Luta de classes/trabalho

Por que os trabalhadores não se revoltam (Por Sam Gindin)

A classe trabalhadora no capitalismo não é uma classe coesa, mas cada vez mais fragmentada – um amálgama de indivíduos tentando sobreviver. Precisamos de uma linha política voltada para as massas e muita ação coletiva para mudar esse cenário.

Embora o texto a seguir seja mais focado na Classe Trabalhadora Americana, não há como não enxergar as similaridades com os trabalhadores Brasileiros. O diferencial esta no fato de que o texto propugna por um Partido forte da Classe, que não há nos EUA, mas no Brasil há o PT.

Segue na íntegra o artigo reblogado de DESACATO

Resenha do livro Persistent Inequalities: Wage Disparity Under Capitalist Competition, de Howard Botwinick (Haymarket Books, 2018).

“Manifestação” de Antonio Berni

Por Sam Gindin.


Por que os trabalhadores – a classe majoritária dentro do capitalismo e indispensáveis ao seu funcionamento – acham tão difícil se unir para desafiar o sistema que os explora?

Em 1993, Howard Botwinick, um militante trabalhista de longa data, explorou um aspecto crucial dessa questão no recém reeditado Persistent Inequalities: Wage Disparity Under Capitalist Competition. Ele olhou para além das desigualdades entre o capital e os trabalhadores e argumentou que as persistentes desigualdades dentro da classe trabalhadora também eram “obstáculos fundamentais no desenvolvimento de um movimento sindical unificado”.

Enfrentar isso significava reverter a compreensão popular da relação histórica entre competição e monopolização. Em vez da trajetória do capitalismo minar a competição e substituí-la pela monopolização, Botwinick argumentou que a era atual do capitalismo é caracterizada por uma competição intensificada. É essa competição capitalista que essencialmente estrutura e reproduz a fragmentação da classe trabalhadora. Isso, junto com a pressão de trabalhadores desempregados desesperados por trabalho, molda a economia política dos mercados de trabalho capitalista.

À medida que Botwinick chega a conclusão de seu trabalho, ele fala sobre o dilema atual. “Como”, ele pergunta, “podemos reconstruir tanto a esquerda quanto o movimento trabalhista para que eles possam trabalhar em conjunto para reconstruir aqueles [sindicatos militantes] e outras instituições de classe que nos permitirão reagrupar e, finalmente, ir além do capitalismo?”

Para muitos ativistas, o foco na “economia política dos mercados de trabalho” parece uma provação bastante árida e técnica. Mas, como Karl Marx observou a respeito da esquerda radical em seu próprio tempo, tais sensibilidades podem ser debilitantes. Um corolário indispensável da ação revolucionária, como Marx escreveu em seu prefácio à edição de 1872 d’O Capital, é o estudo árduo, afirmando que “não existe uma estrada real para a ciência, e apenas aqueles que não temem a escalada cansativa de seus caminhos íngremes têm a chance de alcançar seus picos luminosos.”

Além do mercado dual

Os socialistas afirmam há muito tempo que não existe um grande mistério nas desigualdades no mercado de trabalho. É o desenvolvimento desigual do capitalismo que leva a dois mercados de trabalho distintos. O mercado primário é composto por empregos relativamente estáveis, que exigem mais educação e treinamento e oferecem melhores remunerações e condições de trabalho. Tende a acompanhar grandes empresas de capital intensivo com poder de monopólio e certo grau de sindicalização.

O mercado secundário — com sua super-representação de mulheres e minorias raciais — consiste em empregos precários e de meio período feitos por trabalhadores relativamente não qualificados que enfrentam condições opressivas e, muitas vezes, têm outro emprego semelhante. Está inclinado a firmas menores, com uso intensivo de mão de obra e altamente competitivas, em grande parte sem sindicatos.

Parece haver pouca necessidade de analisar mais os detalhes. Mas Botwinick insiste que, qualquer que seja a validade que tais narrativas incluam, elas são seriamente falhas. Corporações comumente designadas como “monopólios”, como Amazon e Walmart, não necessariamente pagam salários mais altos. E alguns setores com empresas pequenas e altamente competitivas, como construção, estivadores e, por um tempo, a indústria de vestuário, têm remuneração do trabalho acima da média.

