política

UM LONGO E TENEBROSO INVERNO EM NOSSAS VIDAS E NA SOCIEDADE (Por Selvino Heck)

frio_spEm 2018, o inverno gaúcho aconteceu nas ruas, nos campos, dentro e fora de casa. Ao contrário de anos anteriores, foi intenso: geadas, vento minuano cortante, chuva com
frio, nevoeiro que parecia chuva o dia inteiro, frio, frio, muito frio, dias, semanas inteiras sem um pingo de sol! Muito fogão a lenha para quem ainda o tem, um monte de cobertas para aquecer na noite e na madrugada, outro tanto de casacos, blusas, cuecões, meias e meiões, um chima/chimarrão quente e gostoso, pinhões na chapa do fogão a lenha, pipocas doces e/ou salgadas. Aí de quem não tem banho quente, dos que moram nas ruas ou em casebres. Feliz de quem ainda tem cabelos compridos cobrindo as orelhas e o pescoço, barba à la Marx para aquecer o rosto.
Em 2018, o inverno também acontece nas vidas e na realidade da sociedade, todos os
dias, o tempo todo, manhã, tarde, noite madrugada, sete dias da semana, 30/31 dias de cada mês. Desemprego galopante, pobreza e misérias crescentes nas ruas, o Brasil voltando ao Mapa da Fome de onde tinha saído em 2014 segundo a ONU, a população em situação de rua aumentando a olhos vistos a cada dia, o desencanto do povo de quase tudo, até da Copa e da seleção de futebol, a desesperança, o ódio do outro, a política e os políticos desprezados às vésperas de uma eleição que decide o futuro do pais como cachorros sarnentos e cheios de pulgas, O Sistema de Justiça apodrecido, a intolerância, a falta de respeito e diálogo com o diferente, a democracia fortemente ameaçada depois de um golpe que derrubou uma presidenta legitimamente eleita, as medidas anti-povo, a perda de direitos de trabalhadoras e trabalhadores, a corrupção varrendo
todos os ambientes, a começar pelos governamentais, a grande mídia dominando consciências e despejando detritos, mentiras e lixo sobre as cabeças e mentes, derretimento de um povo, de um país, de uma Nação.
Inverno tenebroso também no mundo em todos os sentidos, com as guerras, as crianças
sendo separadas de país e famílias por um governo norte-americano ultraconservador e um presidente sem amor pelo povo sofrido, as multidões vagando soltas e sendo despejadas em todos os lugares e qualquer lugar, apesar dos apelos do Papa Francisco, as notícias falsas , as famosas ‘fake news’ sendo despejadas nos ouvidos da massa como se fossem verdade, uma onda de conservadorismo, às vezes fascista/nazista, (quase) dominando governos, a sociedade e o mundo.
A conjuntura brasileira, latino-americana e mundial não está pra peixe.
Onde há um fogão a lenha para aquecer pés e mãos? Onde um raio de sol fugidio passa
por entre os dedos para esquentar o corpo e o coração? Onde uma lareira, ou uma fogueira, cheia de brasas incandescentes, brilha para aquecer a solidão e o silêncio dos que dormem nas calçadas, dos que não têm dinheiro para forrar o estômago de alegria e calor? Onde fios de esperança aquecem almas, sentimentos, comunidades?
Felizmente ainda há résteas de luz a iluminar a vida, o tempo, o futuro, mulheres e
homens de boa vontade e coração aberto. Não há apenas um frio e tenebroso inverno.

