Petróleo/Petrobrás

Novo diretor da ExxonMobil é filho da chefe de gabinete da Petrobras

A entrega do Petróleo Brasileiro as petroleiras estrangeiras é descarado.E pago com altos cargos a  “parentes”. O que levará o Pedro Parente depois do desmonte da Petrobras e da entrega do Petróleo? Se bobear, lhe entregam umas duas capitanias no Brasil recolonizado do Século 21. Mas ainda tem gente achando que a Lava Jato era “contra a corrupção”. Bah!

Sede da Petrobras, no Rio de JaneiroTânia Rêgo/Agência Brasil

 NO PODER 360

O novo diretor de Relações Internacionais Governamentais da ExxonMobil (dona da marca Esso), o cientista político João Augusto de Castro Neves é filho da chefe de gabinete da presidência da Petrobras, Sônia Castro Neves. Apesar da relação de parentesco chamar a atenção do mercado, não há nada de ilegal, segundo explicou a estatal brasileira ao Poder360.

Castro Neves foi contatado para o cargo por uma head hunter, empresa especializada em procurar profissionais do mercado em áreas executivas. O executivo ficará em Washington.

 

A Petrobras afirmou que a situação está de acordo com suas regras de compliance. A Comissão de Ética da empresa foi comunicada do fato em novembro de 2017. Antes disso, em setembro, a mãe de Castro Neves já havia avisado o presidente da Petrobras, Pedro Parente, sobre o assunto.

Por nota, a ExxonMobil informou, que a contratação foi 1 processo “totalmente separado e sem relação com qualquer anúncio de negócios“. Ainda, que o nome foi escolhido por se tratar de 1 “respeitado analista político da América Latina“.

ACORDO ENTRE AS GIGANTES

Em setembro de 2017, a ExxonMobil arrematou, em parceria com a Petrobras, 6 blocos na Bacia de Campos na 14ª rodada de licitações da ANP, em setembro. Ao todo, a Exxon venceu a disputa por 8 blocos. O leilão marcou o retorno da norte-americana à exploração no Brasil, após 5 anos.

As empresas pagaram R$ 2,24 bilhões por 1 único bloco, maior oferta da história em rodadas de licitações do gênero.

Em dezembro, a Petrobras e ExxonMobil assinaram aliança estratégica para identificar e avaliar potenciais oportunidades de negócios. Na ocasião, as empresas informaram que pretendem aumentar investimentos e exploração em toda cadeia de produção de óleo e gás, dentro e fora do país.

DO BRASIL A WASHIGNTON

Especialista em integração regional e política externa, Castro Neves foi diretor de riscos na América Latina e Brasil da Eurasia Group, que atua fazendo lobby e consultoria. Doutor em ciências políticas pela USP, Castro Neves é co-fundador da CAC Consultoria, empresa que desenvolve serviços de análise e estratégia políticas, com sede em Brasília.

Também foi gerente de projetos do Consulado Geral Britânico no Rio de Janeiro e analista sênior do Ibep (Instituto Brasileiro de Estudos Políticos), conhecida empresa de lobby.

Entre julho 1999 e março de 2000, Castro Neves prestou “serviços técnicos especializados” no gabinete do então senador Sérgio Machado (PSDB-CE) e na Liderança tucana na Casa. Machado depois se filiou ao MDB (antigo PMDB) e virou presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras. Na Lava Jato, fechou delação premiada e admitiu ter integrado 1 esquema de corrupção enquanto comandava a estatal.

__

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s