Nem essa aparente anomalia é explicada pela ausência ou presença de sindicatos. Mesmo os monopólios com sindicatos não parecem mais se adequar ao modelo. Os salários dos trabalhadores da indústria automobilística, por exemplo, não apenas estagnaram por mais de uma década, mas seus acordos coletivos agora incluem “irmãs e irmãos” sindicais que recebem menos para fazer o mesmo trabalho e são excluídos dos planos de pensão e outros benefícios.

Ao contrário do caso apresentado na teoria do mercado dual, não há nada separando os degraus superior e inferior do mercado de trabalho — aqueles nos degraus mais altos hoje podem estar no mercado de trabalho secundário amanhã. As condições da classe são melhor descritas como gradações da precariedade geral da classe trabalhadora.

Algo muito mais complexo do que mercados de trabalho duais está envolvido aqui, Botwinick argumenta, e a chave está em uma compreensão mais rica de duas características centrais do capitalismo: competição generalizada e grupos de trabalhadores desempregados.

Destruição criativa

Em um artigo pioneiro de 1977 no Cambridge Journal of Economics, Jim Clifton desafiou a noção de que o início do capitalismo era caracterizado pela intenção de competir, com a “monopolização” surgindo apenas depois, por meio do processo de concentração (a expansão em tamanho das unidades de capital) e centralização (menos unidades de capital em cada setor). Na verdade, Clifton afirmou, que ocorreu o inverso. A competição inicial foi, em grande parte, localizada; a competição total entre empresas, setores e regiões só se materializou com o desenvolvimento posterior do capitalismo.

Não estava em debate a realidade da concentração e centralização do capital e a consequente criação de instituições corporativas com grande poder econômico, social e político. Botwinick rotulou essas corporações de “capitais reguladores” por causa de sua influência nos padrões setoriais de produtividade, preços e salários. Mas, como Clifton, ele viu que este desenvolvimento intensificou, ao invés de corroer, a competição capitalista.

A competição capitalista — consequência das estruturas socioeconômicas que impulsionam o capital a inovar, mover em busca de condições mais favoráveis à acumulação e aumentar sua participação nos lucros universais — é baseada na fluidez e mobilidade do capital, não no número de empresas de um setor. À medida que as empresas cresciam em tamanho, também cresciam suas capacidades técnicas, administrativas e financeiras para reestruturar suas próprias operações, entrar em outros setores e expandir-se geograficamente — ou seja, para competir. A globalização universaliza esta competição. A financeirização, por estar relativamente livre de raízes físicas, a acelerou ainda mais.

Nas últimas décadas, as corporações surgiram e desapareceram em um ritmo acelerado. Das dez maiores corporações dos EUA listadas pela Fortune em 1995, apenas uma permaneceu em 2020. Nomes que lideraram seu campo não há muito tempo — Blockbuster no aluguel de vídeo, Compaq na fabricação de computadores — se foram, e outros ex-golias, como General Electric, General Motors e a IBM flertaram com a falência.

Por meio deste processo, as fronteiras dos setores se confundiram. As maiores corporações da indústria de alumínio competiam com a Big Steel para fornecer componentes automotivos. A supremacia do Google nos mecanismos de busca e do Facebook nas mídias sociais não os impediu de se envolver em uma forte competição pelo dinheiro da publicidade. IBM, Amazon e Microsoft podem ser considerados “monopólios” em suas próprias áreas, mas são concorrentes no estabelecimento de vantagens na computação em nuvem.

Marx compreendeu o processo em constante mudança, agressivo e interminável dessa competição: “a velha luta deve começar de novo, e é tanto mais violenta quanto mais poderosos são os meios de produção já inventados”. Das múltiplas implicações socioeconômicas e ideológicas dessa violência, Botwinick estava mais preocupado com sua influência negativa na formação da classe trabalhadora.

