internet

CRIMES NA INTERNET (Por Adeli Sell)

InternetEstava sentindo a necessidade de falar sobre a Internet e o Direito, em especial sobre os crimes cibernéticos. Agora, depois de ler “INTERNET E DIREITO PENAL – Risco e cultura do medo”, de Emerson Wendt, nosso Chefe de Polícia, me senti obrigado a escrever e resenhar o livro.

O livro é fruto de sua tese de mestrado na Unilassale de Canoas; numa edição deste ano de 2017, pela Livraria do Advogado. Vai caminhar para se tornar um clássico no assunto.

Mesmo com o incrível aumento destes crimes, pouca produção teórica foi realizada e ainda são parcos os processos.  Falo que os crimes são muitos por percepção e apelos que recebo para tratar do tema, mas dados são precários. Desconfio que estes ainda sejam pouco confiáveis.

Afinal de contas precisamos de mais penas¿ mais lei penal¿ ou de educação e cultura para o uso adequado da Internet¿ Válido para o o que se posta, para que o que se abre, seja para um email que vem com “uma pegadinha”, que de diminutiva não tem nada, podendo se transformar num transtorno sem limites.

O objetivo do trabalho-pesquisa de Wendt é de trazer à luz o grau de confiança que os usuários de internet têm nos serviços que utilizam.

Sabemos que a Internet tomou conta do “mundo plano” (Thomas Friedman), o medo é instantâneo como o risco também.

Risco e medo de alguém capturar sua senha e sua conta, depois de uma compra “on line”, ou  o mundo ver a sua nudez como foi vista a da Carolina Dieckmann mesmo se negando a posar para a Playboy.

A mídia no caso jogou holofotes, fez manchetes bombásticas, mas ficam numa zona cinzenta casos mais graves de ameaças de morte, mortes de meninas expostas a escândalos e vergonha. Ou alguém já esqueceu o caso da mulher linchada no Guarujá, depois de uma “mera postagem”.

Wendt leu e pesquisou o tema, além de já ser um profundo conhecedor do Direito Penal, seguindo e citando o falecido professor Luiz Luisi: “E sobretudo temos um objetivo certo e definido a alcançar, como todos os amantes da liberdade, que é o de ajudar a construção de um mundo onde o homem não seja o logo do homem, mas o irmão, o semelhante, a pessoa portadora de direitos inalienáveis”.

A Lei no. 12.737 de 2012, conhecido como LCD, Lei Carolina Dieckmann, para Wendt não foi a mais adequada; não foi e não é solução para os problemas de indeterminações tecnológicas na rede; não ataca seus riscos e medo. A pressão da mídia como o senso comum é pressionar para criar novas leis, mais leis, para preencher lacunas (mesmo não sabendo quais nem quantas) de qualquer jeito, criminalizar, penalizar, e muito, mas muito mesmo, coisas de tirar o escalpo, com dor e sofrimentos. As pessoas se esquecem das lições de “O Alienista”, de Machado de Assis, onde o médico, que queria prender todo mundo, acabou ele sendo preso pelas mesmas razões que queria os outros presos.

Onde ficam a legitimidade e a proporcionalidade? Criminalizar por atacado, como ensina Luiz Luisi. Estamos na era das leis penais simbólicas, que, regra geral, restam inúteis.

A insegurança que vivemos no mundo real e virtual se espalha como toxina na verborragia fácil e incriminadora. A insegurança e crueldade sem limites se veem nas pessoas decapitadas nos presídios, cujos apenados estão sob tutela do Estado, que deveria ser protetor, mas naquele espaço não mais existe lei amarrada pelos liames da Justiça nem Estado, existe o Estado das Facções Criminosas, “a lei do mais forte”, a Lei do Talião. Estas mazelas não serão extirpadas com mais leis e mais prisões. Ali, o crime passou de um ataque ao bem da vida, para se tornar um crime de cunho essencialmente econômico, não está no livro, mas para quem leu “Ilícitos”, de Moisés Naim, sabe do que estou falando, “o crime compensa”.

Os crimes cibernéticos não serão resolvidos apenas pelo Direito Penal. E como a Internet é fundada na liberdade, temos que buscar outros meios de resolver os dilemas postos, sem fugir do respeito ao Direito e à Justiça.

E daí?

Wendt pesquisa bravamente por essa mesma Internet e usa seu questionário naquele potencial que o Facebook e o Google podem lhe oferecer. Consegue dados nacionais e em número de razoável e aceito dentro dos preceitos para pesquisa, para os ditames de nossas ciências sociais.

Como a Internet chega à metade da população brasileira poder-se-ia duvidar de tal pesquisa. Porém, ela alcança um número razoável de pessoas que são expressão da média, do pensamento padrão do povo, e dos que de fato usam e usam muito, através de várias mídias.

Parecem-nos bem plausíveis os dados, porque “bate” com nossas experiências cotidianas e vivências.

Mais de 80% veem risco no uso da Internet; mais de 50% sentem medo.

Mas querem mais leis, penal ou outra lei, mesmo desconhecendo o atual arcabouço e alcance da legislação existente, isso tudo depois da LCD e do Marco Civil da Internet, dos vários projetos incriminadores como o do senador Azeredo, conhecido como o AI-5 da Internet.

Mais de 90% querem regulamentação, mais mecanismos de prevenção a riscos.

O Direito não acompanhou, apesar de ter mecanismos que poderiam e podem ser usados, para resguardar a pessoa das lesões a seus direitos. Nem vai acompanhar, porém a linha das lutas das pessoas, da sociedade não é por mais penalizações, por “outras penalizações”, quando deveria ser por um vivo e dinâmico processo de educação, preparo cultural do usuário e dos cidadãos em geral, entendo a diversidade geográfica e cultural do país, quando aqui nos queixamos da falta de banda larga, da morosidade dos acesos, temos que entender que aqui uma criança tem o último modelo de celular na mão, sem ter sido alertada para a arma que pode ser este belo instrumento de inclusão, temos os moradores dos fundões  do Brasil onde há pouco,  nem energia chega. Mesmo que tenha chegado o sinal de Internet ainda é um sonho para quem viu na TV um modelo de celular…

Estamos diante de elementos essencialmente comportamentais. E os riscos que corremos por não atentar a certos valores, a procedimentos claros, serão evitados e corrigidos por comportamentos. E nos casos de risco, repetimos, temos mais do que um aspecto para possível uso da Lei Penal, temos crimes eminentemente econômicos, pois o ditado de que o crime não compensa foi posto à prova e compensam em muito os aspectos do lado econômico.

Adeli Sell é acadêmico de Direito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s