corrupção/Vacina

Corrupção na compra de Vacinas e testes: “militares tinham presença meio não republicana”, diz Deputado Luis Miranda

O Deputado Youtuber que se elegeu no Brasil, mas mora nos EUA esta “falando pelos cotovelos”. Ele quer derrubar Bolsonaro depois de ajudar a elegê-lo. E vale tudo, inclusive falar a verdade sobre o comportamento dos Militares no Ministério da Saúde.

Corruptos, super faturadoradores de farda. É o que são os militares. Não há quem não tenha ouvido histórias de como Itaipu por exemplo, custou 10 vezes mais do que poderia ter custado.

Agora querem derrubar Bolsonaro a qualquer custo. Querem ajudar a abrir caminho para um Governo de transição sob o comando de Mourão e preparar caminho algum civil que vá enfrentar Lula.

Mas a contradição deles é grande. Mourão, como General, é mais chefe da quadrilha fardada do que Bolsonaro, que achou que podia comandar os generais. Na verdade é um títere da milicada. Aliás, Bolsonaro deve ter crescido no conceito dos Militares quando da Intervenção Militar no RJ, que pelo jeito facilitou o crescimento vertiginoso das Milícias e da violência Policial no RJ. Ou não?

Segue artigo sobre o agora “revelador” Deputado americano no Congresso brasileiro:

Em entrevista, Luis Miranda (DEM-DF) disse que Bolsonaro “não é doido” de confrontar sua verão e que Pazuello teria contado a ele sobre ameaças sofridas pelo centrão. “Botou o dedo na cara dele e falou: ‘Vou te tirar dessa cadeira’” Fonte: Deputado fala em corrupção também em compra de testes: “militares tinham presença meio não […]

Deputado fala em corrupção também em compra de testes: “militares tinham presença meio não republicana”  — Brasdangola Blogue

Deputado fala em corrupção também em compra de testes: “militares tinham presença meio não republicana”

Em entrevista, Luis Miranda (DEM-DF) disse que Bolsonaro “não é doido” de confrontar sua verão e que Pazuello teria contado a ele sobre ameaças sofridas pelo centrão. “Botou o dedo na cara dele e falou: ‘Vou te tirar dessa cadeira'”

Em entrevista a Leandro Colon, na edição desta segunda-feira (28), o deputado Luis Miranda (DEM-DF) citou novas suspeitas de corrupção, desta vez envolvendo a compra de testes contra a Covid-19, diz que o esquema se estende a todo Ministério da Saúde, que estaria dominado pelo Centrão, e que os militares têm uma posição “não republicana” na pasta.

“Meu irmão falou que realmente os militares tinham uma presença meio não republicana, mas nunca quis dizer o que seria. Inclusive meu irmão falou algo importante. Ele é técnico, apaixonado, meio metódico, meio paranoico com regulamento, regras. Quando vê um item errado, dois, é muito raro ter erro nessa operação grande, complexa. Não é normal ter tantos erros. Quando tem muitos erros, chama a atenção dele. Ele disse que tem uma operação grande rodando no Ministério da Saúde, de milhões agora. Envolve uma operação que na opinião dele é 100% fraudulenta”, disse Miranda logo no início da entrevista, revelando em seguida que envolveria a compra de testes antígenas comprado juntamente com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).PUBLICIDADE

“Pelo que vejo aqui, é procedimento totalmente usando a Opas para fazer a jogada, com dinheiro do Banco Mundial. Querem fazer uma compra gigantesca, altamente desnecessária”, emendou.

Miranda diz que ele e o irmão, Luís Ricardo Miranda, servidor concursado do ministério, diz que mais “dados e informações” sobre o esquema de corrupção no Ministério da Saúde, mas pede uma reunião fechada. “O que ele pode fazer é dar informações que suspeita pela forma que foi feita, como aditivos de aumento de valores, feitos às escuras, aumentando valores de licitações”.

Gravação
O deputado deixou em suspense se a conversa com Jair Bolsonaro (Sem partido) em que ele e o irmão denunciaram o esquema de corrupção envolvendo a compra da Covaxin foi gravado, ressaltando que “o presidente não é doido” de confrontar sua verão. “Não pode me chamar de mentiroso, pode falar qualquer coisa, menos que sou mentiroso”.

Miranda ainda citou o nome de Roberto Ferreira Dias, diretor de logística do Ministério da Saúde indicado por Ricardo Barros (PP-PR), como elo do esquema. “Tudo o que aconteceu, inclusive a pressão sobre o meu irmão, é sob a aprovação dele. Sem ele, ninguém faz nada. Isso é uma das únicas certezas que tenho”.

Ele ainda afirmou que que aceita uma acareação com o ex-ministro, Eduardo Pazuello, que teria sido contado a ele que sofreu ameaças do centrão quando esteve à frente da pasta.

“Ele não falou nada demais comigo. Estava desabafando a sacanagem que estavam fazendo no ministério. Falou que a pessoa falou na cara dele que ia tirá-lo. Botou o dedo na cara dele e falou: ‘Vou te tirar dessa cadeira’. Então ele sabe quem é”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s