Educação/SAÚDE/Vacina

Com retorno as aulas, Vírus também volta a contaminar mais e muitos municípios do RS já voltam a fechar escolas

“Escolas Fechadas. Vidas Preservadas” disseram o CPERS e entidades representativas dos trabalhadores da Educação. Mas Eduardo Leite resolveu abrir as escolas, mesmo sem garantir a Vacina para Professores e nem as condições sanitárias adequadas nas Escolas.

Bolsonaro empurrou a responsabilidade para os governadores. Eduardo Leite, Governador do RS bateu continência pro capitão. Mandou Reabrir as escolas e liberou o vírus para circular nas Escolas que não tem nem equipamento nem equipes sanitárias adequadas e pior, se recusou a vacinar os Professores, que tem que encarar o Vírus de frente.

Mais gente circulando na cidade para levar os filhos pra escola, aglomeração de pais e alunos na entrada e na saída da Escola, sem falar nas potenciais aglomerações dentro da Sala de Aula, já que uma Professora não vacinada não é nenhuma enfermeira ou profissional da área sanitária. O vírus volta a circular e contaminar. Foi assim em todos os lugares. Por que os governantes não tiraram a lição de onde já aconteceu?

E imagina a balburdia na Educação: Num município as escolas abertas, tiveram sorte, não pegou Vírus, na cidade do lado, o vírus pegou, escolas fechadas…Mas o Sistema de Educação é um só.

Se um destes alunos tiver que mudar de cidade e de Escola, com a disparidade de formação numa e outra, como fará?

Segue artigo da Zero Hora narrando o óbvio:

Pelo menos 16 cidades gaúchas registram suspensão de aulas presenciais

De acordo com levantamento feito por GZH, G1 RS e pela RBS TV, os motivos são casos de covid-19 em escolas e aumento de internações e contaminações

Pelo menos 16 cidades do Rio Grande do Sul suspenderam as aulas presenciais total ou parcialmente após aumento de casos e internações por coronavírus em suas regiões ou por casos registrados em escolas. Nos Campos de Cima da Serra, a associação que representa os 10 municípios da região decidiu pela suspensão a partir de quarta-feira (19). Segundo o presidente da Associação dos Municípios dos Campos de Cima da Serra e prefeito de São José dos Ausentes, Ernesto Valim Boeira, a decisão foi tomada para evitar o agravamento da pandemia na região.

— A suspensão é por tempo indeterminado. Desde quinta-feira passada (13), estamos registrando aumento de internação e de pessoas que testaram positivo — relata o prefeito.

A suspensão vale para as redes municipais, estadual e privada dos seguintes municípios: Bom Jesus, Campestre da Serra, Esmeralda, Ipê, Jaquirana, Monte Alegre dos Campos, Muitos Capões, Pinhal da Serra, São José dos Ausentes e Vacaria.

Em nota, a Secretaria Estadual da Educação (Seduc) informou que “diante da ocorrência de casos suspeitos/confirmados de covid-19, as autoridades de saúde municipais são imediatamente comunicadas pelo COE-E local, formado por membros da comunidade escolar, e pela respectiva Coordenadoria Regional de Educação”.

Segundo a Seduc, a decisão sobre o fechamento temporário de escolas é tomada em acordo entre representantes da educação, saúde e administração municipal.

De acordo com o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, os municípios que suspenderam aulas contrariam o novo decreto do governo e o Executivo pode entrar com ações na Justiça para a retomada das aulas presenciais. Costa diz, ainda, que os municípios só podem decidir pelo fechamento de escolas se já fecharam, antes, todos os demais serviços essenciais da cidade. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) afirma que irá avaliar caso a caso. 

As escolas do Estado voltaram a ter aulas presenciais após a publicação de um novo decreto por parte do governo, colocando o RS em bandeira vermelha no modelo de distanciamento controlado.

O ensino presencial estava proibido por decisão judicial enquanto vigorasse a bandeira preta. Por considerar a educação uma prioridade, o governo alterou a bandeira em todas as regiões, permitindo a retomada das atividades presenciais.

Veja cidades com aulas suspensas:

Campos de Cima da Serra

A Associação dos Municípios dos Campos de Cima da Serra decidiu suspender as aulas presenciais a partir de quarta-feira (19) nas 10 cidades que fazem parte da entidade: Bom Jesus, Campestre da Serra, Esmeralda, Ipê, Jaquirana, Monte Alegre dos Campos, Muitos Capões, Pinhal da Serra, São José dos Ausentes e Vacaria.

Os municípios, exceto Ipê, vão repassar o total de R$ 340 mil, em dois meses, para o hospital de Vacaria, que é referência para a região.

Rio Grande

No sul do estado, pelo menos cinco escolas das redes municipal, estadual e privada de Rio Grande estão com atividades suspensas porque tiveram casos suspeitos ou positivos de covid-19. O 6º núcleo do Cpers chegou a pedir à Coordenadoria Regional de Educação o retorno do sistema de aulas remotas em definitivo.

A coordenadoria informou que apenas dois casos foram notificados oficialmente, na Escola Lemos Júnior e na Escola Roberto Bastos Tellechea. Já a Secretaria de Saúde da cidade disse que não recebeu nenhuma notificação oficial das escolas, mas que está fazendo visitas em todas as instituições para avaliar a situação.

Cachoeira do Sul

Nesta segunda-feira (17), a Escola Estadual de Ensino Médio Virgilino Jayme Zinn foi fechada depois de registrar cinco casos de covid-19 entre professores e alunos. A escola conta com 70 funcionários e 600 alunos.

Segundo a Coordenadoria Regional de Educação, a instituição permanecerá fechada até terça-feira para uma limpeza que ocorre desde o fim de semana. Na quarta (19), as atividades devem retornar normalmente.

Caxias do Sul

Duas escolas da cidade suspenderam as aulas presenciais. Na Escola Santa Catarina, uma professora testou positivo para a doença. Já na Escola Raquel Grazziotin, há dois casos suspeitos de covid-19.

Santa Maria

Em Santa Maria, duas turmas de escolas particulares voltaram a ter aulas remotas na última semana. No Colégio Marista Santa Maria, um professor e um estudante da mesma turma testaram positivo para a covid-19. A turma vai permanecer em ensino remoto por duas semanas. As demais seguem de forma presencial.

No Colégio Franciscano Sant’Anna, uma professora também testou positivo para a covid-19 e, por isso, a turma voltou a ter aulas remotas. A direção da escola informou que todas as medidas do plano de prevenção foram tomadas e que essa é a primeira vez desde o ano passado que um profissional testa positivo no sistema presencial, mas que mesmo enquanto havia ensino remoto, professores tiveram coronavírus.

No Instituto Estadual Padre Caetano, dois profissionais testaram positivo. A escola passou por uma limpeza e deve voltar às atividades na terça-feira (18).

Bagé

Em Bagé, o Colégio Franciscano Espírito Santo fechou por orientação da Vigilância Sanitária em razão do diagnóstico positivo de uma professora. A instituição ficará sem aulas presenciais de 17 a 21 de maio. Neste período, as aulas seguem de forma remota.

Conforme exigência dos protocolos estabelecidos, uma higienização das salas de aulas e corredores será feita no prédio da escola. Não será permitida a presença de nenhum aluno nem professor no colégio.

Santo Ângelo

O prefeito de Santo Ângelo disse que as aulas presenciais na rede municipal seguem suspensas. Na rede estadual, informou que serão retomadas na próxima semana. Nas particulares, a retomada das atividades presenciais está prevista para esta semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s