Brasil

Prendem o chefe sindical dos empresários industriais pra escamotear o “laranjal” federal dos Bolsonaro?

Industrial tupiniquim é o único do mundo que prefere destruir a industria nacional e sua própria industria, só pra não deixar que o povo melhore suas condições de vida. Bancaram o Golpe contra Dilma. Abriram as portas do fascismo. Agora colhem o que plantaram. Mas quem vai pagar mesmo a conta são os trabalhadores, ainda iludidos pelo discurso da “corrupção” dos políticos, quando corrupto é o sistema capitalista. Bolsonaro esta enredado por Bebianno, Queiroz e quantos mais? Enquanto isto militares e juízes vão enquadrando a “elite” empresarial subserviente. A Ditadura Militar judicial esta em franca evolução no cenário nacional. E vão acabar culpando o PT.  (Comentário do Blogueiro)

 

Segue artigo de  Joaquim de Carvalho, publicado no Diário do Centro do Mundo

Muitos vão aplaudir as duas operações realizadas hoje pela Polícia Federal.

Mas é preciso cuidado:  há forte cheiro de cortina de fumaça no ar.

A uma das operações foi dado o nome de “Ad Infinitum”, a 60a. Fase da Lava Jato, e à outra, Fantoche.

Em uma, prendeu o operador do PSDB Paulo Preto e realizou buscas na casa do ex-chanceler Aloysio Nunes Ferreira.

Na Operação Fantoche, a PF prendeu o presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade.

As operações, divulgadas com estardalhaço, inaugura o modus operandi de Sergio Moro no Ministério da Justiça e são, por isso, suspeitas.

Como juiz, Moro tocou a Lava Jato como se fosse um relógio sincronizado ao tempo político.

Sempre que eram planejadas manifestações de rua contra a então presidente Dilma Rousseff, Moro autorizava operações bombásticas.

Desde 2014, na véspera de eleições, a Lava Jato sempre sai às ruas.

Desta vez, Moro não tem mais a caneta de magistrado, mas desfruta de um poder muito maior, como ministro que indicará os futuros membros das cortes superiores.

Com isso, tem muito mais influência e não é exagero imaginar que ele esteja por trás dessas operações que ocupam as manchetes dos principais veículos da velha imprensa.

No mínimo, como o ministro que deu suporte a elas através da Polícia Federal.

Não conheço ninguém que defenda a impunidade de corruptos, mas essas duas operações parecem truques para iludir a platéia.

São deflagradas no momento em que Jair Bolsonaro ocupa o lugar no centro de uma crise política e seu partido, o PSL, se revela um extenso laranjal.

Aloysio Nunes Ferreira e Paulo Preto são duas faces da mesma moeda, não se discute.

Um na seara política, de início ligado a José Serra, o outro no contato direto com empreiteiras.

Os dois lubrificando a engrenagem de desvio recursos públicos através de obras superfaturadas do governo do PSDB.

Por sua vez, o sistema S, que justifica a operação que levou o presidente da CNI à cadeia, é um pântano muito pouco conhecido e cheio de armadilhas.

É um canal que desvia recursos recolhidos pelo governo junto às empresas.

Em qualquer tempo, portanto, o Estado tem o dever de agir para colocar criminosos atrás das grades.

Mas, neste momento, em que Bolsonaro se empenha para que o Brasil mude de assunto, a operação parece não servir ao interesse público, mas o interesse político.

A Lava Jato, com seus métodos e seletividade, chegou ao centro do poder.

Enquanto isso, haverá gente torcendo para as laranjas apodrecerem, e a platéia esquecer de Fabrício Queiroz, Flávio Bolsonaro, Marcelo Álvaro Antônio, Gustavo Bebianno e Carlos Bolsonaro, entre outros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s