O Papa Francisco é um raio de luz, sol, calor e sentido da vida, da fé e da política, com sua encíclica Laudato Sì, e o pedido para que todas e todos, cristãs, cristãos, não cristãs e não cristãos engajem-se a favor da ecologia integral, para salvar o futuro da humanidade, e estejam do lado
dos migrantes, dos desprotegidos, dos pobres e das trabalhadoras e dos trabalhadores, unam-se em favor do bem comum e da Boa Nova.
As eleições no México e a vitória de Lopez Obrador, o novo presidente mexicano, dão um
novo alento para governos que propõem o diálogo, a democracia e a soberania do continente latino-americano ante o poder e a intolerância dos governos do Norte, especialmente o norte-americano, que quer construir um muro separando o México dos Estados Unidos, e separa pais e filhos como se fossem párias ou bandidos. Os ventos da integração, da democracia e do olhar para os pobres voltam a soprar na América Latina.
Aconteceu o Congresso do MOBREC, Movimento Brasileiro de Educadoras/es Cristãs/os,
realizado em Santa Maria no início de junho, com a presença de centenas de educadoras,
educadores, estudantes, refletindo sobre a ‘Educação Popular: Protagonismo dos Sujeitos na Construção do Conhecimento para o Exercício da Cidadania Ativa’, ouvindo experiências em escolas e comunidades, no exercício da sabedoria popular e da democracia na educação e na sociedade (Ver em http://www.mobrec.com.br).
Foi lançado em Porto Alegre no final de junho o M3D, Movimento Democracia, Diálogo e
Diversidade, reunindo amplos setores sociais, das comunidades de base, movimentos sociais às Universidades, para defender e construir, como diz em seu Manifesto, a “convivência democrática, o respeito à diversidade, os direitos fundamentais, a justiça social, o patrimônio público e a soberania nacional” (Ver em http://www.facebook.com/M3D; m3democracia@gmail.com) .
Aconteceu a vigésima quinta FEICOOP, Feira Internacional Jubilar do Cooperativismo,
dizendo que ‘um outro mundo é possível, uma outra economia acontece’, de 12 a 15 de julho em Santa Maria, a tornar o longo e tenebroso inverno em tempo calorento, cheio de claridade, tepidez solidária, aquecimento do corpo, da vida, da realidade, das fontes da sociedade. Com a FEICOOP, acontecem o Terceiro Fórum Mundial Temático de ECOSOL, a Terceira Feira Mundial de ECOSOL, os 10 anos de Comemoração do Fórum Mundial de Educação e a Décima Quarta Caminhada Mundial Ecumênica pela PAZ e Justiça Social (Ver em www.esperacacooesperanca.org.br – http://www.facebook.com/feicoop/ ). E com um tema absolutamente atual, que bem traduz as angústias e, ao mesmo tempo, as urgências dos tempos que vivemos: CONSTRUINDO A SOCIEDADE DO BEM VIVER: POR UMA ÉTICA PLANETÁRIA.
Uma sociedade do Bem Viver, à raiz da sabedoria indígena e dos ancestrais, traduzida para o século XXI, numa perspectiva de ética, de valores solidários, de cooperação entre pessoas, comunidades e povos, além de ser uma urgência e necessidade históricas, vai ajudar a superar o longo e tenebroso inverno e levar a um Reino de Paz, Justiça, Igualdade, Fraternidade, como a FEICOOP sempre não só pregou, mas praticou em suas 25 edições, abençoada por Dom Ivo Lorscheiter e hoje, certamente, com as bênçãos generosas do Papa Francisco.
Vai levar algum tempo até mudar a correlação de forças da conjuntura, especialmente em nível macroeconômico e macropolítico. Mas o longo e tenebroso inverno de 2018 não vai durar sempre. Logo, logo, virá o sol, brilhará a primavera, no Brasil, na América Latina, no mundo. Os dominantes não serão sempre dominantes. A voz do povo continuará a se levantar e será ouvida, assim como as inciativas de base, as organizações populares, a Economia Solidária alimentam e alimentarão as pessoas e a sociedade com seu frescor de vida e esperança.
PS. Este artigo, escrito a pedido da Irmã Lourdes Dill, animadora mór da FEICOOP, ficou pronto antes dos rumorosos acontecimentos do domingo 8 de julho, Habeas Corpus de libertação de Lula, primeiro concedido, depois negado, a confirmar o quadro do ‘longo e tenebroso inverno’ midiático, jurídico e político.

Selvino Heck

Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990)
Membro da Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política

Em doze de julho de dois mil e dezoito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s