Luta de classes

O feminismo deve estar sempre ligado à luta de classes, diz Mujica

Mujica faz um alerta ao movimento feminista: "as mulheres mais desamparadas são as pobres"Mujica faz um alerta ao movimento feminista: “as mulheres mais desamparadas são as pobres”

“Tive que lutar no meu país para reconhecer o aborto, não porque eu esteja a favor do aborto, mas porque há mulheres que abortam, gostem ou não, e as condenadas são as mais pobres”, diz José Mujica sobre a descriminalização do aborto no Uruguai, implementada em 2014. Para o ex-presidente e atual senador, as feministas não podem esquecer que a maior das lutas ainda é a de classes porque, apesar dos avanços contra o machismo, as mulheres pobres seguem sendo as mais subjugadas.

Por Mariana Serafini no Portal Vermelho

MujicaEm passagem pelo Brasil, Mujica foi questionado durante uma palestra na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) sobre a importância do aumento do movimento de mulheres no país. O ex-presidente não titubeou ao afirmar que o fortalecimento da luta feminista é fundamental para combater o machismo e diminuir a desigualdade de gênero, mas fez um alerta: “esta agenda de direitos tão justos pode esconder a grande agenda que é a diferença de classes”.

Para Mujica tão importante quando defender a igualde de gêneros é não vacilar diante da luta de classes e pontuou que, mesmo dentro da luta feminista, esta deve ser a questão mais importante porque as mulheres pobres são as que mais sofrem. “Se há algo desamparado no mundo são as mulheres pobres, sobretudo as mães solteiras. Creio que a agenda de reivindicações das mulheres não pode se esquecer disso em primeiro plano”, afirmou.

Desde que o aborto foi descriminalizado em seu país, em 2014, já houve mudanças importantes com relação a este tema. A maioria das mulheres que buscam atendimento é pobre e 18% delas têm menos de 20 anos. Com o controle da saúde pública, no entanto, o número de desistências do procedimento aumentou 30%. Isso porque, mulheres que antes estariam desamparadas, encontram assistência e aporte necessário para esclarecer todas as dúvidas sobre a maternidade e, se ainda assim quiserem interromper a gravidez, ter a certeza de que o farão com segurança.

Mujica afirma que, a situação das mulheres pobres foi elemento chave para o debate sobre o aborto porque as mais abastadas têm outros meios de interromper uma gravidez indesejada mesmo com as proibições impostas pelo Estado. Para o senador, este é só um dos aspectos que provam o quanto o feminismo deve seguir sendo uma luta de classes acima de tudo. “A diferença maior ainda é a de classe porque a mulher mais submetida é a mais pobre. As ricas sempre têm como solucionar seus problemas”, afirma.

No livro Mulheres, Raça e Classe a filósofa norte-americana Angela Davis alerta sobre esta mesma questão e se aprofunda na complexidade da vida das mulheres negras e pobres. Na obra, ela critica movimentos feministas liderados por mulheres brancas que não são capazes de compreender as diferentes realidades e diferenças do universo feminino. “Embora tenham colaborado de forma inestimável para a campanha antiescravagista, as mulheres brancas quase nunca conseguiam compreender a complexidade da situação da mulher escrava. As mulheres negras eram mulheres de fato, mas suas vivências durante a escravidão — trabalho pesado ao lado de seus companheiros, igualdade no interior da família, resistência, açoitamento e estupros — as encorajam a desenvolver certos traços de personalidade que as diferenciavam da maioria das mulheres brancas”, diz um trecho do livro.

Davis aprofunda a questão ao afirmar que muitos problemas enfrentados pelas mulheres brancas, como o machismo dentro do casamento, por exemplo, estão longe de ser uma questão para as negras que precisaram resistir aos estupros dos patrões brancos, às péssimas condições de trabalho e à violência da sociedade.

Neste sentido, Mujica destaca a importância do movimento feminista, mas pede para as mulheres não descuidarem “da maior de todas as agendas: a luta de classes”. “A agenda de luta feminista não pode nunca esquecer dos direitos das mulheres pobres e abandonadas porque são as que mais frequentemente tem que aguentar as crueldades do mundo”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s