Lula

UM POUCO MAIS SOBRE O LIVRO “LULA” (Por Milton Saldanha)

Reproduzo a seguir perspicaz comentário que o Jornalista Milton Saldanha postou em seu Facebook:

Não faz muito tempo, comentei aqui que o Lula nunca foi de esquerda e algumas pessoas ficaram surpresas.

Pois, o excelente livro “Lula”, do consagrado escritor Fernando Morais, deixa isso mais do que explícito, com todos os detalhes.

E mais: conta que Lula foi apoiador do golpe de 1964. Era encantado com a intervenção militar.

Mesmo quando já militava no meio sindical, Lula se recusava a qualquer rótulo que o ligasse à esquerda e disso fui testemunha quando trabalhava como jornalista no ABC, nos tempos das grandes greves, a partir de 1978.

Evidente que mudou de campo, o PT é um moderado partido de esquerda, mais assistencialista do que reformista, mas até hoje nunca ouvi de Lula uma única palavra se dizendo de esquerda. A impressão que me passa é que isso ainda lhe causa desconforto.

Mesmo tendo conhecido Lula desde sua origem no sindicalismo, o livro de Fernando Morais me fez repensar várias coisas.

A principal delas foi perceber que sua origem na miséria, pior que a pobreza, pai e mãe analfabetos, não poderia ter gerado uma pessoa dotada de consciência social.

Eu cometia o grave erro de medi-lo por minha própria trajetória, cobrando dele aquilo que não poderia ter sido, num determinado momento da vida.

Vim de uma família que discutia de tudo, viajava muito, e onde a gente tropeçava em livros, jornais, revistas.

O resultado foi a precoce politização dos quatro irmãos, além de dois adotivos que chegaram depois.

Nossa realidade era anos luz distante daquela em que Lula nasceu. Somos da mesma idade. O ambiente em que Lula vivia era o das privações e pai violento. Jornal, na sua casa, era o papel higiênico, como conta Morais.

E quando passou a ler ele pulava os cadernos e ficava só no noticiário do futebol.

O livro de Fernando Morais, ao contrário do que vai falar gente que não vai ler, não é uma bajulação vulgar a um líder político.

Ele mostra o ser humano, como é em carne e osso, moldado pelo meio social que lhe foi destinado até a fase adulta. O incrível da biografia de Lula foi sua capacidade, como autodidata, de superar todas as adversidades para chegar onde chegou.

Quem o conheceu no começo da carreira como torneiro mecânico sequer apostaria que alcançaria um posto de gerente de empresa. O cara virou presidente da República. Reeleito. Chegou a ter 90%, de aprovação.

Ficar insultando-o agora, como fazem muitos, e isso é normal em política, só merece uma resposta: quem insulta não seria capaz de conseguir o que ele alcançou.

Goste ou não da figura, vai ter que admitir que Lula é caso raro no mundo.

E nós, da esquerda que teve a sorte de acesso a livros e ao estudo formal, teremos que aprender muito da grandeza humana com o operário simplório que se recusava a aceitar o sindicalismo e rejeitava mais ainda a política. Apoiando um golpe horroroso como aquele de 1964.

Se Lula fosse a construção de um escritor de ficção, inventando um personagem, a gente simplesmente diria: criativo o autor.

Como Lula existe, é real, só me ocorre uma pergunta: como foi possível?

Milton Saldanha, 76, jornalista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s