mídia

Imprensa no curral: a 1ª manhã de Bolsonaro. E é Miriam Leitão quem diz

O dia mal começava e eu falava das ilusões da mídia com a suposta “conciliação” de Bolsonaro.

Nada disso.

Vai ser assim: no freio, para apertar o céu da boca das empresas, mas também no bridão, para apertar a língua dos jornalistas. Por enquanto, veremos se entrará também o relho.

Deixo, para não haver suspeitas de má vontade, que a musa do neoliberalismo, Miriam Leitão, conte como estão sendo tratados os jornalistas que foram cobrir a festa de posse na militarizadíssima Esplanada dos Ministérios:

Com o pretexto da segurança, o trabalho da
imprensa está sendo restringido na posse

Miriam Leitão, em seu blog em O Globo

A necessidade real de segurança do presidente eleito está sendo usada como pretexto para restringir o trabalho da imprensa. É claro que a segurança do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e dos chefes de Estado que estão entre nós exige a imposição de regras, mas o que está acontecendo com os jornalistas é impensável e inaceitável.

Eles só podem ir e voltar para um ponto específico e com o transporte do governo. Mas assim: têm que chegar oito ou nove horas antes da parte do evento que cobrirá, só poderá ficar num mesmo cercado, sob pena de ser retirado do local e responder processo. Exemplo, quem tem credencial para o Congresso teria que chegar às 7h para um evento que começa às 15h. Fica no seu setor e de lá não pode sair. Se tiver conseguido também a credencial para outro momento da posse não poderá ir. Terá que ficar no mesmo local, depois de tudo terminado no Congresso, esperando a hora que o governo quiser retirá-lo do local para levá-lo de volta ao ponto inicial.

Jornalistas precisam circular pelo local onde estão, falar com as diversas pessoas. É a chance de se aproximar dos novos ministros ou assessores, de fazer fontes ou de ouvir as notícias. Mas se ficam confinadas num local específico, como se fossem gado em um curral, não conseguem fazer seu trabalho.

Cubro posse desde o general João Figueiredo. Nunca houve nada tão restritivo. Naquela época, eu era uma jovem jornalista e tive acesso a vários pontos da cerimônia, circulei, fui convidada para o jantar de gala porque era responsável pela cobertura do Itamaraty. Lá pude falar com os novos ministros.

Durante a campanha e a transição os sinais de hostilidade à imprensa, ou pelo menos à parte da imprensa que não está disposta a simplesmente fazer a louvação dos novos poderosos, foram muitos. Este sinal de usar as regras de segurança para impor restrição física aos jornalistas e de exigir um desgaste fisico, de horas de espera além do razoável, é um perigoso precedente.

Calma, Miriam. Daqui a pouco mandam um novo texto pelo ponto eletrônico.

Um pensamento sobre “Imprensa no curral: a 1ª manhã de Bolsonaro. E é Miriam Leitão quem diz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s