não deve não teme’

Depois de ser impedido de entrar em Passo Fundo, Lula falou para 15 mil pessoas em São Leopoldo | Foto: Ricardo Stuckert

Fernanda Canofre no SUL 21

No meio da fala pública que realizou na noite desta sexta-feira (23), diante de 15 mil pessoas no centro de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva puxou versos do cantor Teixeirinha. A música era Gaúcho de Passo Fundo. Ele arrematou: “…e trato todo mundo com o maior respeito”. “Não é assim? Era só isso que eu queria cantar lá hoje”.

A referência foi à movimentação de sindicatos rurais e políticos de direita da cidade da região norte do Estado que barraram a chegada da caravana petista. A primeira vez desde que Lula começou suas viagens pelo Brasil, no ano passado.Os problemas na região norte atrasaram os planos da viagem. Por questões de segurança, recomendação da própria Brigada Militar, o ato na cidade teve de ser cancelado. Lula disse não ter se surpreendido.

“Eu sou um cidadão bem informado. Eu tinha bastante conhecimento da situação do Rio Grande do Sul, sabia dos resultados eleitorais e venho acompanhando os discursos e comentários. Veja que eu resolvi fazer uma caravana não-eleitoral. Senão, eu teria escolhido as dez maiores cidades do Estado e fazer atos como esse. Escolhi a região menos habitada demograficamente”.

A decisão de concorrer à Presidência este ano, segundo ele, também estaria embalada em não aceitar “a raiva e o ódio” que estariam estabelecidos na sociedade brasileira. E que se conseguir se registrar como candidato, sem medo de ser ufanista, ganha no primeiro turno.

“Será que eles não aprendem a jogar o jogo democrático? Eles acham que são bons? Ora, disputem as eleições. Coloquem um monte de candidatos e elejam. É o [Michel] Temer (MDB)? Que seja o Temer, não tem problema. É o [Geraldo] Alckmin (PSDB)? É o Bolsonaro (PSL)? Não tem problema. Só não pode ser a Manuela [D’Ávila, PC do B] e o [Guilherme] Boulos (Psol) que nós vamos estar juntos em algum momento. Indiquem quem quiserem e vamos para a disputa”. 

Sem comentar o julgamento do habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) ou o acordo de adiar uma decisão a respeito dele até o dia 4 de abril, Lula ironizou sobre o fim da sua caravana na região Sul do país.

“Vou terminar minha caravana na Boca Maldita, no centro de Curitiba. Vou fazer isso porque aprendi desde pequeno: quem não deve não teme. Quem é honesto, não baixa a cabeça”. A capital paranaense é a origem dos processos da Lava Jato contra ele e onde boa parte dos políticos presos é mantida. Inclusive o ex-deputado e ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB). 

Na fala em São Leopoldo, uma das cidades gaúchas onde o PT conquistou prefeitura em 2016, com Ary Vannazi, Lula deu uma amostra de que pretende seguir o slogan do governo interrompido de Dilma Rousseff (PT), com foco na educação.

“Quero voltar a ser candidato para provar que é possível fazer mais educação, que é possível fazer mais saúde. Eles que se preparem porque eu vou federalizar o ensino médio nesse país. Se vai custar dinheiro, ótimo. Eu tenho dito todo dia que educação não é gasto, é investimento. Eles sabem que vamos voltar a gerar emprego”.

Dilma também se pronunciou em ato de São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21

Direita volver 

A manifestação no norte do Estado repercutiu nas falas de vários deputados e do senador Paulo Paim (PT). Para Dionísio Marcon (PT), deputado federal que vem do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), a luta de classes ficou evidente no episódio de Passo Fundo.

“Para mim, o agronegócio atrasado, raivoso, o bolsonarismo está se articulando no Estado. Isso mostra que a luta de classes está cada vez mais em evidência no Rio Grande do Sul e no Brasil. Aquilo que aconteceu em Passo Fundo, São Borja, Santa Maria, Palmeira das Missões e Bagé são os que financiaram suas máquinas com programas do governo Lula e Dilma, não pagaram e sabem que Lula vai fazer eles pagar”, disse ao Sul21.

Olívio Dutra, ex-governador do Estado e primeiro petista a governar no RS, que acompanhou Lula durante a semana, disse que “a caravana acendeu um rastilho de cidadania”. Ele voltou a defender a candidatura do ex-presidente, de quem foi ministro.

“Quem tem que decidir e povo, somos nós, com o voto direto. Esses que deram o golpe, que chamam pelo nome de impeachment, querem prosseguir e querem uma democracia mendiga. Eles têm medo do voto como o diabo tem da cruz”, disse ele sob aplausos. “Estão tentando tudo com vilania política, com descaracterizar o processo coletivo”.

Dilma defendeu que o golpe que terminou com seu governo foi dado para “destruir o PT e suas lideranças”. “PSDB golpista e PMDB golpista não têm voto nesse país. Criaram o monstro da extrema-direita. Monstro que, votando pelo meu impeachment, defendeu um torturador e a tortura. Crime inafiançável em qualquer lugar do mundo”, lembrou ela citando o voto de outro presidenciável, Jair Bolsonaro.

Na tentativa de inviabilizar uma candidatura de Lula, segundo ela, “inventaram o lawfare”. Manobras jurídicas para atacar alguém. “Não queremos privilégio, mas não aceitamos perseguição. Apartamento não é de Lula”, afirmou, se referindo ao processo que condenou o ex-presidente a 12 anos de prisão, em janeiro.

Aline com a mãe Carmen e seus dois diplomas | Foto: Fernanda Canofre/Sul21

Os canudos de diploma

A educação, aliás, foi a política mais lembrada no ato, pelas pessoas que foram ao ato “para agradecer” ao ex-presidente.

Um jovem, professor do Estado, filho de metalúrgico, contou que depois de estudar em um Cefet – atualmente os Institutos Federais, estabelecidos por Lula em seu segundo mandato – chegou em casa decidido a fazer uma faculdade. O pai pediu que ele não pensasse assim, que se preparasse para entrar no chão de fábrica. Nesta sexta, o rapaz entregou de presente para Lula o diploma, que conseguiu graças ao ProUni.

Outra professora da rede estadual, Aline Bernardes da Silva, foi ao ato com a mãe, que sempre militou no Partido dos Trabalhadores. Aline levou os dois canudos e um cartaz onde agradecia a chance a Lula. No caso dela, o Fies foi o que garantiu a chance de estudar numa instituição privada.

“Graças aos programas de democratização da educação que eu consegui meus dois diplomas. O que me traz aqui é esperança que a gente consiga fazer as pessoas enxergarem que precisamos parar de excluir. Precisamos incluir a todos. Todas as pessoas têm direitos”.

Veja mais fotos do ato no Vale dos Sinos:

Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21
Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21
Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21
Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21
Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21
Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21
Ato com Lula em São Leopoldo | Foto: Fernanda Canofre/Sul21

Um pensamento sobre “Lula canta ‘Gaúcho de Passo Fundo’ e diz que termina caravana em Curitiba: ‘quem não deve não teme’

  1. Pingback: Lula canta ‘Gaúcho de Passo Fundo’ e diz que termina caravana em Curitiba: ‘quem não deve não teme’ | Luíz Müller Blog | BRASIL S.A

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s