Brasil/Eleições 2022/Lula

As lições da eleição na França e os desafios para derrotar o fascismo no Brasil (Por jeferson miola)

“A mal apelidada terceira via, que na verdade é o bloco anti-Lula [1], tem entre 40 e 43% das intenções de votos. Desse total, Bolsonaro, sozinho, tem entre 27 e 30%, e Ciro entre 7 e 9%. As demais candidaturas inexpressivas, somadas, alcançam entre 4 e 6%.” ( Extrato do artigo do Jeferson Miola que reproduzo a seguir na íntegra)

As lições da eleição na França e os desafios para derrotar o fascismo no Brasil — jeferson miola

Jeferson Miola                              

O primeiro turno da eleição presidencial na França [10/4] confirma que quando se faz sempre a mesma escolha, aumenta a possibilidade de se chegar aos mesmos resultados de sempre.

Foi exatamente esse o resultado da eleição para o campo político que abarca o progressismo, a esquerda e a centro-esquerda partidária francesa – partido da França Insubmissa, Partido Comunista Francês, Verdes, Luta Operária e Novo Partido Anticapitalista.

Concorrendo mais uma vez separadamente, com candidaturas próprias, esses partidos novamente ficaram fora do segundo turno da eleição. Uma mera repetição do resultado da eleição presidencial de 2017.

Em razão disso, em 24 de abril, quando o direitista Emmanuel Macron e a ultradireitista Marine Le Pen disputarão o segundo turno, a esquerda e o progressismo mais uma vez serão decisivos; porém, novamente como atores coadjuvantes.

Ironicamente, terão como missão, mais uma vez, ajudar a eleger o candidato da direita Macron, para evitar que a candidata da ultradireita fascista Marine Le Pen vença e governe a França.

O atual presidente Macron liderou a votação do primeiro turno com 27,8%, tendo Le Pen em segundo lugar com 23,1% e Mélenchon, do França Insubmissa, em terceiro, com 22% dos votos válidos – 421.420 a menos que Le Pen.

1 turno França2022

Além de disputar votos com Macron e Le Pen, Mélenchon também teve de travar uma luta “interna”. Ele tentou atrair os votos de eleitores ideologicamente próximos a ele mas que, no entanto, foram obrigados a se dividir no variado “bazar eleitoral progressista”, para então escolher dentre outras cinco candidaturas: Jadod/Verdes, que terminou obtendo 4,6% dos votos, Roussel/PCF-2,3%, Anne Hidalgo/PS-1,8%, Poutou/NPA-0,8% e Nathalia Arthaud/LO-0,6%.Se Mélenchon tivesse podido representar, de modo uníssono, as seis candidaturas do fragmentado “bazar eleitoral progressista” através de uma Frente unida de centro-esquerda, a candidatura dele teria abocanhado 32% do eleitorado – ou 11.228.720 votos [tabela acima].

Desse modo, ele teria obtido a maior votação no primeiro turno, acima de Macron e Marine Le Pen e, também, teria um desempenho superior às duas candidaturas extremistas da direita [Le Pen e Zemmour] somadas, caso tivessem se unido numa chapa única.

Ou seja, a unidade progressista e de centro não só teria derrotado a extrema-direita, como daria a Mélenchon um enorme potencial para vencer Macron no segundo turno. Ora, se este campo tem agora sólidas razões para se unir no segundo turno, por que não priorizou o esforço de construção da unidade para se apresentar com candidatura única no primeiro turno?

Não deixará de ser irônico, por isso, ver que, no segundo turno, este campo progressista que não conseguiu caminhar junto e unido no primeiro, finalmente caminhará junto e unido no combate comum à candidata de extrema-direita Marine Le Pen para deter a ameaça fascista.

A eleição na França tem de ser tomada como lição para os desafios da luta contra o fascismo na eleição de outubro próximo no Brasil.

A mal apelidada terceira via, que na verdade é o nome do bloco anti-Lula [1], tem entre 40 e 43% das intenções de votos. Desse total, Bolsonaro, sozinho, tem entre 27 e 30%, e Ciro entre 7 e 9%. As demais candidaturas inexpressivas, somadas, alcançam entre 4 e 6%.

Isso significa, portanto, que se o PDT retirar a candidatura do Ciro, a eleição poderá ser resolvida no primeiro turno com a vitória do Lula e, principalmente, com enorme diferença em relação a Bolsonaro.

Para a sobrevivência da democracia brasileira, esse resultado é fundamental, pois constrange o plano golpista do Bolsonaro e das Milícias Fardadas, que têm como único objetivo causar o caos e tumultuar a eleição.

Na França, o campo progressista, de esquerda e centro-esquerda desperdiçou a oportunidade de derrotar a ultradireita fascista e se habilitar para vencer a eleição no segundo turno.

No Brasil, a situação não deixa de ser análoga. O campo democrático, popular e progressista está desafiado a se unir acima de qualquer capricho ou vaidade pessoal para derrotar a contrarrevolução fascista-militar do bolsonarismo.

Para isso acontecer, um passo importante é convidar o PDT a considerar a hipótese de retirar a candidatura do Ciro e se juntar à campanha e ao futuro governo Lula para salvar o Brasil do precipício fascista.

O PDT terá muito a ganhar com esta escolha. Afinal, parte representativa da base social, assim como de candidatos do partido às assembléias legislativas, ao Congresso e aos governos estaduais já vinculam suas campanhas à candidatura do Lula, e não à do Ciro, em busca de melhor desempenho eleitoral.

Juntando-se a uma frente antifascista para derrotar Bolsonaro e as cúpulas militares partidarizadas, o PDT estará exercendo um papel histórico que homenageia a memória do Leonel Brizola, o legendário fundador do Partido.

[1] além do próprio Bolsonaro, conformam o bloco anti-Lula as candidaturas de Ciro Gomes, Simone Tebet, Doria/Leite e outras ainda mais inexpressivas.

* imagem: reprodução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s