Dependências assimétricas

Ocapitalismo coloca os trabalhadores em competição uns com os outros. Mas, sobretudo, o que fragmenta a classe trabalhadora é a desigualdade do desenvolvimento capitalista nos locais de trabalho e nas regiões.

Há também uma série de circunstâncias corporativas: níveis de tecnologia e habilidades do trabalhador; a intensidade de trabalho da operação e os custos de potencial interrupção; as reservas disponíveis de mão de obra; a proporção de trabalhadores em meio período vs trabalhadores em tempo integral; as especificidades do produto; a capacidade de resistência dos trabalhadores; e decisões corporativas sobre se esta resistência exige maior agressividade ou graus de acomodação.

Além disso, embora os trabalhadores compartilhem uma experiência comum de exploração, sua dependência do sucesso de seu local de trabalho faz com que muitos deles se identifiquem com seu empregador tanto ou mais do que outros trabalhadores — mesmo que, ao mesmo tempo, desprezem seu chefe. Isso é agravado por ambiguidades sobre quem é o inimigo: o empregador que os pressiona por mais lucros ou as pressões incessantes de mercados nebulosos que unem trabalhadores e empregadores na demanda para competir ou morrer.

Essa questão é significativa porque a concorrência leva ao desaparecimento de muitas empresas. Isso, é claro, obscurece uma assimetria crucial. O fato de os capitalistas mais eficazes sobreviverem e assumirem o controle do capital dos mais fracos fortalece os capitalistas como classe. Para os trabalhadores, a competição fragmenta a classe e mina sua arma mais importante, a solidariedade de classe, enfraquecendo seu potencial poder de classe.

Trazer trabalhadores do setor público para o cenário adiciona divisões internas à classe trabalhadora. Eles podem ser ressentidos pelos trabalhadores do setor privado porque, estando fora das pressões diretas do mercado, geralmente têm maior segurança e melhores padrões. Afinal, são os impostos dos trabalhadores do setor privado com salários mais baixos que ajudam a pagar os salários e benefícios do setor público.

A classe trabalhadora que emerge de tudo isso não é uma classe coerente, mas fragmentada — um amálgama de trabalhadores individualizados ou subgrupos tentando sobreviver. Embora isso inclua resistência e contradições também para o capital, o desafio é como uma classe moldada e deformada pelo capitalismo pode se reconstruir.

A opção pública

Uma dimensão especial do impacto da competição na fragmentação da classe trabalhadora e no desequilíbrio entre capital e força de trabalho é o “exército de reserva de trabalho” que Marx apontava. Essas reservas de trabalho são sistematicamente reproduzidas por dispensas entre os locais de trabalho que perdem na corrida competitiva e aqueles cujo sucesso está vinculado a melhorias de produtividade na substituição do trabalhador por meio de maquinário, tecnologia, reorganização do trabalho e aceleração.

Esses trabalhadores desesperados reduzem as pressões sobre os patrões e serve como um aviso disciplinar a todos os trabalhadores sobre o que os espera caso saiam da linha. Botwinick expande a extensão do exército de reserva para além dos desempregados para incluir aqueles que ainda trabalham, mas nas condições mais opressivas. Portanto, mesmo quando, como nos Estados Unidos antes da pandemia, o desemprego cai a níveis históricos, a pressão disciplinar sobre os trabalhadores permanece.

A persistência deste degrau inferior do mercado de trabalho baseia-se no fato de alguns trabalhadores serem particularmente prejudicados na competição por empregos, e especialmente em setores do capital que encontram a competição de seu nicho na “superexploração” deste segmento da força de trabalho. O número desproporcional de negros e latinos nesses empregos levou a demandas para corrigir esse desequilíbrio racista. Acabar com o racismo é um mote da esquerda, como um fim em si mesmo e como algo fundamental para a construção da unidade de classe. Botwinick ressalta, no entanto, que a questão principal é acabar com as condições condenáveis para todos, não objetivando vê-las “equitativamente” distribuídas entre os grupos raciais.

