Mobilidade

Câmara aprova projeto que regulamenta transporte com aplicativos

cabifyubereasy-taxi

O plenário da Câmara rejeitou nesta quarta-feira (28) por 283 votos a 29, a emenda nº 1 do Senado que retirou dos municípios a competência de regulamentar os serviços de transportes prestados pelos aplicativos como Uber, Cabify e 99, previsto no projeto de lei (PL 5587/16), do deputado Carlos Zarattini (PT-SP) e outros. Com a rejeição, a Câmara restabelece a proposta original, ao devolver aos municípios o poder de regulamentar e fiscalizar o exercício dessa atividade. O texto segue para sanção presidencial.

O deputado Zarattini classificou esse debate como importante para a mobilidade urbana do País e comemorou a rejeição da emenda oriunda do Senado Federal. “Essa emenda colocava por terra, acabava com a possibilidade de as prefeituras atuarem e, consequentemente, tornava esse projeto inócuo”, observou o deputado que é um dos defensores da regulamentação dessa atividade como forma de proteger os direitos dos trabalhadores e dos usuários desse serviço.

Alertou o deputado, que da forma como vêm funcionando esses aplicativos, com a aprovação do PL, não vão funcionar mais. “Esses aplicativos recrutam milhares motoristas, em que todos podem trabalhar ao mesmo tempo, rebaixa o rendimento dos motoristas e mantém a arrecadação desse aplicativo. Então, isso não vai acontecer mais. Vai haver uma limitação. Os municípios vão estabelecer regras e os aplicativos vão funcionar seguindo essas regras”, afirmou Zarattini.

Para o líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores, deputado Paulo Pimenta (RS), a decisão do Senado retirava os municípios desse processo e, segundo ele, permitia que sistema de transporte com aplicativos funcionasse sem qualquer regra, regulamentação ou fiscalização.

“Com a rejeição da emenda número 1, e com o restabelecimento do texto original, competirá exclusivamente aos municípios regulamentar e fiscalizar os serviços de transporte com aplicativos. Ou seja, é um avanço muito importante, que reforça o pacto federativo, aonde nós estamos delegando aos municípios o poder de decisão, de autonomia”, argumentou Pimenta.

Autorização prévia – A segunda emenda aprovada por 227 votos a favor, 166 contra e 11 abstenções excluiu do texto, a necessidade de autorização prévia emitida pelo poder público municipal aos motoristas desses aplicativos nos municípios em que houver regulamentação.

Já a terceira emenda apreciada pelo plenário, teve votação simbólica. Os parlamentares mantiveram o texto aprovado pelo Senado, que retira a obrigatoriedade do uso de placas vermelhas em caso de o motorista vinculado ao aplicativo ser o proprietário, fiduciante ou arrendatário do veículo.

A Câmara manteve também a decisão da Casa revisora que desobriga os motoristas dos aplicativos a ter autorização da prefeitura para prestar serviços de transporte com aplicativos.

Benildes Rodrigues

Foto: Magno Romero

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s