Vergonha

Além do vergonhoso entreguismo, mentiras e falsidades são tônica na visita de Bolsonaro aos EUA

Entrega da Base de Alcântara, liberação da entrada de americanos sem visto no Brasil, compra de trigo americano sem taxas em detrimento do trigo argentino, ofensas a migrantes brasileiros e postura de realeza familiar, ao excluir até seu próprio chanceler para dar prioridade ao Filho na reunião com o Presidente de outra nação e…um monte de mentiras e falsidades captadas pelo AOS FATOS, que reproduzoi a seguir:

Por Ana Rita Cunha, Luiz Fernando Menezes e Luiza Bodenmüller no AOS FATOS


O presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista à emissora Fox News e discursou na Câmara de Comércio dos Estados Unidos no segundo dia de sua visita oficial aos EUA, nesta segunda-feira (18). Nas duas ocasiões, ele proferiu declarações que não correspondem aos fatos e dados disponíveis sobre imigração e sobre a relação dos governos brasileiros anteriores com o país anfitrião. O capitão reformado também caiu em contradição ao refutar críticas de que é homofóbico, xenófobo e racista.

Checamos, abaixo, algumas das declarações do presidente. As verificações estão compiladas também nesta base de dados.


FALSO

A maioria dos imigrantes não tem boas intenções nem quer fazer o bem ao povo americano.

Nesta declaração à Fox News, Bolsonaro repete um posicionamento do presidente americano Donald Trump, que já classificou diversas vezes a imigração como um problema nacional ou até como uma crise humanitária, relacionando os imigrantes com a violência e o tráfico de drogas. Essa relação, no entanto, não é comprovada cientificamente. Na verdade, diversos estudos contrariam a tese dos presidentes.

O mais recente, publicado na Criminology em março de 2018, analisou dados de imigração irregular e de criminalidade, além de informações demográficas e socioeconômicas dos 50 estados americanos e da capital Washington entre 1990 e 2014. Os resultados apontaram que a imigração indocumentada não aumenta a violência.

Os mesmos pesquisadores também se debruçaram sobre os dados de quatro tipos de crimes não violentos: prisões por uso de drogas, mortes por overdose, prisões por dirigir sob efeito de drogas e mortes por dirigir sob efeito de drogas. A pesquisa concluiu que o aumento da imigração irregular também não está vinculada à evolução desses crimes.

Realizada por diversas universidades americanas, uma pesquisa publicada no Journal of Ethnicity in Criminal Justice em 2015 comparou 200 regiões metropolitanas dos EUA nas últimas décadas e constatou que a grande maioria delas têm mais imigrantes e menos crimes violentos hoje do que na década de 1980.

Um outro levantamento publicado na revista britânica Migration Lettersmostra, inclusive, que imigrantes de 13 a 17 anos se envolvem menos em crimes do que jovens nascidos nos EUA. A pesquisa utilizou como amostra os estados Pensilvânia, Louisiana e Carolina do Sul.

Já em relação à empregabilidade, também existem estudos que mostram, por exemplo, que os imigrantes são mais suscetíveis a aceitar jornadas maiores de trabalho. Além disso, estima-se que eles ocupem 5% da força de trabalho americana, trabalhando, principalmente, no setor rural, nas empresas de construção e empregos de limpeza.

OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em 2014, publicou um documento que evidencia o impacto dos imigrantes na economia em três grandes áreas: mercado de trabalho, gastos públicos e crescimento econômico. Segundo o estudo, nos EUA, os imigrantes foram responsáveis por um crescimento de 47% na força de trabalho entre 2004 a 2014, além de contribuírem mais do que recebem em benefícios e aumentarem a população em idade ativa no país.