Os pedidos para aumentar o salário mínimo são, claramente, um passo positivo. Mas, dado o extremo desequilíbrio de poder envolvido, deixa em aberto a probabilidade dos patrões encontrarem outras maneiras de obter os salários de volta: reduzir outros benefícios, acelerar ainda mais ou simplesmente ignorar a lei porque, sem sindicalização, esses trabalhadores têm pouco poder de fiscalização. É muito melhor, Botwinick argumenta, estender o objetivo de salários mínimos — dando a todos acesso às necessidades básicas — a necessidades muito mais amplas e por meio de programas universais como assistência médica, moradia adequada, acesso à educação, creches, pensões e segurança da comunidade. Isso não só seria particularmente benéfico para os que estão na base, mas também estabeleceria o terreno estratégico para a criação de alianças de classe que poderiam realmente conquistar tais programas.

No espírito de garantir o essencial da vida mesmo dentro do capitalismo, outra demanda se segue: substituir o capital como o “empregador de última instância” por empregos garantidos pelo Estado em trabalhos que forneçam produtos ou serviços socialmente úteis, sindicalizados e que atendam aos padrões sociais e de local de trabalho. Esta proposta, retomando o apelo de Martin Luther King em março de 1963 em Washington por Empregos e Liberdade e, ainda mais, à Lei de Emprego de 1946, que estabeleceria um padrão sobre as condições de trabalho, forçando até mesmo os patrões mais inescrupulosos à, pelo menos, corresponder a esses padrões melhor para os trabalhadores.

Perspectivas de classe

Um dos muitos pontos fortes do Persistent Inequalities é a abordagem equilibrada de Botwinick sobre o setor mais organizado da classe trabalhadora, os sindicatos. Botwinick aprecia totalmente sua centralidade para a mudança progressiva, mas não se esquiva de examinar seus limites existentes.

Ao abordar o impasse na classe trabalhadora, não é uma resposta recorrer a corporações agressivas, governos hostis, reestruturação econômica ou globalização. Tudo isso reforçou ao invés de causar a fraqueza do trabalho; afinal, foram os limites preexistentes do movimento sindical que permitiram esses desenvolvimentos. Como Botwinick observa, uma vez que o movimento foi confrontado com os ataques mais duros, “a democracia participativa e a solidariedade de classe eram memórias distantes, e eles não sabiam mais como mobilizar efetivamente seus membros”.

A realidade complexa é que, embora os sindicatos surjam da classe trabalhadora, eles não são classes, mas organizações particularistas, representando grupos específicos de trabalhadores que por acaso se encontram no mesmo local de trabalho. Durante as inebriantes décadas do pós-guerra, isso era muito menos problemático — os trabalhadores podiam obter ganhos por conta própria que inspiravam ganhos em outros lugares. Mas essa época, em grande parte por causa de seu sucesso e da reação do capital, há muito acabou.

Não é que o capital tenha escapado de suas contradições. As próprias táticas de capital usadas para reduzir custos produziram aberturas para maior interrupção das cadeias de suprimentos e redes de distribuição pelos trabalhadores, e os trabalhadores da saúde e da educação agora representam o tipo de poder estratégico que os trabalhadores da indústria tinham na década de 1930. Mas essas são apenas aberturas potenciais. Tirar vantagem disso exige uma mudança radical – uma transformação nos sindicatos – para as perspectivas de classe. Ou seja, não apenas buscar aliados entre outros trabalhadores, mas abordar outras dimensões da vida dos trabalhadores e se engajar no desenvolvimento mais profundo dos próprios membros dos sindicatos como condição para a construção da classe.

Considere o fato de que a organização inspirada pela redução das taxas ou mesmo pela estreita orientação para a autodefesa não reverteu as taxas de densidade sindical já enfraquecidas. Nos anos 30, o United Mine Workers, reconhecendo os perigos do isolamento, enviou centenas de militantes para organizar os metalúrgicos. É esse espírito de cruzada para construir a classe, começando com seus próprios membros, e de superar o chauvinismo entre sindicatos fazendo o impensável e cooperando entre outros sindicatos, que é tão essencial para realizar avanços dramáticos.

