Uncategorized

Fake News e o jornalismo da grande imprensa (Por Christa Berger)

O noticiário da grande imprensa preparou o terreno para as notícias falsas das redes sociais

NO Brasil de Fato RS

Christa Berger, é jornalista e professora aposentada da Fabio/UFRGS

Informações fabricadas só influenciam pessoas que tem preconceito sobre determinados temas - Créditos: Divulgação
Informações fabricadas só influenciam pessoas que tem preconceito sobre determinados temas / Divulgação

Esse texto é a intervenção que fiz no evento Fake news, eleições e democracia, no dia 21 de outubro, que reuniu as principais organizações que lutam, historicamente, pela democratização da mídia e, mais uma vez, se fazem imprescindíveis na elaboração do pensamento propositivo para a luta. 

Penso que somos todos, de certo modo, devedores do trabalho que o FNDC realiza desde os anos 1990 quando formulou o que se transformou numa palavra de ordem dos movimentos sociais – de que não há democracia sem a democratização dos meios de comunicação. Penso no Daniel Herz e na falta que faz sua energia mobilizadora para pensar as questões que se anunciavam lá atrás. Hoje, sabemos das consequências de não termos avançado em políticas públicas de comunicação.

O tema da mesa, que está circunscrito na conjuntura recente das eleições, nos remete ao passado, mas, também, empurra pra dentro do cenário atual, que resulta da combinação desastrosa entre notícias falsas e eleições e nossa reação já não é mais só de perplexidade e espanto com o Brasil de Bolsonaro, mas de derrota, medo, apreensão e de chamamento à resistir com urgência e eficiência.    

Mais uma vez, portanto, temos razão de sobra para seguir juntos na luta e, aqui, neste ambiente em que a Universidade acolhe os movimentos que resistem, a luta se faz na reflexão coletiva.

Penso que nós, jornalistas e professores de jornalismo, deveríamos problematizar a expressão fake news, pois nós sabemos que a notícia provem de um fato, um acontecimento que passou pelos critérios de noticiabilidade para ser considerada uma notícia e, assim, ser publicada. É recente o uso da expressão e o sentido que lhe é dado indica que fake news é notícia falsa, são informações fabricadas que não correspondem a um acontecimento e que são produzidas intencionalmente com o objetivo de desmerecer ou atingir alguém numa relação de disputa e que a circulação tem grande alcance porque se dá através das redes sociais. O objetivo é caluniar, injuriar, denegrir. Esse fenômeno, na verdade, deveria ser considerado externo ao jornalismo, e não estar associado a ele, porque 1. não corresponde ao sentido de notícia, 2.  não é realizado por profissionais nas condições de produção jornalística e, 3. não tem compromisso com o que justifica o jornalismo que é a defesa da democracia. Fake News é a tecnologia à serviço da política denegrida.

Deixando de lado o preciosismo conceitual e partindo do suposto de que foram estas “notícias falsas” que contribuíram para eleger o presidente que nos desgraça e envergonha, a pergunta que orienta minha intervenção, é: como explicar que tantas pessoas no Brasil acreditaram nas fake news? Como justificar que esse tipo de informação tenha tido tamanha adesão a ponto de eleger para presidente um fascista, tosco, machista, misógino, ignorante, incivilizado? Se as pessoas vinham sendo informadas pelo jornalismo como foi que se deu o deslocamento informativo de credibilidade para às fake news?

O fato de não ter como vocação produzir noticia falsa intencionalmente, não significa, por outro lado, dizer que o jornalismo não tenha lado, que não enquadre o acontecimento desde um ponto de vista ou, até que elimine do noticiário um fato que desagrade seus interesses comerciais ou políticos. Nossa história está repleta de exemplos de mau jornalismo. 

É por aí que eu penso encaminhar uma resposta à pergunta sobre de onde vem, de onde saiu o imaginário que adotou às fake news como verdade, tornou as pessoas entusiasmadas, aderindo ao NOVO identificado com Bolsonaro a ponto de torná-lo o presidente do Brasil.

O noticiário da grande imprensa preparou o terreno para as notícias falsas das redes sociais, fazendo o trabalho sujo de suprimir o que foi a ditadura militar, de boicotar a Comissão da Verdade reivindicando anistia para os dois lados, de despolitizar o discurso político, criminalizar os movimentos sociais, heroicizar promotores e juiz da Lava Jato e associar corrupção ao PT. O resumo pode ser: todos os partidos e os políticos são iguais, por isso é preciso investir no NOVO. A palavra novo foi usada para contrapor ao existente sem nenhum questionamento. A ponto de associar o novo na politica com o projeto do Bolsonaro e até um partido politico receber o nome de NOVO.

Uma segunda causa que se liga a produção de noticiais e que acho que demos pouca importância, tanto na Universidade como na esquerda, e que deriva da ausência de políticas de concessão paras emissoras de rádio e TV, é que as emissoras de TV foram ocupadas por igrejas pentecostais e neopentecostais. E toda a programação destas emissoras deseduca para a constituição de um sujeito pensante.

Suzy Santos, professora da UFRJ, pesquisa a relação promiscua entre comunicação, politica e religião. Um primeiro resultado está publicado no livro Sempre foi pela Família. Ali estão listados os deputados que tem ligação direta com empresas de rádio e tv, como proprietários, sócios ou apresentadores. Na legislatura passada dos 513 deputados federais 168 entravam nesta categoria. E a pesquisa também elencou os programas cujos apresentadores se elegem como deputados, prefeitos, e até se candidatam à presidência. São programas do gênero policial, religioso e de defesa do consumidor. É só lembrar de Celso Russomano, João Dória, Crivella e da possível candidatura de Luciano Huck. Podemos acrescentar ao papel das fake news no resultado da eleição, como anterioridade recente, o papel do jornalismo no golpe contra a presidenta Dilma e na mídia o papel das igrejas pentecostais. A combinação política, mídia e religião, são exemplarmente demonstradas pela Globo e Record que foram fundamentais na orientação politica que interrompeu o governo de Dilma Rousseff e elegeu Jair Bolsonaro.