Em entrevista após encontro com Donald Trump nesta terça-feira, Bolsonaro recuou, disse ter se equivocado com a afirmação e pediu desculpas: “uma boa parte tem boas intenções, a menor parte não. Houve um equívoco da minha parte, peço desculpas. Agora tem muita gente que está de forma ilegal aqui e isso uma questão de política interna deles, não é nossa. Então, gostaria que no Brasil só tivesse estrangeiro legalizado, não de forma ilegal como existe muita gente no Brasil. Me desculpe mais uma vez o equívoco, o ato falho que cometi no dia de ontem”, relatou o jornal O Globo.


FALSO

Vejam a experiência da França, cujas fronteiras foram abertas para receber refugiados sem nenhum tipo de seleção ou de filtro.

Ao contrário do que afirma Bolsonaro, a França tem uma rígida política de imigração e, ao longo da crise migratória de 2016, usou a força policial para desmontar acampamentos de imigrantes. De acordo com o Immigration Policies in Comparison, que analisa as políticas migratórias dos países para avaliar seu grau de restrição, a França tem 0,7 numa escala que varia de 0 (menos restritivo) a 1 (mais restritivo). O estudo, no entanto, não leva em conta a nova lei de migração francesa, aprovada em setembro de 2018, que amplia o controle sobre o fluxo de estrangeiros.

A lei, que passou a valer a partir de janeiro deste ano, estabelece critérios mais rigorosos para a concessão de asilo e restrições em relação à imigração irregular. Ela, por exemplo, reduziu de 11 para seis meses o tempo de avaliação de pedidos de asilo e também diminuiu de 120 para 90 dias o prazo para requerer asilo. A nova legislação permite ainda a prisão para fins de expulsão: um imigrante que teve asilo negado pode ficar até 90 dias preso antes de ser expulso da França.

Durante o auge da crise migratória na Europa, a França viu nascer um acampamento improvisado em Calais. Lá, milhares de imigrantes indocumentados aguardavam uma chance de atravessar o Canal da Mancha em direção ao Reino Unido. As condições de vida eram precárias e o acampamento, que ficou conhecido como “Selva”, foi desmantelado em 2016, após sucessivos episódios de violência entre a imigrantes e as forças policiais.

Dados da OIM (Organização Internacional de Migração), apontam que cerca de 7,9 milhões de imigrantes vivem hoje na França, o que corresponde a pouco mais de 11% da população do país. Desses, cerca de 370 mil são refugiados. Para se ter uma ideia, no Brasil, a população proporcional de estrangeiros que vivem no país é de menos de 1%.


FALSO

… governos [Lula e Dilma] que, antes de tudo, eram antiamericanos.

Não há registros públicos de que os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, tenham demonstrado qualquer comportamento que possa ser enquadrado como antiamericano enquanto estiveram no poder. Assim, a declaração de Bolsonaro em discurso na Câmara de Comércio Brasil-EUA, foi classificada como FALSA.

Departamento de Estado dos EUA mantém a documentação sobre os motivos e o número de visitas de chefes de Estado ao país. Lula fez oito visitas oficiais aos EUA enquanto exercia a presidência, em 2002, 2003, 2006, 2007, 2008, 2009 (duas vezes) e 2010. Já Dilma Rousseff esteve nos EUA em três ocasiões, em 2011, 2012 e 2015. Durante o governo Temer, o Brasil também recebeu a visita de representantes do governo estadunidense: Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos, e James Mattis, ex-secretário de Defesa, estiveram no país em 2018, conforme registros do Itamaraty.

No caso de Dilma, as relações com o governo americano ficaram estremecidas em 2015, quando o o ex-contratado do governo americano Edward Snowden divulgou documentos sigilosos da Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA, na sigla em inglês) que mostravam que a ex-presidente foi alvo de espionagem, com outros 29 integrantes do governo brasileiro. Em 2013, Dilma já havia usado seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU para criticar duramente os casos de espionagem: “imiscuir-se dessa forma na vida dos outros países fere o direito internacional e afronta os princípios que devem reger as relações entre eles, sobretudo, entre nações amigas”. Naquele ano, Dilma reagiu ao cancelar uma visita oficial que faria aos EUA. O gesto, no entanto, não pode ser considerado como antiamericano.

