PREVIDÊNCIA

Começar a tramitar a PEC da Reforma da Previdência deste jeito, dará “quebra-pau”, diz Fernando Brito

 

Se, de fato, houver a tentativa de instalação da Comissão de Constituição e Justiça na quarta-feira, como anunciou Rodrigo Maia, haverá um “quebra-pau” na Câmara, com consequências imprevisíveis.

Não é o combinado, a menos que o governo apresente, em menos de 48 horas, o projeto que muda aposentadorias e pensões dos militares.

Não é uma exigência da esquerda, mas do “Centrão” e não  parece que será cumprida.

E, desde a entrevista de Paulo Guedes, ontem, ao Estadão, colocou-se mais uma peça no tabuleiro: a desvinculação do Orçamento.

Com qualquer governo, parlamentares não costumam fazer negócio sem garantias.

Ainda mais que o presidente divulga textos dúbios e enganosos no Twitter:

“A Nova Previdência define a aposentadoria de políticos nos padrões do INSS, inclui militares e servidores, é mais justa, igualitária e preserva os direitos do trabalhador”

Os bobos podem acreditar na insinuação de que os militares, tal como servidores e políticos, terão o “padrão INSS”, ou seja R$ 5.800 de aposentadoria, o que é mentira.

Só que os deputados não são bobos, são deputados.

Agrava-se tudo ainda mais pela escolha de um novato e imaturo – como você chamaria um rechonchudo guri que aparece na TV usando camiseta “Trump 2020”? – para presidir a Comissão de Constituição e Justiça, a primeira a examinar a PEC da Previdência.

Não é preciso ser bidú para saber que coisas assim não dão certo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s