violencia

Com Bolsonaro, 40 mil armas por mês estão entrando no Brasil e “CACs” viram “fornecedores” do Crime Organizado

Mais de 1,2 mil armas de fogo chegaram por dia ao Brasil nos últimos dois meses, julho e agosto, segundo as estatísticas disponibilizadas pelo Ministério da Economia: 40.303 revólveres e pistolas em julho e 39.389 em agosto. É a maior entrada mensal em 25 anos e o motivo, de acordo com especialistas, pode estar ligado à perspectiva de derrota de Bolsonaro.

O Print acima é só mais um registro dos muitos que se tem visto Brasil afora. Os tais CACs são agora porta de entrada de armas importadas legalmente, e que em muitos casos estão sim armando o crime organizado, seja por concordância de quem importou, seja por roubo destas armas.

Quem em sã consciência colecionaria em casa dezenas e até centenas de armas que só servem para matar? Pois Bolsonaro liberou estes tais CACs (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador) a importar quantas armas e munição quiserem, incluindo as de alta potência e precisão.

Leia a seguir artigo da URBS MAGNA na íntegra sobre o tema

Estatísticas indicam julho e agosto como os meses que registraram a entrada da maior quantidade de armas no País em 25 anos

As importações estariam sendo antecipadas diante do temor de compradores de que LULA acabe com o decreto de armas. Um movimento semelhante ocorreu nos EUA, antes das eleições de Barak Obama e de Joe Biden, quando os americanos ampliaram arsenais sob uma perspectiva de restrições das regras sobre armas.

O ano de 1997, com FHC, registrou a importação de 7.156 revólveres e pistolas. Já entre 1998 e 2005, na transição de seu governo para o de LULA, o total ficou abaixo de 3 mil por ano, conforme mostra uma matéria no Valor Econômico. Na sequência, entre 2006 e 2017, passando pelas gestões LULA, Dilma, o volume chegou ao limite de 13 mil por ano, sob o efeito da nova gestão Temer, que em 2018 registrou 28,3 mil importações. Já sob Bolsonaro, o número seguiu dobrando. Somente em 2019 foram 54,6 mil pistolas e revólveres importados. Novamente quase dobrou em 2020, com 105,9 mil. Em 2021, foram 119,1.

Segundo a matéria, a partir do governo Temer ocorre uma mudança de regras que permite licitações para fabricantes estrangeiros, como a austríaca Glock, a alemã SIG Saber e a italiana Beretta. A brasileira Taurus era praticamente a única fornecedora. A nacional Imbel é fornecedora do Exército. Outra mudança se deu sob Bolsonaro, que em 2019 passou a permitir que civis comprassem calibres proibidos, acarretando em aumento das importações.

Agora, em 2022, de janeiro a agosto já foram importados 161.585 revólveres e pistolas. A Taurus vendeu 186 mil armas totais em seis meses. Até junho, as importações mensais seguiam um padrão semelhante ao a 2019 e 2021, variando de 2 mil a 9 mil armas, mas agora a marca mensal ficou ao redor das 40 mil unidades em julho e agosto.

O alerta que tem sido feito insistentemente por especialistas em segurança é que o aumento de circulação de armas de fogo entre civis abre portas para um aumento do número de homicídios ou tentativa de homicídios e também para que criminosos se valham dessas flexibilizações.

Em fins de junho, consultado pelo Valor, o Exército informou que o total de Certificados de Registros na categoria de CAC havia atingido 673.818. A Polícia Federal informou no início de julho que até aquele momento havia expedido 73.767 registros de armas para civis. Em 2021 haviam sido 189.253 registros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s