Em relação ao comércio entre os dois países, as exportações brasileiras para os EUA cresceram de US$ 16 bilhões em 2003, para US$ 28 bilhões em 2018.

As importações também se avolumaram nesse período, passando de US$ 9 bilhões em 2003 para US$ 28 bilhões em 2018. Os dados são do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços.


FALSO

Nesse meio tempo, a mídia, ninguém disse, a esquerda tentou matar Bolsonaro. Muito pelo contrário, a mídia divulgou que parte da esquerda estava frustrada que eu não tinha morrido.

Um inquérito da Polícia Federal, encerrado em setembro de 2018, concluiu que Adélio Bispo agiu sozinho ao desferir uma facada em Jair Bolsonaro. Há outro inquérito em andamento para investigar a possibilidade do agressor ter recebido ajuda para planejar o crime. Apesar de Adélio ter sido filiado ao PSOL por cerca de sete anos, não há indícios de que o partido ou qualquer outro segmento de esquerda esteja envolvido com o planejamento e execução do crime. A filiação e a falta de comprovação sobre um suposto elo de ligação entre o partido e a autoria do crime foram amplamente divulgados pela imprensa. O episódio também estimulou mensagens de solidariedade a Bolsonaro de políticos de esquerda.

Desde o primeiro depoimento, Adélio declara que agiu sozinho, movido por motivos pessoais e “a mando de Deus”. Laudos emitidos por psicólogos e psiquiatras a pedido da defesa e da Justiça Federal comprovam que Adélio sofre de transtornos mentais. A Justiça Federal ainda não decidiu se o agressor é inimputável. Enquanto isso, Adélio está preso em um presídio federal em Campo Grande, onde aguarda a sentença.

Em relação à “frustração” da esquerda, à época, lideranças da esquerda se solidarizaram a Bolsonaro. Marcelo Freixo, eleito deputado federal pelo PSOL-RJ, postou um vídeo de apoio. Guilherme Boulos, candidato à presidência pelo PSOL nas últimas eleições, suspendeu as atividades de campanha no dia seguinte ao ataque. A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também lamentou o episódio. Apesar de os principais representantes da esquerda demonstrarem repúdio ao ataque, é possível encontrar posts e publicações nas redes sociais de militantes e partidários da esquerda e de outros espectros políticos contrários a Bolsonaro que comemoraram o atentado contra o presidente.


CONTRADITÓRIO

Eu não tenho nada contra homossexuais ou mulheres, eu não sou xenófobo.

A declaração é CONTRADITÓRIA porque Bolsonaro já proferiu falas homofóbicas, machistas e xenofóbicas em outros momentos. Em 2011, ele foi condenado a pagar indenização por danos morais coletivos em razão de falas homofóbicas. Em entrevistas, o presidente já defendeu que mulheres deveriam receber salários menores. E, em 2015, Bolsonaro chamou imigrantes de “escória do mundo” durante uma entrevista.

Na própria entrevista à Fox News, o presidente se contradisse ao proferir declarações xenofóbicas e homofóbicas, como quando afirmou que “a maioria do imigrantes não têm boas intenções”, que pessoas podem ter relações homossexuais, mas “nós não podemos permitir trazer essa discussão para a sala de aula” e que “a definição de família é apenas a existente na Bíblia”.

Homofobia. Bolsonaro já afirmou, em 2013, em entrevista ao canal do YouTube TWTV que preferia um “filho viciado a um filho gay” e, em 2014, em entrevista ao El País, que a maioria dos gays foram influenciados por “amizade e consumo de drogas” e “apenas uma minoria nasce com defeito de fábrica”.