No caso da Record fica evidente seu oportunismo. Vale lembrar que pertence a  Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), e é vinculada ao PRB (Partido Republicano Brasileiro), foi base do governo petista na Câmara e no Senado, comandou duas pastas, mas quando estava em curso o processo de impeachment da presidenta Dilma, esta telefonou ao bispo Edir Macedo com o propósito de obter apoio do PRB, e ele respondeu: “Dilma, vou orar por você e pelo país”. E todos os parlamentares votaram a favor do impeachment em nome de deus e de suas famílias. O partido abandonou os cargos às vésperas da abertura do processo e retornou ao governo federal no primeiro dia do golpe em cargos de segundo escalão. Na biografia do bispo Edir Macedo está contado sobre as facilidades que a Record recebeu dos governos do PT com a intenção de reduzir a hegemonia da Globo. Mais uma vez fica claro o que acontece quando não se têm políticas públicas de comunicação a orientar a relação dos governos com a mídia.

Junto com as emissoras de TV as revistas semanais foram decisivas para a criação do cenário anti PT, a desmoralização da política e a aposta no Novo na política. Por que as revistas são pouco lidas, mas visíveis as capas, elas são cuidadosamente pensadas. Os exemplos são muitos, mas aqui não dá para aprofundar.

Vou me deter, por fim, na supressão de notícias para entender os preparativos à aceitação das fake news. Pois deixar de dizer pode ser tão problemático como dizer em excesso.   

O voto do deputado Jair Bolsonaro para o impeachment de Dilma na câmara dos deputados, foi assim: “Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de todos, o meu voto é sim.”

Naquele momento, Bolsonaro cometia o crime de apologia à tortura e ao torturador, violando o artigo 287 do código penal, que é fazer publicamente apologia de fato criminoso ou de autor de crime. Pena: detenção de três a seis meses ou multa. Bolsonaro consumava ali a ligação entre dois acontecimentos nefastos a marcar a história do país: o golpe militar de 64 e o golpe de 2016, saltando sobre o período democrático. O dia seguinte decidiria o futuro do Brasil. Se a lei fosse cumprida e Bolsonaro denunciado, julgado e preso conforme o código penal, as instituições teriam mostrado que eram capazes não só de fazer valer a lei, mas também capazes de proteger a democracia e os princípios democráticos. Jean Wyllys cuspiu na cara do deputado.

Para a imprensa o voto do Bolsonaro não foi além de um voto equivocado, fora de lugar e a cuspida do Jean Wylys é que foi indecorosa. Os comentaristas da Globo News estavam indignados com a falta de educação do deputado do PSOL.

À ausência de rigor no trato ao voto de Bolsonaro mostra a convivência da grande imprensa com a ditadura, a tortura, a posição contrária aos movimentos sociais,  e esta falta de rigor e compromisso com a democracia autorizaram as notícias falsas do kit gay, da mamadeira de piroca, que Adélio Bispo era filiado ao PT e as tantas bobagens que circularam e, dizem os estudiosos, garantiram a escolha de Bolsonaro.

Informações fabricadas só influenciam pessoas que tem preconceito sobre determinados temas e foram as pautas comportamentais que mais atingiram a população. Penso que pra além de tudo que significa o afundamento político e econômico que a NOVA política nos presenteia, há um desencanto de nos sabermos tão ignorantes e atrasados. Tão preconceituosos a ponto de aceitar que é melhor ter um filho morto que um filho gay.

Minha intenção foi olhar a relação fake news, eleição e democracia num tempo estendido pois há uma continuidade entre a escolha dos acontecimentos a serem noticiados e a supressão de informações da grande imprensa e o fenômeno das notícias falsas que definiu nosso presente inglório.

Aqui, neste ambiente que reúne o pensamento crítico valeria insistir, e eu até pensei que deveria fazer, pelo menos, a observação sobre uma continuidade do campo político da esquerda. Ela vem da imprensa alternativa que enfrentou a ditadura militar ao conjunto imenso de publicações que também circulam através da internet e que produzem um discurso político contra hegemônico onde reside a esperança, a resistência, o trabalho que nos cabe realizar. E ele não é de pouca valia.

Por que é neste espaço contra hegemônico que se dá o trabalho de entender que o novo de Bolsonaro é o que há de mais velho – resolver com violência as disputas políticas, promover o ódio e abocanhar os bens que deveriam ser de todos, aprofundando a desigualdade social que apenas começava a ser corrigida nos governos petistas. Novo, na verdade, é o que a Marielle representava – mulher, negra, lésbica, pobre, ativista dos direitos humanos – por isso, ela precisava ser eliminada para que o novo não contaminasse a politica velha que Bolsonaro e os seus apregoa nas fake news e implanta através de seus projetos e suas leis.

O esclarecimento do assassinato de Marielle deve constar da pauta política e jornalística diária porque o apagamento ou o esclarecimento desta morte revela para onde nós vamos como brasileiros. As milícias reais e digitais estão conectadas e escancaram o Brasil que nos cabe enfrentar.   

Edição: Katia Marko

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s