trabalho/Trabalho Escravo

Indígenas são encontrados em situação de trabalho escravo no interior de Caxias do Sul

Patrões já começam a usar mão de obra escrava até no RS, mesmo que Temer ainda não tenha conseguido acabar com a CLT e os direitos dos trabalhadores. Imaginem se eles conseguirem aprovar a tal “reforma”. Tem até um Projeto de Lei que autorizaria patrão a contratar trabalhadores só em troca de casa e comida.
Lê aí notícia Do Leouve

Quatro trabalhadores indígenas foram localizados atuando em condições semelhantes à de escravo durante fiscalização realizada na quinta-feira, dia 11, pelos auditores do Ministério do Trabalho, em uma propriedade rural no interior de Caxias do Sul.

Alojamentos onde os índios viviam apresentava condições precárias para sobrevivência. Foto: MTE/Divulgação

De acordo com o Ministério do Trabalho, os índios eram mantidos em condições degradantes de trabalho, sem receber salários e sem registro de contrato na Carteira de Trabalho. Na propriedade localizada em São Valentim da 6ª Légua, são cultivadas maças, caquis e peras. Os trabalhadores foram flagrados realizando a colheita das frutas.

Os indígenas informaram que são oriundos de uma aldeia situada no município de Cacique Doble, e que vieram trabalhar em Caxias do Sul com a promessa de que receberiam uma remuneração de R$ 80,00 por dia, o que nunca aconteceu. Do empregador eles apenas recebiam uma pequena quantidade de alimentos de baixa qualidade para que preparassem suas refeições.

Os fiscais também notaram durante a fiscalização que os alojamentos destinados aos trabalhadores não apresentava as mínimas condições de higiene, inclusive com o banheiro fora de funcionamento. Próximo do local onde eles realizavam as refeições foi identificada a presença de fezes de rato. Os alimentos encontrados na cozinha estavam mal acondicionados e impróprios para o consumo. Alguns colchões estavam no chão, sem roupa de cama ou cobertores o suficiente.

O empregador foi notificado para que regularize a situação e pagará pelos valores devidos aos trabalhadores, tanto pelos serviços prestados, bem como pela rescisão de contratos. A fiscalização ainda retirou os índios da propriedade, e emitiu guias para encaminhamento do seguro-desemprego especial do trabalhador resgatado. Cada um dos quatro recebeu uma quantia de R$ 500,00 do empregador como forma de adiantamento, o restante deverá ser pago nos próximos dias.

Os autos da infração serão lavrados e encaminhados ao Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Federal que vão avaliar a possibilidade de que seja ajuizada alguma medida judicial contra o empregador.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s