O presidente também já foi condenado por declarações homofóbicas. Em março de 2011, o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) condenou Bolsonaro a pagar R$ 150 mil, em razão de danos morais coletivos por declarações consideradas homofóbicas em sua participação no Programa CQC, da TV Bandeirantes. A ação pública foi movida pelo grupo Grupo Diversidade Niterói, Grupo Cabo Free de Conscientização Homossexual e Combate à Homofobia e Grupo Arco-Íris de Conscientização.

No programa, quando questionado “o que faria se tivesse um filho gay?”, Bolsonaro respondeu: “Isso nem passa pela minha cabeça, porque tiveram uma boa educação. Eu fui um pai presente, então não corro esse risco”. Em outro momento do programa, ele é perguntado se estaria presente caso fosse convidado para uma Parada LGBT: “eu não iria porque eu não participo de promover os maus costumes, até porque acredito em Deus, tenho uma família, e a família tem que ser preservada a qualquer custo, senão a nação simplesmente ruinará”.

Mulheres. Em duas entrevistas, Bolsonaro defendeu que é justificável que mulheres ganhem menos, como já mostrado por Aos Fatos.

Em entrevista ao jornal Zero Hora, em fevereiro de 2014, ele disse ser justificável a desigualdade de remuneração entre homens e mulheres, por considerar que uma mulher jovem poderia engravidar.

Em 2016, em entrevista à apresentadora Luciana Gimenez no programa SuperPop, da RedeTV!, Bolsonaro foi indagado a respeito das declarações ao jornal gaúcho. Questionado pela apresentadora se ele achava certo ou errado a diferença salarial entre homens e mulheres, o parlamentar respondeu: “Eu não empregaria com o mesmo salário. Mas tem muita mulher que é competente”.

Xenofobia. Em entrevista ao jornal goiano Opção em setembro de 2015, Bolsonaro afirmou que uma possível redução do efetivo das Forças Armadas representaria “menos gente na rua para fazer frente aos marginais do MST, que são engordados agora por senegaleses, haitianos, iranianos, bolivianos e tudo que é escória do mundo, né? E agora tá (sic) chegando os sírios também aqui”.

Em vídeo publicado para rebater as críticas à entrevista, Bolsonaro disse que referia-se ao fato da então presidente Dilma Rousseff (PT) estar usando “essa questão terrorista, política, do norte da África, para importar, junto com pessoas de bem, a escória do mundo, os integrantes do Estado Islâmico”. Porém, nenhum dos citados na entrevista ao jornal goiano era de países do norte da África: Haiti fica na América Central, Bolívia, na América do Sul, Senegal, na África Ocidental, e Irã e Síria no Oriente Médio.


CONTRADITÓRIO

Eu não posso ter nada contra pessoas negras, meu sogro é conhecido como Paulo Negão.

Na campanha, Bolsonaro repetia com frequência que o seu sogro, Vicente de Paulo Reinaldo, tem o apelido de Paulo Negão, e, portanto, ele não poderia ser acusado de racismo. A relação familiar não impediu Bolsonaro de comparar negros quilombolas a gado, em palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, em abril de 2017. Ainda deputado federal, mas já apontado como possível candidato à Presidência, Bolsonaro afirmou que, ao visitar um quilombo, “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”, usando a medida de peso usada para animais. Ele ainda continuou a comparação afirmando que os quilombolas “não fazem nada”, “nem para procriador eles servem mais”.

Ainda em 2017, Bolsonaro foi condenado pela 26ª Vara Federal do Rio de Janeiro a pagar indenização de R$ 50 mil. Em setembro de 2018, no entanto, a primeira turma do STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitou por 3×2 tornar o deputado réu da acusação de racismo.

Ainda entre as declarações racistas, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, em julho de 2018, Bolsonaro criticou as cotas raciais e afirmou que os próprios negros eram culpados pela escravidão, que os “portugueses nem pisavam na África” e, portanto, não haveria dívida da sociedade por conta do regime escravista que ficou vigente no Brasil por três séculos. Aos Fatos desmentiu a informação na época.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s