América Latina/Ditadura

Na Argentina Militares criminosos da Ditadura são condenados a prisão perpétua

Enquanto na Argentina militares criminosos que perseguiram, torturaram e assassinaram durante a Ditadura Militar são condenados, aqui no Brasil seguem livres e sua impunidade alimenta os criminosos militares golpistas e corruptos encastelados aos milhares em cargos de confiança do Governo Bolsonaro.

Hora de aprender com os hermanos.

Segue artigo do Desacato

Ao longo de três anos e três meses, o julgamento que teve início a 29 de Abril de 2019 permitiu conhecer múltiplos detalhes dos horrores cometidos num dos maiores centros clandestinos de detenção, tortura e morte que funcionaram no período da ditadura militar na Argentina.

Ao todo, foram ouvidas 327 testemunhas, foram contabilizadas 350 vítimas e foram julgados 22 réus, de que ficaram 19 no final do processo (dois morreram de causas naturais e um foi apartado da causa por doença irreversível), que foram acusados dos crimes de torturas, sequestros e homicídios, bem como de assaltos, roubos agravados e abuso sexual agravado.

A declaração do veredicto do Tribunal Oral Criminal Federal n.° 1 de San Martín (Buenos Aires), adoptado por unanimidade, começou com a leitura dos nomes de todas as vítimas. Na decisão judicial, os juízes sublinham que se trata de crimes contra a humanidade e, como tal, imprescritíveis.

Dez dos 19 acusados foram condenados a pena perpétua, incluindo Santiago Omar Riveros, ex-comandante do Comando de Institutos Militares, que já foi condenado a outras 16 penas perpétuas. Os restantes nove réus foram condenados a penas de prisão que oscilam entre os 22 e os quatro anos, refere o diário Página 12.

No Campo de Maio, o nível de sobrevivência era inferior a 1%

Os crimes julgados foram cometidos na Zona de Defesa IV, a cargo do Comando de Institutos Militares do Campo de Maio, durante a ditadura militar na argentina (1976-1983). A procuradora Gabriela Sosti estima que tenham passado pelo Campo de Maio mais de 6000 pessoas – muitas delas dirigentes e activistas sindicais, bem como militantes de organizações de esquerda – e que o nível de sobrevivência tenha sido inferior a 1%.

Sosti destacou o modo como a repressão se centrou nas «empresas siderúrgicas que nesse momento marcavam o perfil argentino» e onde existia «uma classe operária muito consciente e militante».

Pela boca de um dos acusados – disse –, pôde-se saber «que altas patentes militares se juntavam com empresários da zona norte, ou seja, a pouca distância de onde eram torturados os seus trabalhadores, os responsáveis dessas fábricas encontravam-se com os quadros militares».

Entre os cidadãos sequestrados que foram para ali levados, contam-se 14 mulheres grávidas e nove pais de crianças roubadas, referiu a organização Avós da Praça de Maio, que continua à procura de dez crianças, cuja identidade foi alterada.

2 pensamentos sobre “Na Argentina Militares criminosos da Ditadura são condenados a prisão perpétua

  1. A impunidade dos crimes de lesa-humanidade, no Brasil, perpetrados pelas Forças Armadas, permitiu a naturalização da violência que ainda corre solta na periferia das cidades. A ditadura deu origem a um terrorismo de Estado que persiste até os dias atuais.

    Curtir

  2. No Brasil aconteceram esses assassinatos, só que não foram presos e estão até hoje atrapalhando a Democracia. Bolsonaro é um deles.
    Prisão para Jair Messias Bolsonaro e seu Vice Mourão.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s