Na negociação do setor público, agora é geralmente reconhecido que, para evitar o isolamento, os sindicatos devem estar ligados a um interesse comunitário mais amplo (que, na verdade, não são “outros”, mas diferentes dimensões da vida da classe trabalhadora). Isso não pode ser limitado a campanhas de relações públicas; significa reconsiderar as prioridades e estruturas de negociação, a alocação de fundos sindicais, a natureza do treinamento de pessoa e quadros, e convencer os membros a apoiarem totalmente todas essas coisas — sem as quais há sempre o risco de reação.

E no setor privado, a aceitação geral dos direitos de propriedade corporativa e da hipercompetitividade contém fortemente os ganhos dos trabalhadores. Nenhum sindicato, ou mesmo sindicatos coletivos, pode superar essa restrição sem lutas políticas baseadas em orientações claras de classe.

Além da competição

Ao abordar a democracia restrita do capitalismo, a esquerda geralmente aumenta o poder do capital, mas raramente aborda a natureza autoritária dos mercados impulsionados pela competição do capitalismo — um contexto que Botwinick coloca no centro de sua análise.

Por exemplo, apesar de todas as contribuições politicamente valiosas nos programas de Jeremy Corbyn e Bernie Sanders, eles ignoram em grande parte a gaiola de ferro da competitividade. Seu foco era, em vez disso, os representantes dos trabalhadores obtendo assentos em conselhos corporativos e os trabalhadores compartilhando a distribuição de ações. A isso, eles adicionaram a necessidade de quebrar os “monopólios” e os maiores bancos – ou seja, para aumentar a concorrência.

Além de compreender mal as camadas de poder nessas instituições onde os assentos do conselho minoritário e as ações dos trabalhadores não vão superar, a subestimação das pressões do capitalismo para competir também minimiza as possibilidades de reverter radicalmente o esquema corporativo. Corre o risco de os trabalhadores serem integrados às visões de mundo corporativas em vez de desafiá-los. Quanto à reestruturação antitruste, isto historicamente ampliou a carga e a insegurança dos trabalhadores. E desmembrar os bancos parece uma receita para intensificar a competição, que pouco faz pelos trabalhadores, ao mesmo tempo que provavelmente aumenta a instabilidade econômica geral.

Qualquer estratégia da classe trabalhadora deve começar com o entendimento de que a “competitividade” não é um objetivo compartilhado com o capital, mas sim uma limitação do mundo real que os trabalhadores devem ampliar e limitar como parte do movimento em direção a uma sociedade que a substitua pelo planejamento democrático para uso social igualitário. Já que não podemos, por enquanto, acabar com a competição, e uma vez que tentar regular os mercados que retêm direitos de propriedade privada trouxe, na melhor das hipóteses, resultados mistos, uma alternativa estratégica para limitar o impacto debilitante da competição seria lutar pela criação de certos espaços dentro capitalismo onde os critérios sem fins lucrativos e não mercantis podem assumir o controle.

Considere a crise ambiental como um exemplo. Uma vez que abordá-lo exige transformar tudo sobre como trabalhamos, viajamos e vivemos, envolve um terreno extenso onde podemos argumentar de forma credível e popular que interesses privados, competindo para alcançar seus próprios objetivos estreitos, não podem superar o escopo da emergência. Lidar com o meio ambiente deve ser planejado, e o planejamento requer algum controle sobre o que deve ser organizado. Isso exige o destacamento de instalações de manufatura para produzir os bens materiais necessários ao planejamento ambiental e envolve a criação de instituições para evitar o fechamento de instalações potencialmente úteis, mas não lucrativas para o setor privado, e sua conversão para uso social.

