Uncategorized

Centrais sindicais, partidos e movimentos sociais articulam oposição unitária

Em encontro, foram anunciadas propostas e articulação agenda comum de mobilização contra a política econômica do governo

Marcos Hermanson* NO Brasil de Fato

Representantes de centrais sindicais, partidos políticos e movimentos populares participaram do Encontro Emprego e Desenvolvimento - Créditos: Foto: Marcos Hermanson/Brasil de Fato
Representantes de centrais sindicais, partidos políticos e movimentos populares participaram do Encontro Emprego e Desenvolvimento / Foto: Marcos Hermanson/Brasil de Fato

Partidos políticos de oposição, movimentos populares e centrais sindicais apresentaram nesta segunda-feira (18) propostas para a geração de empregos e redução das desigualdades, em contraposição às políticas econômicas e sociais do governo de Jair Bolsonaro (PSL). O Encontro Emprego e Desenvolvimento, realizado no Sindicato dos Químicos de São Paulo, também marca o início da articulação por uma Jornada Nacional de Mobilização e Luta unitária.

Os partidos PT, PSB, PCdoB, PDT, PSOL e Rede apresentaram o Plano Emergencial de Emprego e Renda, com 15 propostas. Dentre elas, a reativação do programa Minha Casa Minha Vida, o aumento real do salário mínimo, a expansão do Bolsa Família e a disponibilização de R$ 20 bilhões em créditos para o cooperativismo e a agricultura familiar.

Os sindicalistas destacaram a importância da presença do Estado em momentos de crise, como observou Adriana Marcolino, técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que fez a apresentação pelas centrais sindicais. Do mesmo modo, o presidente da CUT, Sérgio Nobre, afirmou que, se o Brasil não quiser viver “o mesmo drama” do Chile, que há um mês enfrenta protestos, terá “que derrotar o programa de Bolsonaro e Paulo Guedes”.

Entre os pontos defendidos pelas centrais, estão a retomada de obras públicas paralisadas; a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais; a promoção de direitos a trabalhadores de aplicativos; e o controle dos preços de produtos da cesta básica, gás de cozinha e das passagens do transporte público. O documento foi elaborado pela CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical, Intersindical Instrumento de Luta, CSP-Conlutas, CGTB.

Com ênfase na unidade, as falas foram no sentido de construir “uma agenda unitária e, acima de tudo, animar o povo para fazer lutas e resistir contra essa retirada de direitos da classe trabalhadora”, como afirmou João Paulo Rodrigues, representante da Frente Brasil Popular e dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Também presente na atividade, a deputada federal e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, falou sobre a importância da articulação de todos os setores e sobre as dificuldades de construir uma agenda progressista em um Congresso de maioria conservadora. Para ela, “o governo tem uma pauta de emergência fiscal: cortar o orçamento e abaixar a dívida. E nós temos uma pauta de emergência social: dar emprego e renda, aumentar o valor do salário mínimo”.

A partir desta terça-feira (19), as entidades prosseguem com debates para a construção de uma Jornada Nacional de Lutas da Classe Trabalhadora.

*Com informações da Rede Brasil Atual.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s