Uncategorized

FARC retira candidatura à presidência da Colômbia

A FARC anunciou esta quinta-feira que não irá concorrer às eleições presidenciais, devido à falta de garantias para o exercício político na campanha eleitoral e aos problemas de saúde do seu líder, Rodrigo Londoño (Timochenko).

Iván Márquez, ex-membro do Secretariado das FARC-EP e actual membro do Conselho Político Nacional da FARC, integrou a equipa que negociou a paz em Havana (foto de arquivo)Créditos/ primiciadiario.orgnsira uma legenda

De Abril de Novo Magazine

O «processo de recuperação» do candidato pela FARC e a «ausência de garantias para o exercício político» levaram o novo partido político a «retirar a sua aspiração à presidência» da Colômbia, não participando nas eleições marcadas para 27 de Maio.

A decisão foi revelada hoje pelo Conselho Político Nacional da Força Alternativa Revolucionária do Comum (FARC), numa conferência de imprensa, em Bogotá, na qual foram enumeradas as ameaças a que o partido político foi submetido e se fez referência ao estado de saúde de Rodrigo Londoño, também conhecido como Timoleón Jiménez ou Timochenko, que ontem foi submetido a uma cirurgia cardíaca, depois de ter sofrido, recentemente, um ataque cardíaco.

Numa declaração lida por Iván Márquez, a FARC afirma que se irá manter nas eleições legislativas, que se realizam no próximo domingo, e expressa a disposição dos ex-combatentes da guerrilha para o diálogo com todos os sectores políticos, «de modo a construir pontes para tornar realidade a perspectiva de uma grande convergência nacional em prol da paz e da reconciliação».

Instou, para além disso, os colombianos a votar no dia 11 nas listas da FARC para o Senado e a Câmara de Representantes, acrescentando que o partido decidiu participar neste processo eleitoral tendo em atenção os compromissos alcançados nos acordos de paz de Havana.

Recorde-se que, no âmbito dos acordos de paz firmados entre o governo colombiano e as FARC-EP, a FARC tem assegurados dez assentos – cinco no Senado e outros tantos na Câmara. Na sua campanha, este novo partido defendeu uma agenda centrada nas áreas da Saúde e da Educação, e na resolução de problemas como a pobreza e o desemprego, refere a TeleSur.

Contributo para ultrapassar a violência

A FARC manteve-se determinada em participar nas eleições legislativas, apesar de o Congresso da Colômbia ter impedido a realização de «uma reforma político-eleitoral ao regime clientelista, corrupto e mafioso que rege o país», disse Márquez.

O representante do Conselho Político Nacional da FARC salientou o contributo dado pelo seu partido para a superação de qualquer ligação entre violência e política. No entanto, desde a assinatura do Acordo Final já foram assassinados mais de 50 ex-guerrilheiros ou familiares seus e mais de 250 dirigentes sociais, sublinhou.

Denunciou também o facto de cerca de 600 ex-combatentes, hoje militantes do partido, continuarem presos nas cadeias colombianas, sem que lhes tenha sido aplicada a Lei da Amnistia, indica a Prensa Latina.

Relativamente à campanha para as presidenciais, cuja corrida agora decidiu abandonar, a FARC recordou que foi obrigada a suspendê-la temporariamente «devido à ausência de garantias e, sobretudo, pelos ataques de que Timochenko foi alvo enquanto candidato à presidência».

Tal violência foi instigada, acrescentou, por sectores do partido uribista (em alusão ao ex-presidente Álvaro Uribe) Centro Democrático.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s