Junto com essas expansões de espaços fora do nexo competição/lucro, devemos também aprofundar a descomodificação dos espaços públicos que já existem ostensivamente à parte da economia competitiva. A hegemonia da economia privada limita os fundos a esse setor, empurra-o para ser administrado em termos comerciais e mantém as corporações (e os Estados) constantemente famintos por privatizações como novos locais de acumulação. Não poderíamos lutar para que esses serviços se tornem modelos de gestão democrática que beneficiem tanto os trabalhadores envolvidos quanto os que recebem os serviços, demonstrando no processo que existem alternativas à propriedade privada e que estas devem ser ampliadas?

Essas tentativas de ir além da competitividade são inseparáveis da limitação do controle disciplinar que os mercados financeiros exercem sobre a economia. Embora ainda não estejamos em posição de socializar a renda, pedidos foram feitos aos bancos públicos para não apenas cuidar do meio ambiente, mas reconstruir a infraestrutura erodida. Mas se isso também for escapar da lógica dominante de competição, esses bancos não podem ser enviados para competir com o resto do sistema financeiro. Eles precisarão de um mandato social claro e de uma fonte independente de financiamento para cumpri-lo. Uma fonte óbvia de tal financiamento é um imposto sobre todas as instituições financeiras, um reembolso parcial das riquezas que o público concedeu a elas.

Estas não são, em si mesmas, reivindicações revolucionárias. Em vez disso, procuram construir sobre a importância estratégica da ênfase de Botwinick na centralidade da competição capitalista na limitação do progresso da classe trabalhadora. Eles visam ligar as necessidades imediatas com a mudança do contexto no qual as lutas dos trabalhadores acontecem e, por meio deste processo, trazem sugestões de uma alternativa socialista.

A velha luta, comece de novo

Em seu posfácio, Botwinick retorna à sua preocupação principal: superar o abismo material e cultural estruturado entre os trabalhadores e construir uma classe trabalhadora confiante, coerente e solidária com capacidade analítica e estratégica para liderar a transformação da sociedade. Ele sabe que os sindicatos são inadequados para essa tarefa, embora, na melhor das hipóteses, possam assumir uma perspectiva de classe e educar seus membros sobre como funciona o capitalismo, talvez abrindo as portas para algumas discussões sobre o socialismo.

Ir além requer um partido socialista, uma organização voltada especificamente para a tarefa de construir e empoderar essa classe. Botwinick reconhece o impasse da esquerda a esse respeito; o partido não pode ser simplesmente “anunciado” como única saída. A urgência da crise ambiental o convenceu da necessidade imediata de uma organização não especificada que possa começar a assumir os atributos de um único partido.

Existem duas razões para complementar a insistência de Botwinick. Em primeiro lugar, a menos que os socialistas possam penetrar na classe trabalhadora, com um pé dentro e o outro fora dos sindicatos, é difícil imaginar um renascimento dos sindicatos como as instituições enraizadas e orientadas para o tipo de classe pelas quais ansiamos. Em segundo lugar na passagem do protesto à política nas últimas décadas, e especialmente na ascensão do Momentum e dos Socialistas Democráticos da América (DSA), tem havido um renascimento emocionante das ideias socialistas. No entanto, sem a organização da classe de massa, esses ganhos serão passageiros.

Não podemos traçar estratégias sem compreender totalmente o que estamos lutando, e não podemos vencer sem a criação de uma força social e agência para liderar a luta. Persistent Inequalities não tenta explicar tudo nem traçar o caminho inequívoco para os “picos luminosos”. Mas para quem vê o capitalismo como inimigo e acredita que a classe trabalhadora tem um papel indispensável na “escalada fatigante” para acabar com ela e construir algo novo, este livro impressionante e cheio de nuances oferece pistas e percepções cruciais.

Sam Gindin passou a maior parte de sua vida profissional como diretor de pesquisa do Sindicato de Trabalhadores Automotivos do Canadá (agora Unifor) e é co-autor, com Leo Panitch, de The Making of Global Capitalism: The Political Economy of American Empire (“A Construção do Capitalismo Global: A Política Econômica do Império Americano”) e The Socialist Challenge: Syriza, Sanders e Corbyn (“O Desafio Socialista: Syriza, Sanders e Corbyn”).

Tradução: Yasmim Barban

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s